quarta-feira, novembro 21, 2012

acho cafona

Não sei se deixei muito claro, mas eu odeio maconheiro. O drogado em geral, a pessoa que se excede, é sempre ruim. Mas é tranquilo você ver uma pessoa que bebe, a probabilidade dela ser alcoólatra é pequena. A gente cheira aqui e acolá, mas ninguém aqui roubou tv pra sustentar o vício. Etc.

A maconha é tipo o limbo das drogas. Porque ela não vicia da forma como as outras, e é tão tolerada quanto o cigarro ou a bebida, embora seja ilegal. Ninguém se assusta com gente dizendo "vou ali puxar um beck". Tá sussa, né. E aí ela vai entrando nos ambientes e acontece a pior coisa. O lifestyle da maconha.

Há uma diferença. Tenho amigos que fumam uma vez na vida, outra na morte. Não há aqui o lifestyle.

Agora, se senta uma maconheirozinho de merda do meu lado querendo discutir sobre a transcendência do universo, minha vontade é apresentar o crack pra ver se ele morre logo. Porque a maconha, meus amigos, ela tem esse defeito. Ela não mata.

Então. Quem bebe muito, tem cirrose e beijosmeufuneraltámarcadoàs11 em no máximo 15 anos.

Quem cheira muito, provavelmente mistura com álcool e faz a Elis num quarto de hotel.

Crack, heroína. Jesus, nem se fala.

O excesso mata.

Com a maconha, infelizmente não. Se bobear, nem câncer a pessoa vai ter se fumar 5 baseados por dia. A pessoa pode se exceder, pode ser a mais inoportuna de um centro acadêmico, que ela estará lá, aos 80 anos, puxando um beck numa pracinha em Senador Camará.

Falando sobre a faculdade, também estou chocada tanto quanto vocês dessa matrícula na UFRJ ainda estar ativa. Vou tentar destrancar no próximo semestre, mas de repente, não dá certo. Vou fazer de qualquer forma o vestibular pra letras, embora hoje, nem seja o que eu quero mais. Também não rola pedir transferência dentro da UFRJ porque letras é no Fundão e eu não trabalho com Fundão. Citaram faculdade a distância e olha, é uma opção mesmo viu. Vou tentar cursar mais 2 anos de filosofia e se não der certo, faço o CEDERJ.

22 comentários :

Anônimo disse...

Antes de conseguir sonhar em completar os semestres que faltam, já estará com a matrícula suspensa tendo que ir fazer requerimento no colegiado e tomando, por conseguinte, no cu.

Patricia C. disse...

não posso tomar no cu (embora gostaria muito) pq a matricula deveria estar cancelada há pelo menos 4 periodos e tá lá ativa. desculpa te decepcionar :(

Patricia C. disse...

P.s: agora bota a cara, queridinha

Ruth disse...

Queria tanto conseguir comentar antes dos babacas inoportunos que infelizmente frequentam seu blog, Patrícia... Pelo menos uma vez. Nunca consegui.

nah disse...

oq leva um PELA SACO, a vir aqui antes de todo mundo e falar merlin?

RECALQUE.

patrícia, torço mto mesmo por vc!
Me identifico aqui, com mt coisa.
Vc vai sim fazer sua faculdade, não pq tem 'sorte',+ pq vc é completamente capaz.

beijos.

Glory Box disse...

Gente, obrigada. Achei que eu fosse a única a achar maconha cafona. E são tantos motivos...
Sem contar o PÂNICO que sinto ao pensar no bando de lesados e esquizofrênicos que teremos perdidos por aí daqui uns anos.

Mudando de assunto, tô torcendo pra dar certo. Presencial mesmo. Faz parte do processo (foi mal pelo discursinho professora "tudo é aprendizado")! É que EAD é tão chato... Eu pelo menos perdi o "tesão" numa disciplina que eu sempre curti fazendo um curso à distância.
Apesar das chatisses óbvias do presencial, acho que agora você tem mais cabeça pra curtir e aproveitar mais as aulas. Sem contar que no EAD é aquilo e acabou, no presencial rola um monte de coisa bacana nas entrelinhas :)

Renata disse...

OMG tudo que eu sempre pensei sobre drogas em um post só! kkk

JORGE ALISON disse...

Mas qual é o problema com o Fundão, afinal?

Lara Mello disse...

Eu não tenho nada contra a maconha em sim, e nem as pessoas que a usam, mas você disse tudo, eu conheço váaaaariiiias pessoas que usam, e após usar acha que freud, UM CUUUUU! Que discutii o universo e o caralho a 4, para esses meus amigos, olho para cara e mando para de querer gasta a porcaria da lombra comigo, acho um saco mesmo..

