segunda-feira, agosto 17, 2015

choram Marias e Clarisses

"Todo mundo que vai, posta um cartaz de intervenção militar. Não é uma caricatura. É um caráter que emergiu. A manifestação já é. E o que ela é, sinceramente, é pouco demais. Não só pra mim. Acho que pra você também". (da MaryW)

Tava pensando sobre isso hoje. Porque me vem mesmo essa necessidade de dizer que é legítimo se manifestar, que o atual governo cometeu erros e as pessoas têm o direito de ir pras ruas e tudo mais. Em contrapartida, percebo, assustada, que o "volta, militares" não é uma minoria dentro do movimento. Então, me vem à memória o referendo do desarmamento. Tinha o sim (desarmamento) x o não (não desarmamento) e eu era do pessoal do não por entender que o cidadão (de bem, rysos) tinha o direito de ter uma arma. Eu caí no conto da liberdade do cidadão, hoje, claro, votaria sim. Tô relembrando essa história porque eu tinha uma vergonha IMENSA da campanha do não, me enojava estar ao mesmo lado do discurso do cidadão de bem etc. Então, o que eu fazia? Ficava em silêncio. Não achava brecha dentro do próprio movimento que eu era a favor, só via Datenas linchadores e aquilo não era pra mim, embora eu ponderasse "as pessoas têm o direito ao porte de armas". Alguns amigos me diziam "Patricia, olha o tipo de pessoa que tá apoiando isso". Eu não tinha como argumentar. Era realmente terrível. Acho um exercício necessário olhar para os lados e ver quem está ali. Dom Helder não fez isso com os integralistas e teve uma biografia manchada para sempre. No caso do referendo eu fui revendo conceitos e mudei de opinião. Fico aliviada de ter viajado na época e justificado meu voto. Não consegui ser uma voz que destoasse da campanha nojenta do "não". Mas vejo ser possível destoar dentro de um movimento político. No meu caso, mudei de opinião, mas poderia não ter mudado. Fico pensando na tristeza que deve ser para alguém que quer ver mudanças, mas não consegue achar um norte dentro do movimento, porque olha para o lado e tem um cartaz pedindo intervenção militar. A mudança, a meu ver, precisa ser também na oposição.

Um comentário :

@masqueporra disse...

Texto ótimo. Parabéns pela lucidez, pela capacidade de rever a sua conduta. Acho que é uma dificuldade grande do ser humano isso, de dar o braço a torcer, de refletir novamente e assumir (pra si mesmo!) que a gente em algum ponto pode não estar cert . Sigo te lendo e te admirando, ahaha (: