quarta-feira, abril 08, 2015

sobre a final do bbb e o interior do brasil

Cezar com certeza foi o personagem que mais nos irritou. Não foi o mais odiado (pra mim, por exemplo, foi o Barrabás), o que irrita é mesmo o combo caipira + personalidade cansativa. Inclusive foi por causa desse cansaço da figura que nunca apostei na vitória dele. Moiséis, Marcão, Jaqueline do galo, Pink. Não ganham nunca, tem um ápice de popularidade, mas depois se dissipa. Não sustentam. É interessante como o Cezar sustentou. Realmente não confiei que fosse possível.

Rodrigo Caubói, Dhemoni, Fael e agora Cezar. Com exceção do Dhemoni, os outros não fizeram absolutamente nada pelo jogo. Tenta puxar uma cena do Fael pela memória, aquela cena pá que marca a edição, não tem nenhuma. Caubói só tem a cena da briga na varanda. Apenas. Cezar não tem nenhuma. Então vem uma enxurrada de críticas. Eu também critico, mas essa tarde tive um insight. Sobre a falta de representatividade na tv do cidadão que vive na zona rural. A maioria aí nasceu em cidade urbana, pronaf nunca nego ouviu falar, a patota do twitter então, jesus, é totalmente urbana, basicamente Rio, Sp, Brasília, Bh, Curitiba. É um nicho que até reflete bem as pessoas das grandes cidades. O problema reside em enxergar que o Brasil não é só isso. Pega o mapa do país, olha quantos milhões de pessoas vivem em áreas rurais. São pessoas que você vê na tv? Tem algum personagem na novela das 9? Silencio no hay banda. 

Não cabe a mim julgar a vitória do Cezar. Como julgar o cidadão que se vê representado por ele na televisão? E a votação não foi apenas de pessoas da zona rural, soma com a galera que votou por considerá-lo excêntrico, que de fato é, conheço mil Amandas, mil Fernandos, mil Tamires. Cezar não conheço nenhum (graças a deus, mas esse não é ponto).

Enfim. Tô putíssima com a vitória desse bocó, mas acredito que o Brasil urbano precisa conhecer mais o Brasil do interior.

15 comentários :

Hilário Júnior disse...

Eu já tinha pensado nisso na final do Fael, láááá em 2012 e cheguei até a esboçar um texto sobre. E é o interior também quem ainda assiste em massa e peso o BBB. Pode ver pelos eventos de presença VIP dos Ex-BBB, que a maioria agora são em cidades médias tipo: Uberlândia, Ribeirão Preto, Interior do Paraná...

Meus amigos de escola (interior de PE) todos ainda assistem ao programa e comentam. Esse ano comentaram mto no whatsapp e perguntavam oq eu tava achando... e tipo, não vi nada. Só trechos!

Tirando as pessoas do twitter q sigo, meus outros ciclos não assistem ao programa tb. Se perdeu...

Sua análise faz mto e todo o sentido ;)

Fabi disse...

Eu li em algum lugar que o Cesar ganhou por W.O. e fez mto sentido p mim.
Amanda, Fernando e Aline desistiram do BBB p brincar de malhação.
Tamires realmente desistiu.
Talita não conseguiu segurar a arrogância.
Rafael não segurou a pamonhice.
Angélica e Fran foram barradas por estarem com o uniforme errado. (Onde já se viu mulher empoderada?)

Tanto que a única ameaça real a ele foi a Mariza. A única que, como ele, jogou do começo ao fim e nunca abandonou o personagem.

Anônimo disse...

Oi flor a moça do galo se chamava Jaqueline e não Angélica bjos

Bernardo Beledeli Perin disse...

olha, procê ver, vim pro interior do RS visitar minha mãe agora na páscoa e fiquei uns dias. a reação geral que eu tenho visto é: ele é uma boa pessoa, tem o coração bão, e basicamente exaltam o que ele tem que não é uma característica vista como ~urbana~.

e eu não poderia concordar mais com você.

guilherme disse...

