segunda-feira, outubro 15, 2012

carminha perde

Combinei com a minha mãe de não atendermos o telefone fixo. Ela não consegue mentir. Eu bolei pra ela uma mentira "Joana, o proprietário pediu a casa e nem sei pra onde vamos, as coisas estão difíceis", mas nem isso ela consegue dizer. Então, ficou nessa de não atender o telefone mesmo. Meu medo é a monstra aparecer aqui sem avisar e mamãe ficar sem ação. Por ela, a monstra mora aqui. Porque em 1740, na encarnação x, essa nojenta ajudou meus pais e rola uma coisa bem materna mesmo, mamãe estava grávida, todo mundo dizendo pra abortar e a monstra ponderou "a decisão é sua". De resto, foi uma ajuda tão pequena, sabe? Meus pais moravam de graça, mas a minha mãe fazia tudo na casa, era tipo uma escrava. E ela não consegue enxergar isso, bate na tecla "mas ninguém me ajudou e a Joana me ajudou. Eu devo isso a ela e blablabla". Minha mãe não enxerga que já devolveu esse favor quando a monstra morou com a gente na minha infância. Não se dá conta de que ela, comigo bebê, foi expulsa dessa casa quando uma puta fez uma intriga e a monstra preferiu acreditar na puta. Ela também não enxerga maldade quando essa monstra instigou meu pai BÊBADO a me bater. Eu enxergo maldade de longe. E a Joana é uma das piores pessoas que conheci na vida, só perde para o agressor. Abandonou 2 filhos no Rio Grande do Norte. Nunca procurou. Que tipo de mãe faz isso? A única coisa que eu sei é que se essa mulher pisar aqui, eu saio pela mesma porta que ela entrou. Aluguel no Rio está carríssimo. Não me importo se não achar um lugar decente, até em vaga eu moro, mas no mesmo teto que essa monstra, jamais.

37 comentários :

Inaie disse...

pra sua mae nao cair em tentação, tira o telefone da parede e esconde...

gesica disse...

Eu acompanho seu blog há um tempão mas nunca comentei. E assim, minha mãe era do mesmo estilo da sua. As pessoas aprontavam com ela e ela só fazia chorar; e quando eu reclamava ela falava "você não pode ser assim e blá blá blá". Sei bem como é ficar com a fama de vilã. Teve uma escrota, afilhada dos meus pais, que eles abrigaram aqui porque era pobre e do interior e não tinha onde ficar pra estudar.
Foi maior ingrata, minha mãe a tratava como filha, tinha uma vida muito boa aqui; quarto com suíte só pra ela e foi embora sem agradecer e ainda falando mal.
Anos depois quando minha mãe tava no hospital morrendo de câncer quis fazer a linha boa samaritana e visitar a minha mãe, mas eu barrei a entrada dela. Não me arrependo. E depois no velório, do lado do caixão da minha mãe quis me abraçar e eu nem dei bola.
Cada um sabe de si, ninguém sente pelos outros. Imagino como deve ser difícil pra você, mas não deixa a sua mãe sozinha nas mãos dessa aproveitadora. Não deixa de curtir a sua mãe e ficar com ela por causa de gente sem caráter.

Ana Lúcia disse...

Que bom que, aparentemente, tudo deu certo pra você, viu? Isso mostra que a sua mãe é verdadeiramente sua amiga. A minha é o tipo de pessoa que valoriza todos os demais seres humanos do mundo, exceto a família. Ela conhece uma cidadã há alguns anos. Essa mulher é o retrato da inveja e do despeito. E muito traiçoeira. Mesmo sabendo que a tal não é digna de confiança, ela vive contando coisas da nossa vida pra safada. Um dia, falei pra ela: "Não fique dando confiança pra essa mulher. Ela não presta". Recebi como resposta o singelo: "Isso é problema meu. Cuide dos seus". Fiquei sem palavras. Fui tentar aconselhar e levei uma belíssima patada. Amanhã, quando a víbora a apunhalar pelas costas (pois sabe tudo sobre ela e poderá usar tais informações quando quiser), talvez ela se lembre desse dia. Pelo menos, pra mim, isso serviu pra aprender a me importar apenas comigo, porque ninguém mais o fará. Boa sorte aí.

Elis Bastani disse...

