segunda-feira, maio 28, 2012

os leões

Antes de entrar no assunto eu apenas gostaria de falar sobre dois pontos. O filme que a Xuxa fez aos 19 anos com um garoto de 12. Na época faltava um código penal mais ativo talvez, razão inclusive por Reginaldo Faria ter feito um filme com Flávia Monteiro e quase ninguém tocar nesse assunto. Meio que a Xuxa virou o bode expiatório com esse filme "alá a rainha dos baixinhos" e tal, não defendo, mas gosto de dizer que dos males no cinema nacional, foi o menor. O outro ponto é o tempo em que ela levou para falar sobre o assunto. Uma leva de críticas "mas como assim só falou agora?". Como se traumas tivessem tempo exato para serem revelados. Ela falou agora porque quis. É a vida dela e é um direito que fale somente agora. Eu acho importante as pessoas públicas contarem os abusos. De pessoas famosas no Brasil sei apenas da Xuxa e Joana Maranhão (a nadadora que confessou ter sido abusada por seu treinador na infância). É importante porque passa na tv, está na internet, e talvez alguma criança tenha acesso a isso e pense "não é só comigo que acontece, não sou culpada e devo denunciar". O depoimento da Xuxa foi comovente e mais ainda nas pessoas que também sofreram abusos. Porque ela falou exatamente o que sente uma criança nessas condições. Se sentir suja, se sentir culpada, querer sair de casa etc. O que ela falou sobre ela ser sozinha, alguma coisa tem aí, um fio onde começou toda a incapacidade de criar relações. Por mais que haja os estudos dizendo que os abusos sexuais são praticados por pessoas conhecidas, ninguém dá muito bola. A mãe não espera que o irmão dela vá abusar da sua filha, os pais não esperam que a empregada vá fazer alguma coisa quando se sai para trabalhar, ninguém espera que o porteiro do prédio vá subir e tocar a campainha porque "opa, deu um problema na rede elétrica". Acho complicado ter um filho, saber dosar a sua criação entre a redoma de aço e a liberdade. Não creio que a melhor forma seja a redoma, mas eu acho que a única forma de evitar essa maldade é realmente explicando e abrindo um canal de confiança com os filhos. O pedófilo tem o seu jeito de chegar numa criança e ele sabe até onde pode ir para não assustar. Teve o caso do padre num colégio onde estudei, era extremamente afobado e acabei contando pra minha mãe que me tirou de lá. Então, desse eu consegui fugir. Dos outros três, não, porque na doença deles, conseguiram chegar até o ponto crucial para ter o que queriam. Não há como fugir da possibilidade. Há como abrir um canal de confiança com o seu filho para que ele possa te contar quando perceber que um adulto age de forma estranha. E aí ir evitando determinadas situações. Aprendi a desconfiar de todo mundo. As vezes me pego pensando em como seria a minha vida se essas pessoas não tivessem cruzado o meu caminho. Seria mais feliz. Ou menos triste, na pior das hipóteses. Aquele estalo quando você percebe que a vida não fluiu e que de repente ali foi o ponto onde tudo parou. Medo, insegurança, nojo, e vai aprendendo a conviver com todos os sentimentos como se você fosse apenas isso, um feto que não vingou, um bezerro que não conseguiu levantar. Não mato um leão para me levantar todos os dias. Eu nunca consegui matar o leão.

34 comentários :

Elis (ou não!) disse...

Tão difícil falar sobre isso tudo. Achei muito corajosa a Xuxa por falar, e acho você também, e quando se falam dessas coisas vão surgindo mais e mais pessoas, e sempre fico desesperançosa, porque, porra, é muita gente. Isso acontece muito, que mundo é esse, que vida é essa?

Por isso morro de medo de ter filhos.

Claudia disse...

Sabe Patrícia, é um alívio ler alguém postando sobre o que a Xuxa denunciou e não sobre a própria Xuxa.

Nos últimos dias, a discussão pela internet ficou tão surreal, que é como se duas pessoas, à beira mar, vissem um banhista se afogando, mas, ao invés de nadarem até lá ou gritarem por um salva-vidas, elas comentassem sobre o caimento da roupa de banho da criatura. Lastimável.

Um brinde ao bom senso e que o leite mau azede nas fuças dos caretas.

