segunda-feira, novembro 30, 2015

se fossem brancos



Aquele vídeo da senegalesa destruindo o francês, tem uma frase que não me sai da cabeça. Ela fala sobre os imigrantes mortos no caminho, aos milhares, e ninguém faz nada porque são negros e árabes. Que se eles fossem brancos, o mundo estaria chorando. E eu tenho uma dificuldade muito grande em falar sobre isso, porque fica parecendo o síndico da comoção alheia (mas o que é isso, você está chorando pela França e a cidade de Mariana como fica? etc). Só que não tem como não falar sobre isso, porque é todo o cerne da questão. Os jovens fuzilados na Pedreira. Se fossem 5 jovens brancos mortos no Leblon? Como estaria a imprensa, como as conversas nas ruas não estariam?

Então vem uma outra questão também difícil de ser falada. Sobre essa coisa do bandido bom é bandido morto. Minha mãe pensa assim, tenho colegas de trabalho e amigos que pensam assim, você vai na padaria e atendente pensa assim. Quem concorda com isso dá aval pra PM fazer o que quiser. Atire primeiro, pergunte depois. E é inacreditável como eles não conseguem fazer o link. Rever conceitos para eles é impossível. Empacaram mesmo nessa coisa da justiça com as próprias mãos. Eu só fico olhando e lembrando daquele gif do cachorro tentando passar pela porta com uma vareta de dois metros na boca, na horizontal não vai passar nunca. Empacaram. Ficam repetindo clichês sem o menor conhecimento (bolsa bandido, humanos direitos e blablabla). Parei de seguir todos no facebook, pois não sou obrigada.

Bandido bom é bandido preso. E veja bem, os jovens da Pedreira não eram bandidos, mas foram mortos por uma cultura em que se deve matar as pessoas, não prendê-las, julgá-las e condená-las. Sábado aconteceu com Wilton, Wesley, Cleiton, Carlos Eduardo e Roberto. Amanhã pode acontecer com você, com seu filho, com o seu irmão. Mas relaxa, se você for branco, dificilmente a polícia sairá atirando. Enquanto isso, um genocídio da população negra e ninguém fala nada.

6 comentários :

Carlinha Salgueiro disse...

Obrigada por me fazer acreditar que ainda tem gente pensante na humanidade.

Edson disse...

Eu sendo negro, morro de medo de ser confundido com outro e me matarem. Ou ser preso por engano.

Odeio os olhares tortos na rua!

Não é nada fácil ser negro e pobre!

Ana disse...

Patricia você me representa!!

Wesley Lacerda disse...

Oi, Patricia!!
Queria muito que você voltasse a escrever sobre a sua vida/confusões, rsrs.
Sempre te admirei por um único motivo: Você é uma mulher ESPERTA, que observa e que vive atenta. Saudades de ler suas histórias <3

Rosana Tibúrcio disse...

Concordo com tudo. Parabéns por essa lucidez.

Jana disse...

Fiz essa mesma pergunta em um grupo de amigos e fui taxada de mimizenta. Ainda é muito difícil mesmo rever certos conceitos, mas que bom que existem pessoas que conseguem pensar fora da caixa como nós. Parabéns pela lucidez.