Pois é, tenso. Você vai deixar sua mãe com ela. Bate a real mesmo, fala que ela não entra na casa de vocês e pronto. Melhor do que ser expulsa indiretamente da sua própria casa por esse exu.

Anônimo disse...

Olha, leio os comentários dos seus posts e vou me chocando por ter levado uma vida praticamente blindada. Todas as intrigas da família passaram longe de mim, pelo fato dos meus pais tomarem distância desse tipo de encrenca e isso acabou refletindo nas filhas. Não dou corda pros meus parentes, não quero me decepcionar com gente que minha mãe amava.

Sobre esse rolo com essa víbora (monstra não define), Patricia, na boa, se impõe. Você também mora na casa, você também tem querer ai dentro, se nem explicando tudo que você tem contra a respeito dessa mulher sua mãe concorda (desculpa se ela não souber, tô supondo e acho que supondo errado :X), olha, não sei nem o que pensar. Como uma mãe pondera e valoriza um crápula e não o filho sofrendo...eu não sei.

Anônimo disse...

também acho que vc vai ter que falar na cara dela que ela não é bem-vinda, só não atender o telefone não vai adiantar. característica de todo escroto ever: cara-de-pau.

Luciene disse...

Tem que falar pra madrinha-medonha.Tomar a frente da sua mãe e falar pra dita que não rola,sinto muito,não rola.
Sem mentiras,sem discursos,sem nada.
É sua casa meu!
Fama de monstro vc já tem,agora abraça!

Carlinha Salgueiro disse...

Se o mal é inevitável, não se prejudique mais saindo de casa por causa dela.
"Deixa" ela morar, vingança é um prato que se come frio.
Tenha sangue frio também e planeje o troco de tudo que ela te fez, hoje você pode se defender.
Vai ser foda? Vai.
Mas pense com a razão, ela não merece que você saia da SUA casa.
Deixe-a e agora que você é "gente grande", você pode armar o que for pra tornar a vida dela um inferno.
Ela VAI PEDIR pra sair.
E você, inteligente como é, ainda pode fazer pelas costas da sua mãe.
(desligar o chuveiro na hora dela tomar banho, bater siririca e gemer bem alto, ouvir musica de macumba, fingir que tá louca e pode machucar sem nem se lembrar depois, purgante na comida dela, pó de mico nas calcinhas, intriga dela com os vizinhos, barata nas coisas dela, ataque de ratos na sua casa, já pensou? - ideias toscas que me vieram agora, mas sei que coisas brilhantes sairão da sua cabeça)
E qdo ela reclamar, na frente da sua mãe, você ainda pode fazer a solidária.
Deixe ela pensar que tá louca, que sua casa é amaldiçoada, whatever...
Se não pode vencer o inimigo, faça ele se arrepender de ter nascido.
Beijos!

Anônimo disse...

Patrícia, tamu junto, já passei por coisa parecida.
O que eu fiz? Deixei o monstro vir pra cá e, com a fama de capeta que eu tenho, fiz da vida dele um inferno! A ponto do cara sair daqui pra morar em casa de amigo da ex-mulher no interior do estado só pq não me aguentava mais. E fiz tudo por trás da mamis, que até hoje não entende pq ele saiu: "Tadinho, teve algum problema e não quis contar", é o que ela diz.

Único "conselho" (conselho de anonimo da internet óbvEo que ng quer) que te dou é: não deixa tua mãe sozinha com a monstra. Vc pode se arrepender disso.

Beijos e forçaí!

Carolina disse...

Patrícia, sua mãe NUNCA escuta o que vc diz? ela não leva em consideração o que pra vc é importante? Ela escuta demais os outros pq é boa ok, mas não se liga que a bondade dela é com os outros e não com vc que é filha e sempre vai tá do lado. Se vai te fazer mal que essa mulher vá morar na sua casa, ela deveria escutar e pelo menos pensar a respeito. Um beijo e boa sorte.

Anônimo disse...

Minha família é zicada também, mas pelos menos os meus pais souberam se distanciar de todos os problemas alheios, desde o início. Resultado: hoje ninguém enche mais o nosso saco, pois sabem que não conseguirão nada com isso. Para ajudar, a família inteira mora em outra cidade, bem distante daqui. A única que de vez em quando perturba é uma prima, para tentar "reunir a família", tipo inventando colocar meus pais como padrinhos do casamento dela. Quer casar, boa sorte, mas não tente envolver os outros nisso. Acho que ser madrinha/padrinho de casamento/batismo/afins um abuso.