PS: E para os abusadores? Simplesmente que recebam uma pena entre a fina flor dos presidiários brasileiros. Se tem uma justiça que funciona, é essa.

Bivar disse...

Quando eu era criança, fui abusado sexualmente do meu vizinho por duas vezes. Agora tenho 20 anos e nunca tive uma namorada ou qualquer relação amorosa/física e eu sei que esse abuso que passei quando criança fez com que eu ficasse desse jeito. Concordo com tudo o que você disse por que é exatamente o que ocorre, antes ou depois. E isso até alivia, já que mesmo sabendo que há várias crianças sendo abusadas, eu não tô sozinho.

Quéroul disse...

:ó(

Anônimo disse...

Cara, eu só fui falar de uma situação que passei aos 16 anos pro meu namorado, faz uns 5 ou 6 anos atrás (já tou com 33).

O tempo todo eu ficava pensando "a culpa é minha, por ficar sorrindo. A culpa é minha, pq eu converso. A culpa é minha, por usar camiseta do colégio branca, camisa justinha escura".

Eu fazia estágio em um local com mais de 100 homens, e somente UM veio com essa pra cima de mim. E é horrível, pq vc não consegue parar o cara nem se defender e aí vem na cabeça que, se vc ficar quieto sem fazer nada, o disgramento vai parar. Só que é pior.

Felizmente, um dos meus colegas (e que já tinha lá seus 30 e poucos anos) notou o quanto eu ficava quieta quando estava na sala desse cara, e tanto fez que ele foi transferido.

Não posso dizer que fui "abusada", como acontece com tantas crianças e adolescentes por aí. Mas a vergonha que eu sinto por ter deixado um cara me tocar, não ter conseguido pará-lo e não ter contado pra quase ninguém, vou carregar pro resto da vida. Culpa, vergonha, medo e nojo de mim mesma.

Odeio lembrar dessa história, terei pesadelos pelo resto da semana.

Anônimo disse...

Opa! Esse colega que eu falei foi o que me defendeu: encheu o saco da direção do setor, foi até a sede da empresa, ameaçou acionar Ministério Público. Enquanto o "agressor" não foi transferido de setor, esse meu colega não sossegou.

Só fiquei sabendo de todo o fuzuê que esse colega armou, ANOS DEPOIS que saí desse estágio.

Anônimo disse...

A Xuxa nem tinha 19 anos. Ela tinha 16, o filme foi lançado depois.
Não era nenhuma "menininha" como alegam os haters, mas basta pensar que neste caso a responsabilidade não era dela, mas sim dos diretores, produtores, até da própria mãe, enfim.

Uma outra característica dos abusados é o eterno sentimento de querer agradar, qualquer bom psicólogo pode mencionar isso.
Agora pensem numa adolescente, que tinha sido abusada, relativamente pobre, despontando na carreira de modelo e com adultos obviamente aproveitadores, dizendo que ela era linda, que o filme iria ser bom pra ela, que estava tudo bem, não tinha nada de errado... Provavelmente o discurso foi este e ela, querendo agradar, ser aceita, estar de alguma forma no controle da situação, aceita e sofre com o preconceito dos idiotas até hoje.

Eu contei sobre o abuso que sofri apenas 2 vezes. A primeira foi para o meu pai, que não acreditou em mim. Como o monstro era amigo dele, a culpa recaiu sobre mim, que tinha 11 anos, já "tinha corpo" e era muito oferecida.
Anos depois contei para minha irmã, que também fez pouco caso e como tinha se passado muito tempo, achou que eu estava mentindo, porque se fosse verdade, teria falado quando aconteceu.
Pra que falar? A gente sofre o abuso e ainda tem que mostrar provas. As pessoas duvidam. Ta aí um monte de idiotas duvidando da Xuxa "porque ela tem aquela voz chata de criança" e não soou sincera.
Ninguém para pra pensar porque ela se comporta como criança até hoje, não vale a pena tentar entender, só tacar pedras.

Anônimo disse...

Monique Evans tbm foi

http://www.redetv.com.br/entretenimento/noticia.aspx?cdNoticia=346361&cdEditoria=110&Title=Monique-Evans-diz-que-ja-sofreu-estupros

Thamila disse...

=/


sei que é besta, mas queria poder te dar um abraço.