Se cuida, e lembra que um bocado de maluco que não sabe nem o que tá fazendo na facu tá lá, você é super inteligente, vai arrasar! =**

Vivian Ortiz disse...

Simplesmente arrasou com o comentário sobre a maconha! :-)

Sophia Welcker disse...

De fato, eu me divirto com o que leio aqui. Não sei se é fictício, ou, se fosse real, mas se não fosse realidade, não seria tão engraçado.

Parabéns pelo blog.

Vítor L disse...

patrícia, desistiu de letras? quer fazer o que agora? super apoio sua volta à faculdade :)

Chist84 disse...

1. Maconha não é tão aceita quanto bebida e cigarro. Pode ser em certos círculos sociais, mas é minoria da minoria da sociedade; 2.As pessoas que eu conheço que fumam muito, ficam exatamente iguais após o uso, pois, acostumadas ao efeito, não ficam viajandonas (essas realmente são chatas, mas já o seriam sem a maconha, por isso talvez demonstrem uma afetação, ou não fumem verdadeiramente em quantidade, daí a chapação em excesso, por falta de "imunidade" àquele estado de ficar com o cérebro derretendo ).

Chist84 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hélio Sales Jr. disse...

Maconheiros me cansaaaaaaammmmzzzzz... mas como vc disse, o maconheiro-lifestyle. Sou relax com quem fuma uma vez aqui e outra ali, mas todo dia, toda semana, a pessoa entra nessa onda mesmo. Nesse limbo canabis insuportável.

Nina. disse...

Patrícia, vc já deu uma olhada no curso de letras da UNIRIO? ele é todo noturno. é um curso novo, tem acho que 3 anos só, então tem pouca gente, cada matéria que vc pega tem no máximo 10/15 pessoas em sala. tem muita gente mais velha fazendo, pelo horário. muitos adultos. não tem panelinhas pq nem tem gente suficiente, haha. outra vantagem de ser tão pequeno: não tem burocracias infinitas, tudo é resolvido internamente e rápido. os professores são super dedicados pq a existencia desse curso foi toda uma batalha, um projeto querido deles. eles tem muita tolerancia em entender os problemas de quem trabalha, de quem nao tem tempo.. e ainda é um curso bem moderno e revolucionário, a ementa é bem legal. é bastante focado em litaratura. o ingresso não é por vestibular, é só por enem, nao tem nem segunda fase. http://www.unirio.br/letras/index.html aqui o site, dá uma olhada.
beijo!

Leo Coutinho disse...

Muito bom texto! Boa sorte com a matrícula! =)

Jana disse...

Olá Patrícia
Comento pouquíssimo no seu blog, mas acompanho sempre e hoje não tive como não comentar. Tb acho pé no saco maconheiro Freud, esse povo que quer discutir a essência do Universo. Respeito que quer fumar seu beck, mas dispenso. Só libero um amigo hiperativo, louco que quando fuma vira gente e dá pra conversar numa boa: o THC nele tem efeito medicinal, ele fica ótimo.
Quanto a facul se joga nega. Se essa matrícula ainda tá aberta, aproveita.

Lilly Queers disse...

Eu adorei o texto, ri muito... mas pra quem leva a sério a coisa da maconha, eu acho que vcs ficariam surpresos com a quantidade de pessoas que fumam maconha todos os dias, levam a vida normalmente e não são "deslumbradinhos" pseudo-profundos. hahahah

. disse...

eu faço UNIRIO, e Letras fica pertinho então ia ótimo ter você como colega de facul hahhaha
Queria só ver suas histórias com o ônibus 107 (o único que leva até a Urca!)

sobrefatalismos disse...

Infelizmente, conheço alguns maconherozinhos que fazem de tudo para sustentar o vício e acreditam firmemente que estão posando de intelectuais para os reles mortais que somos nós. Acho ridículo. E considero esse tipo de pessoa o mais fraca possível, pois necessita de uma "fuga" da realidade. não consegue lidar e superar os seus problemas. Só tenho pena.
Abraços.

Rafael disse...

Não quero ofender nem ser parte do time dos babacas de plantão, até pq te acho sensacional, baseado nas coisas q escreve, mas esse texto especificamente foi completamente sem noção, cheio de senso comum e preconceitos rasos. Tem q ver o tipo de maconheiro (ervoafetivo, como diz uma amiga) que tu conhece. Trabalho, estudo, faço obras sociais e FUMO MACONHA FEITO UMA PUTA APAIXONADA, mas nem por isso fico cansando ngm com papos existenciais ou lorotas de hippie mauricinho. Generalização super otária essa sua, mas blz, o blog é teu, mimimi e etc.