Anônimo disse...

Rancorosa.

Fica parecendo aquelas crianças que com dois anos de idade saiu nos tapas com o amiguinho de rua "dono da bola" e não fala com ele até hoje, já adultos.

Já repararam que todas as pessoas ao redor de Patricia são sempre #apiorpessoadomundooo? /liabbb

Da família não salva um. Aliás, só Patrícia né, praticamente o Cristo crucificado por esse bando de gente exploradora e cruel. No trabalho, ninguém presta. Ou é burro demais, ou espaçoso demais, ou sem noção demais. Do jeito que parece, Patrícia tão livre de todos esses defeitos deve ser a melhor colega de trabalho do mundo né? Sendo que OPS, QUEM TEVE O ANIVERSÁRIO ESQUECIDO POR TODOS OS OUTROS? RISOSSSS

Acorda pra vida menina e se olha no espelho. Cuida dos teus próprios defeitos em vez de estabelecer padrões de conduta que nem mesma você deve seguir, pelamor... Fica nessa de eternamente julgar os outros APENAS pelos erros do passado que você vai ver onde isso vai te levar... Pelo menos uma última lição você tinha que aprender com a sua mãe que é a gratidão, porque mesmo que indiretamente essa tua parenta ajudou você a vir nesse mundo.

Lara Mello disse...

HAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHHAHAHHA

Entro aqui é me divirto muito mais com os comentários do que o texto em questão..

Rancorosa²: Te entendo totalmente! Eu sou superhipermegaultra rancorosa, ao ponto de ver o pai na rua e sair correndo fingindo que não o conhecia. É uma pena dizer que possivelmente, por esses 3 anos que leio seu blog e pelo que conheço da sua mãe, sim, ela vai ajudar a Monstra. Mas eu não sairia de casa, foi igual um padastro meu que ficava espionando pela porta, um nojento, que colocou todas as minha irmãs para fora, até eu, mas queria ver eu sair, eu odeio ele, desejo a morte e tal, mas não iria sair nunca da minha casa por causa dele, matei eles aos poucos e ele foi embora, claro que para minha mãe eu e minha irmãs sempre seremos as vilãs, mas não tô nem ai..

Bjus, de uma rancorosa para outra, afinal que graça teria ter um blog e não apontar o dedo para todo mundo?

Anônimo disse...

eu entendo perfeitamente o sentimento. logo que eu nasci, minha mãe foi expulsa da casa dos pais, da noite pro dia. não tinha pra onde ir e tal, mas trabalhava, podia ter ido pra um hotel enquanto nao achava nenhum lugar pra alugar. mas devido ao choque de se expulsa no meio da noite com uma recem-nascida no colo, fragilizada pela situaçao, ela aceitou a oferta de uma amiga e foi morar com ela até encontrar um apt que coubesse no orçamento. ela sempre diz q isso nem teria acontecido se a expulsao nao tivesse se dado na frente da dita cuja, q estava la de visita.

enfim, isso durou 2 meses. e ela sempre diz que foram os piores meses da vida dela, que ela não tinha paz, que ela não podia nem usar os eletrodomesticos da amiga, que quando ela chegava exausta do trabalho, não podia cozinhar pra não fazer barulho. sabe dogville? as pessoas sao boazinhas de inicio mas logo começam a meter no teu cu pq sabem q vc é vulneravel.

detalhe: ela PAGAVA aluguel pra essa pessoa, ela nao morou la de graça, ela fazia todas as refeiçoes na rua e ajudava com as contas de luz e tal. nao foi um puta favorzao, foi um favorzinho de merda.

mas enfim, mesmo sendo 2 meses horríveis, ela ficou grata a essa pessoa por ter 'acolhido' ela num momento tao ruim. só que essa dívida, se é que havia uma, foi paga com juros e correção monetária ao longos dos 10 anos seguintes.

quer dizer, a pessoa te faz um pequeno favor, por 2 meses, e aproveita pra impor todas as vontades dela, pra humilhar, e tal. vc sai de la e a pessoa continua te sacaneando por 10 anos, e acha que voce tem q continuar aceitando por gratidao eterna.

daí um dia minha mae se encheu dos abusos da tal amiga e elas brigaram. essa amiga saiu dizendo que minha mae era ingrata e a amizade acabou. honestamente, minha mae ate rejuvenesceu depois q se afastou da dementadora

Daniel disse...