Caminhante disse...

A Xuxa não tinha 19, tinha 16. Ela também era de menor.

Anônimo disse...

A Xuxa foi muito ridicularizada por essa entrevista,incluvise por mim,ainda acho umas partes da historia dela meio estranhas,sem contar que ninguem nunca leva ela muito a serio,mas não se deve fechar os olhos para os abusos que as crianças sofrem,sem contar que adultos também sofrem.

Não sabia que você tinha sofrido abusos,não sexuais pelo menos,achei que que tinhas sofrido bullying e coisas com a familia

Anônimo disse...

Patricia só tenho uma coisa para dizer... Parabéns pelo post (Sem mais)..

Maura Theobald disse...

Um belo texto além de verdadeiro.
Que maravilhoso seria se todos tivessem a coragem de denunciar os abusos.
Abraços,
maura

Anônimo disse...

Quando eu tinha uns 12 anos, tinha um professor da escola que era tarado. Ele dava em cima de quase todas as alunas dele (ginásio) durante a aula, colocava-as no colo, passava a mão no cabelo, dava beijo e parava aí... até que uma hora todas as meninas do ginásio, cansadas dessa situação, resolveram pegar um intervalo para conversar com a coordenadora sobre isso. Pense numa roda gigantesca de meninas. A reação foi a pior possível. A coordenadora disse que ele estava apenas sendo carinhoso, e que, se nós não gostávamos das atitudes dele, deveríamos falar isso para o professor. Quando alguém conta uma absurdo desses, ninguém acredita, ninguém averigua a veracidade dos fatos e, convenhamos, é difícil organizar um complô com TODAS as meninas da escola. As alunas foram lá falar com ele, e ele simplesmente ficou puto, porque ele "só queria ser carinhoso com as alunas" e passou a se controlar com elas. No final do ano, ele foi demitido; imagino que seja porque tenha entrado várias mães na história. Na época ninguém falava de pedofilia, de crime: o cara era apenas o professor tarado, e a coordenadora não viu nada demais no comportamento dele, quando deveria ter sido sumariamente demitido com justa causa e polícia acionada, com ano letivo rolando e tudo. Um cara desses não pode ser professor, mas na época não se tinha consciência disso. Felizmente, eu não era uma das "preferidas" dele e não era objeto desse assédio nojento.

Rosana Tibúrcio disse...

Tudo isso é tão triste.

Mesquita disse...

Tbm não gostei de terem transformado em piada algo tão sério. Xuxa não tem motivos pra mentir sobre um assunto tão sério.
E foi tão bom ela ter falado.

Mesquita disse...

Gente, virei dono das palavras tão e sério!

Anônimo disse...

Aí a criança assiste a entrevista da Xuxa e se encoraja um pouco a contar para os pais o que está acontecendo. Mas, antes de contar, entra na internet e vê todo mundo ridicularizando a Xuxa. Então perde a coragem, para não ser ridicularizada também. Que belo papel esses críticos de botequim estão fazendo!!!

Inaie disse...

Como não moro no Brasil, não vi o depoimento da Xuxa, mas venho ao seu blog frequentemente, e essa foi a primeira vez que vi um texto seu que não se esconde atrás de raiva, rancor e agressividade.
Seu texto é profundo e toca a alma de quem lê. Um dia, voce acorda e mata o leão. Um só, e ele nunca mais vem te assombrar.

Beijo

T. disse...

Fui abusada durante muitos anos dentro da minha casa. Nunca falei sobre isso pra ninguém principalmente pq tenho medo de como vão me tratar depois de saber disso. talvez um dia eu escreva um post. pra tentar liberar toda essa energia ruim que guardo em mim. dá muito nojo lembrar, da asco, a gnt tem nojo até de si mesma. eu evito olhar pra mim mesma quando lembro. quando vi a entrevista da Xuxa não consegui conter as lágrimas. Chorei até soluçar ao ver alguém dizer exatamente aquilo que eu sentia. Meu amor do meu lado, não entendia nada. Ficou pensando que eu era muito sensível. apenas isso. estamos juntos há quatro anos e talvez eu nunca conte pra ele o que aconteceu. talvez ninguém mais além dos que vão ler esse coment saberá.
agradeço pelo espaço pra desabafar. é a primeira vez que consigo falar disso sem me debulhar em pranto.