Não assisti BBB, mas gosto das suas análises sociológicas do programa e de quem o assiste. Questiono apenas se as "pessoas do twitter" são representativos da própria população do Rio de Janeiro, São Paulo e das grandes capitais.

Como você mesma já disse, ir pra Japeri te mostrou quem votou em Kléber Bambam no BBB1, e conhecer um Rio de Janeiro invisível aos olhos de quem só vê a cidade da classe média pra cima.

O resultado coloca em questão também quem é a audiência do programa, e quem é engajado o suficiente para votar nos participantes do reality.

DENiS disse...

Que bom que acabou! Agora seu blog volta á "normalidade"! rsrsrs

Anônimo disse...

A vitória do Cesar foi muito mais pelo demérito dos outros que pelo mérito próprio.
No fim das contas, brasileiro é um povo engraçado. Se faz de liberal, alegre, mas no geralzão mesmo somos uma nação conservadora, que só se diverte quando ninguém está olhando e quando está todo mundo olhando é só apontar os erros dos outros.
César é a cara do Brasil.

Patricia C. disse...

Anônimo 10:09, Já consertei pra Jaqueline, obrigada, me confundi.

Allan Penteado disse...

Caramba! Você disse tudo o que eu penso, e ainda vou além... Acredito que a marca do Cezar é a de ter sofrido o BBB inteiro. Sim, ele é insuportável e eu não torci por ele, e se há algum tipo de merecimento no reality talvez fosse mesmo dele, que passou dias comendo arroz, feijão e ovo. Se fosse eu no lugar pediria pra sair! E ás vezes me lembro, quantas vezes nós "comemos pão e ovo" e no final não conquistamos o que merecemos (ou conquistamos tbm)!

Desculpa a viagem no comentário, acontece que não criei empatia por ninguém, exceto o Adrilles no final - mas que tbm me irritava - e no final acho que ganhou quem mais sofreu, quem dera fosse sempre assim na vida do brasileiro.

Ge disse...

Já te disse que torcia pelo Cezar porque quando ele foi meu aluno sempre demonstrou ser uma boa pessoa. O pouco que vi de BBB foi suficiente pra perceber que ele foi lá como era na sala de aula. Quieto, na dele, e quando abria a boca acabava falando algumas besteiras. Eu acho que o interior é mal representado como um todo. Por ter estudado em São Paulo, Rio e Curitiba, eu percebo que quem sempre morou nessas cidades mal imagina como se vive no interior do Brasil. Quando eu conto no doutorado que moro em uma chácara, as pessoas não entendem. Assim como não entendem que não é uma questão de ser ingênuo ou mal preparado pra vida, mas de ter que abrir mais a cabeça quando se desloca para as grandes cidades e conhece tanta coisa e gente diferente. Quando meu namorado, jornalista, chegou em Brasília pra trabalhar numa redação grande, ser do interior foi suficiente para darem para ele uma função considerada serviço de estagiário. A pessoa vinda de são Paulo que entrou no mesmo dia que ele era mais nova, com menos experiência e assumiu maior responsabilidade. Ele levou meses para se provar. E acho que essa acaba sendo a maior dificuldade. Demonstrar que você não é ingênuo. E o Cezar não foi nada ingênuo. Foi difícil de aguentar, pode ter sido chatissimo, mas foi quem ele é. Torço pra que, voltando pra cá, ganhe mais que 57 votos se se candidatar a vereador!

Lara Mello disse...

Eu odeio o Cezar, gosto de gente que movimenta, prefiro mil vezes a AMANDA, que com toda idiotice, se dou no jogo, mas né...

Anônimo disse...

Você nos abandonou, ingrata.

BlauBlau disse...

Sentindo muito sua falta...

Julia disse...

Volta.

5 de maio

Vou contar os dias.

Mesquita disse...

#VoltaPatrícia