Faz a travesti cuessa kenga de beira de estrada! Patrícia, tira a gilette do sutiã e retalha ela todinha.
Acho justo! ;)

Anônimo disse...

Se não fosse uma esfomeada desde sempre, teria escapado da surra do seu pai e à essa altura da vida teria menos um trauma pra contar, além de não estar nessa situação de mágoa de cabocla com a madrinha...

Anônimo disse...

Engraçado que a cada "causo" que Patrícia conta, aparece uma dezena de pessoas (sempre as mesmas, por sinal) com histórias praticamente idênticas, então de duas uma:

- ou Patrícia se dá ao trabalho de forjar comentários autocomplacentes pra cada relato obscuro que ela queira registrar no blog;

- ou a gente está cercado de obesos mórbidos infelizes, cheios de family issues, que não sabem muito bem que carreira querem seguir na vida e que choram suas pitangas copiosamente enquanto se afundam em pesarosíssimas reparticões públicas povoadas de figuras abjetas, partilhando aqui do seu eterno desalento em estarem cercados de pessoas que provavelmente não suportam as suas respectivas presenças no mundo.

No caso da segunda alternativa ser a correta, peço que essas outras pessoas (com certeza interessantíssimas) criem seus próprios blogs para ver se alguém rivaliza com Patrícia na falta de destreza em lidar com os próprios problemas.

Lauro disse...

Super te entendo, Patricia. Mas na verdade tô compreendendo também alguns comentários quando te chama de rancorosa. Compreendendo pra mim mesmo, porque super me encaixo nos apontamentos feitos pelo anônimo. Sou super rancoroso, as vezes tenho a impressão de quem ninguém ao meu redor presta e sou a mágoa de cabocla em pessoa. Por d'us, tô precisando me internar na fluoxetina de uma vez.

Anônimo disse...

Monstra pediu para o pai da Patrícia (que estava bêbado) bater na própria filha. Ela tem toda a razão em ser rancorosa, quem não seria? Ou será que são todos aqui são como a mãe da Patrícia? Madres Teresas de Calcutá?

Liane.

Anônimo disse...

Opa Liane, onde que diz que pediu?

Eu li "instigou" e do jeito que sabemos que a autora é louca e drama queen, esse "instigou" pode não ter sido nada mais que uma simples (e merecida, no caso) reclamação com o pai dela (esse sim um descontrolado). Não tem sequer como dizer que a madrinha tinha ideia do que ia acontecer.

Rancorosa sim. O ódio do pai eu entendo e apóio mas ficar estendendo isso pra todo mundo num raio de 1km é paranóia.

Anônimo disse...

Bem, anônimo de 20:01, vou falar apenas por mim, ok? Só tenho as "family issues". rs. Não sou obesa (muito pelo contrário), tenho minha carreira e não tenho do que reclamar dos meus colegas de trabalho.

Posso te garantir que meu comentário não foi forjado pela Patrícia, que sequer conheço pessoalmente. Agora é ingenuidade sua acreditar que ela é a única pessoa do planeta que passa por determinados problemas. Se alguém aparece relatando coisas semelhantes, logo só pode ser a própria Patrícia? Ou será que, geralmente, estão aqui as pessoas que se identificam com o que ela escreve e aproveitam também pra desabafar?

Agora, por que te incomoda tanto o fato de ela "não conseguir resolver os próprios problemas"? Se não quer ser parte da solução, não seja parte do problema. Ignore as lamúrias dela e siga a sua vida.

nah disse...

primeiro: NÃO SE RECLAMA NADA COM UM BÊBADO ESPANCADOR.
porque ele não está em ESTADO de tomar atitudes descentes.

falta de tato? ou mau caratismo?
nunca saberemos.
o fato é q uma CRIANÇA pagou.
Ela pediu desculpas? se arrependeu?
então pq deve ser 'perdoada'?
CU.

O mundo ta cheio de gente dando MIGALHAS, achando que é AJUDA.
AJUDA, NÃO SE COBRA depois, não é dar o pior que se tem,não se JOGA NA CARA, não se vangloria de estar ajudandando.
Fazer um favor sentindo-se mais que o ajudado não é ajuda, É SOBERBA.
Ajudar com o intuito de receber depois,não é ajuda É NEGÓCIO.