Anônimo disse...

Sofri abusos da parte da baba quando eu era pequena. Nunca contei e provavelmente nunca vou contar... Minha mae precisava trabalhar pra manter os quatro filhos dela, nao quero que se sinta culpada por isso.

Anônimo disse...

É muito complicado para uma criança denunciar alguém que deveria amá-la, mas, ao invés disso, abusa dela... o que aconteceu comigo foi que alguém bem próximo de mim, que sustentava a família toda, alguém por quem todos tinham respeito pq fora de casa era um homem exemplar, abusou de mim desde que eu me entendia por gente. Eu sempre fui uma criança mais desenvolvida no sentido intelectual que as outras e queria falar, mas tinha medo que ele fosse preso, que a gente não tivesse mais o que comer e etc. No começo eu ficava quieta e esperava que aquilo passasse logo. Quando fui ficando mais velha (uns 8 anos) eu fugia e dizia que ia gritar se ele não me deixasse em paz.
Em todas as situações ele havia abusado do Álcool.
Lembro nitidamente de uma vez que minha mãe saiu e me deixou sozinha com ele em casa (ela não faz idéia de que isso acontecia). Tranquei a porta do meu quarto e fiquei quietinha vendo TV. Ele bateu na porta e ficou mandando eu abrir, como eu não o fiz, ele desligou o relógio de luz e ameaçou colocar a porta abaixo. Fui obrigada a pular a janela do meu quarto (que era relativamente alta), inventei uma desculpa e pedi abrigo na casa de uma tia.
A coisa piorou quando minha irmã mais nova nasceu e eu ficava o tempo todo do lado dela com medo que ele fizesse a mesma coisa com ela, mas graças a Deus, aparentemente ele nunca tocou nela. Imagine uma criança de 8 anos que convive com o peso de ser abusada pelo próprio pai e com medo que ele faça a mesma coisa com a irmã mais nova?!
Ele já faleceu há alguns anos e eu continuo com esse trauma. Fico pensando às vezes o que eu posso fazer para esquecer isso, mas lembro todos os dias e fico me perguntando: por que comigo?!
Meus irmãos mais velhos, minha irmã mais nova e minha mãe não sabem que isso acontecia e, por isso, vivem elogiando e dizendo que sentem saudades dele, no começo eu até dizia o mesmo para ninguém desconfiar, porque morro de medo de que eles descubram e fiquem magoados de descobrirem que nunca souberam o que ele era de verdade, mas hoje em dia eu já não falo mais nada.
Há pouco tempo me senti a vontade e contei para o meu namorado que isso aconteceu, ele me apoiou e vem sempre tentando me ajudar a ser melhor, apesar disso. Depois de ter contado pra ele as coisas ficaram mais leves e contei para minha tia a mesma coisa. Ela disse que jamais imaginava que ele fosse capaz de fazer uma coisa dessas. O fato é que foi. E eu fico imaginando a quantidade de crianças inocentes que passam pelo mesmo que eu passei.
Por isso que eu acho que, verdade ou mentira o que a Xuxa falou, tenha ela moral ou não para dizer qualquer coisa, o fato é que as denúncias de abuso aumentaram bastante depois que ela deu seu depoimento. É preciso denunciar, é preciso que as crianças tenham apoio psicológico, é preciso amparo à família. Porque a marca, como todos os dias eu me lembro, é para sempre.

marquinhos disse...

pois é, Patrícia, c 1 post seu fez essa abertura de comportas traumáticas, imagina uma pessoa midiática como a Xuxa, o bem q ela fez a si própria e a tantas pessoas q foram abusadas.Eu tive esse trauma até o finalzinho da minha adolescencia,pois fui abusado no colégio interno p meninos maiores q gostavam d pegar os menores na calada da noite ap extravasar suas doideiras. Por sorte, eu pude falar disso muitas e muitas vezes, então hoje isso não me machuca mais, não me sinto sujo, culpado, nojento, mas sei bem o q o silencio é capaz de fazer, alimentando o monstro q cresce dentro da gente e fecha as portas da alegria e do viver bem. As pessoas confundem a Xuxa com a Maria das Graças Meneghel, por isso esses comentários absurdamente moralistas.

Anônimo disse...