Minha opinião: diga com todas as letras, NÃO QUERO VC AQUI.
se passar por ruin é muito melhor que ser feita de otária por essa moça.

Anônimo disse...

Se a Monstra pediu ou instigou, não importa. Como a Nah disse, não se pede para um bêbado espancador dar uma lição na filha porque ela comeu um doce de leite.
http://teamoporra.blogspot.com.br/2008/08/pai-minha-metralhadora-cheia-de-mgoas.html

Um beijo, Patrícia. Por um mundo em que as pessoas saibam respeitar as dores dos outros.

Liane

Anônimo disse...

"...- ou a gente está cercado de obesos mórbidos infelizes, cheios de family issues, que não sabem muito bem que carreira querem seguir na vida e que choram suas pitangas copiosamente enquanto se afundam em pesarosíssimas reparticões públicas povoadas de figuras abjetas, partilhando aqui do seu eterno desalento em estarem cercados de pessoas que provavelmente não suportam as suas respectivas presenças no mundo..."

Ai quem me dera ser func.pública, sou tudo isso e ainda por cima professora!

Beijo Patrícia e manda essa vaca pastar bem longe da tua casa!!!

Anônimo disse...

Eu sou a pessoa mais rancorosa do mundo e super te entendo, Patrícia. Fico remoendo os acontecimentos passados e não consigo expor totalmente. Simplesmente guardo pra mim.
Por exemplo: tenho total pavor da família do meu pai. Fatos ruins marcaram toda a minha infância e adolescência. A minha opinião é que entre todos os irmãos e seus pais, ele foi um dos únicos que prestou e soube nos criar com amor (felizmente). Mas o resto, desprezo eternamete. Meus pais nem usam pedir a minha presença em velório, nascimento e casamento de algum deles, rs. Só faço aquela cara de -qqq

Mas penso que é a hora de você fazer a alocka e infernizar a vida dessa vagaba. Não saia do conforto da sua casa, talvez seja exatamento isso que a vadia quer.
A ideia da menina que comentou sobre a siririca em voz alta, pó de mico e etc está valendo.
Se inspire em Av. Brasil, gata. Se joga!

E sobre os comentários que você foi a errada sobre a surra que seu pai lhe deu: RYSOS apenas. Como uma criança poderia se defender perante tal atrocidade? Alguém por favor me responda.

Espero que tudo fique bem. De verdade. Li o post da surra em 2008 e chorei muito.

Mi.

Anônimo disse...

Oi, Patrícia! A sua mãe é Madre Tereza de Calcutá sim, isso está bem claro para quem acompanha seu Blog há anos. Mas sabe o que eu acho nesse caso? Que de verdade, lá no fundinho a sua mãe quer essa dementadora aí, dentro da sua casa. Me parece claro que no fundo a sua mãe está é querendo uma compania. Já parou para pensar nisso? Ela pode até não externar isso prá não te magoar, mas talvez ela esteja carente de alguém prá conversar, de sair, de amigas, de você!. Procura dar mais atenção: Leva no cinema, teatro, passeiem juntas... É só uma sugestão.
Outra sugestão: Tome a briga prá si. Encare vc a PDP da madrinha. Manda a tua mãe dizer que está apertada de grana e por isso vc é quem está bancando o aluguel da casa, portanto é vc quem pode decidir se ela pode ir prá aí ou não. Se não quiser ficar mal manda a tal de: "não abro mãe da privacidade minha e de mamãe"; "sou muito chata e gosto de ter meu espaço"; "convivência: tenho problemas com isso" e blá,blá,blá... Ela vai ficar PUTA? Vai! Aí tu liga o foda-se e vai ser feliz, mulher! Tua casa é teu templo. Não deixa ninguém invadí-lo. Boa sorte! Mari.

Gabi disse...

Gente, queria mandar um beijão pra todos aqueles que tiveram uma infância perfeita. Que não foram surrados por um dos seus pais, que não viviam em meio à conflitos e brigas, que não presenciaram cenas ruins, que não sofreram abusos, que não passaram necessidades. Parabéns à todos aqueles que no momento mais essencial da formação de qualquer ser humano cresceram em um espaço digno, com uma família feliz e cercados de respeito e carinho. Vocês devem ser fodas! Aliás, devem mesmo, né. Porque gente como eu, como a Patrícia e como outras pessoas que comentaram aqui e nos contaram suas histórias, pelo menos temos nossas infâncias/adolescências como "desculpa" (opa, magina, né! Tranquilão o que a gente viveu) pros nossos erros, defeitos, traumas. Mas e vocês? São paus-no-cu porquê mesmo??

Anônimo disse...

opa, outra obesa morbida com family issues se apresentando! o engraçado é que eu venho aqui pq me identifico com a autora e com a galera que comenta. mas pior do que ser um frustrado é ser psicologo de botequim que vai até blog dos outros para tomar conta não só da vida do blogueiro mas também dos comentaristas (!), um claro sinal de que a pessoa é muito bem resolvida, né verdade?

ja parou pra pensar que algumas historias nos comentarios sao parecidas, entre si e com oq a patricia escreve, pq são fatos da vida, coisas comuns, q acontecem com uma pá de gente, q se sente a vontade para conversar a respeito qd vê alguem numa situação semelhante? q algumas pessoas tenham parado aqui por googlarem justamente esses assuntos? que tal usar um pouco de raciocinio logico antes de defecar pelos dedos? não precisa agradecer a dica, de nada!

Alice Fox disse...

Patrícia, acredite. Minha mãe consegue ser mais madre teresa que a sua. Ela simplesmente aceitou todos os drogados/ladrões/estupradores da família dentro de nossa casa.

O primeiro (meu primo) foi meu pai que quis levar e minha mãe aceitou. Ele morava no interior de Minas, tinha problemas com drogas e não arrumava emprego. Mamãe o trouxe para a capital, arrumou emprego, deu casa, comida e roupa lavada. O cara saía todas as noites, voltava bebum/drogado, mijava na cama TODOS OS DIAS, faltava no emprego que ela arrumou, e no final ela descobriu que ele roubava o carro dela de madrugada, e quando foi tirar satisfações com ele, acabou apanhando do próprio. Esse meu primo morreu de overdose há anos atrás.

O segundo era meu tio, tb com histórico de drogas, sem emprego, morava em Belém do Pará (inferno), e aí a família lá não estava aguentando e o mandou para cá (adoooogo). Ele fazia basicamente as mesmas coisas que o outro, e morou conosco DUAS VEZES. Na última vez, além de arrumar emprego pro dito cujo, ainda alugou apartamento, mobiliou, e o safado faltava ao trabalho para ir se drogar. Voltou para Belém e adivinhe o que aconteceu? Estuprou uma menor de idade, a matou, e está preso.

Ou seja: só gente boa!

Em todas as vezes que ela colocou esses indivíduos para morar em casa eu era criança.

Essa consegue ser mais madre teresa que a sua mãe!

Alice Fox disse...

ps: Não sou nenhuma obesa mórbida, só tenho family issues.

www.raposaacida.blogspot.com

Anônimo disse...

Engraçada essa gente que tem vida perfeita comentando aqui. Só que não.

Quéroul disse...

tô impressionada de ler anônimo escrevendo direito!!! achei inusitado!

abraços, Patrícia. :)

Gabi disse...

Querido(a) anônimo(a) pau-no-cu,

A gente poderia ficar eternamente nesse ad hominem ridículo, você me chamando de obesa mórbida (magoadíssima! Nem sei como eu dormi essa noite), eu te chamando de babaca e por aí vai. Infelizmente pra você, eu morro de preguiça de quem em pleno 2012 ainda usa os comentários de blogs alheios pra diferir ataques pessoais à desconhecidos. Get a life, my dear.

Anônimo disse...

Tô contigo, Gabi.
Quem teve uma infância perfeita, que atire muitas pedras.

Tsc, tsc.

Mi

Liz disse...

É muito triste quem pleno ano de 2012, ainda restem pessoas tão estúpidas a ponto de não compreenderem traumas por acontecimentos da infância... como os meus outros colegas disseram, deve ter sido muito bom ter uma infância perfeita.

Hélio Sales Jr. disse...

Resistência! Tá certa!!! Força, Patricia!!!

Anônimo disse...

Esperando o texto sobre a novela.Aliás coitada da Ágata sofreu bullying a novela inteira e ainda cortaram ela da novela no final.