Patrícia amo o seu blog e esta é a primeira vez que comento aqui. Gostaria de te enviar esse link que talvez você goste: http://projectunbreakable.tumblr.com/

É uma menina americana que quase sofreu abusos do avô mas conseguiu escapar e começou um projeto de fotografia visando a libertação de pessoas que sofreram abusos sexuais através das fotos e os dizeres do algoz.É muito interessante apesar de ser um pouco brutal. Ela conta tbm com uma psicóloga que ajuda ela quando ela recebe relatos de vitimas pedindo socorro.

Gabriela Galvão disse...

Vai conseguir.

Abraço enorme.

Bala de Prata Oficial disse...

Força pra você e para as vítimas que estão comentando aqui

Engraçadinha disse...

Quando eu leio ou vejo sobre abusadores de menores, tudo o que me vem na cabeça é tortura para eles.
Embora eu saiba que muitos abusadores têm histórico de abuso na infância, mesmo assim só consigo pensar em tortura.
Porque criança é um ser tão imaculado (ou deveria ser) que chamar de crime hediondo me parece ainda pouco.

As pessoas adoram debater a vida dos outros. Poucos se colocam no lugar do outro antes de falar.
A Xuxa pode ser esquisita, porque já está indo pros 50 anos e ainda conserva aquele jeitinho, mas eu acho q ela é das poucas pessoas que exprimem verdade naquilo que faz e acredita.
Tive oportunidade de conhecê-la pessoalmente, nos encontramos 2 vezes e ela paga um preço alto, porque é verdadeira demais. Todas as pessoas verdadeiras pagam um preço. Não adianta.

Allana Gama disse...

Me acho tão parecida com você em alguns aspectos que as vezes me assusto!


um dia vamos acordar e não vai mais rolar aquele sentimento de azia! Você vai ver...

Allana Gama disse...

Na verdade, não sei se vai passar...
mas espero que passe!

hb disse...

patrícia, um abraço bem apertado. do tamanho do mundo. é quase certo que estarei no rio perto do dia 9 de junho. eu entro em contato.
<3

Patricia C. disse...

Um beijo em todo mundo que compreendeu. Um beijo em todo mundo que desabafou com uma história parecida.

Anônimo disse...

Não tenho uma história tão parecida assim. Mas, com 21 (hoje eu tenho 25) anos, em um casamento do filho de um grande amigo dos meus pais, bebi além da conta.
O pai do noivo (amigo do meu pai), disse que me levaria para casa. Eu estava bebada, é verdade, mas nem por isso ele tinha o direito de fazer o que fez. Ficava passando a mão na minha perna o tempo todo, eu mandava ele parar, mas estava praticamente inconsciente, não tinha forças para reagir fisicamente. Quando ele me deixou em casa, entrou junto comigo e tentou me agarrar. Nojento. Consegui mandar ele embora. Pior, que no outro dia, ele começou a falar mal de mim pros meus pais, dar lições de moral, que eu não devia ter bebido tanto. Que monstro, sabe. Não tive coragem de contar nada pra ninguém na época. Nunca mais bebi, e logo depois, comecei a namorar. Um pouco antes do meu casamento, contei para meu noivo, que NÃO me deu razão.
Falou que eu estivesse sóbria nada disso teria acontecido.
Pode ser, mas não justifica. Eu não posso ter culpa nisso...ele ainda frequenta a casa dos meus pais, e é bem difícil pra mim...
Força pra todo mundo que já passou por coisas muito piores =/
Será que um dia isso vai acabar?

Ana disse...

Amiga anônima aqui de cima, me perdoe por entrar na sua vida, tá? Mas tem certeza que um cara que disse que a culpa é sua por ter bebido é o cara ideal para você casar? O que ele vai fazer com você no dia em que você não estiver a fim de fazer sexo com ele? Vai evocar as 'obrigações matrimoniais' e te obrigar a fazer sexo com ele (leia-se: estuprar)?

Meu amor, ninguém precisa disso. Nenhuma MULHER precisa disso.

Anônimo disse...

Você disse que quando a Xuxa fez ela tinha 19 anos, isso é mentira. Quando ela fez, ela tinha 17 anos (quase 18), só que o que aconteceu, o filme só foi lançado 2/3 anos depois. Ela e ela eram menores.