segunda-feira, setembro 19, 2011

yo sé cuanto cuesta sufrir

Cada vez que penso em criar um outro blog para me sentir mais livre, me sinto mais ridícula ainda. É como se eu rompesse o princípio básico desde a volta desse aqui em 2008. Que é contar. Não importa o quê. Contar. Escrever sobre, já que sempre foi difícil falar. E te digo que eu aprendi de 2008 para cá a falar. Não tudo, mas é um passo de cada de vez e tal. Eu sei que na maioria das vezes não me faço entender. Choro porque sei que entendem errado. Choro pelo julgamento de uma coisa que não fiz. Só não tenho a reação de ir lá e dizer "não fiz isso", dentro daquele sentimento de ofensa quando você é julgado de forma equivocada e pensa "mas gente, eles realmente acham isso? quero que morram". Não quero que morram, mas seria nessa vibe.

Percebo que tenho evitado falar tantas coisas. Talvez para não magoar os outros, talvez para não ficar aquele clima chato.

Evito mais uma vez.

E claro que isso vai para o hall dos posts  quem deveria se ligar, permanecerá indiferente; quem não tem culpa, correrá perguntando se fez alguma coisa errada. Porque total nesses últimos anos quem se importou sabia como eu estava em cada dia.

Então, mais uma vez, finjo que está tudo bem. E já passei da fase de culpar os outros pela falta de. A culpa é minha desde o início.

Pareço arrogante, mas não sou. Sei que me esforço para ser simpática com quem acabo de conhecer, sei que passo por cima de n coisas para aturar gente escrota. Por mais que eu faça, tem essa barreira, esse limite, e ninguém nunca ousa ultrapassar por respeito. É tão engraçado e triste ao mesmo tempo. Porque eu nunca coloquei essa barreira, mas as pessoas enxergam. Então, fico aqui mais uma vez pensando "onde foi que eu errei?". Em tudo, talvez.

Lembro de um dia, não vou dizer a ocasião, para não perder ainda mais a dignidade. Eu voltando para casa, após um dia fictício de aula, e duas coisas poderiam acontecer assim que eu entrasse em casa.

A ou B.

E tanto A, quanto B, me deixariam frustrada. Não havia aqui a possibilidade do C. Só poderia ser A ou B mesmo. Só pensava "se for A, meu mundo vai cair; se for B, meu mundo, opa, vai cair também". Cair de desgosto e tal. Então, abri a porta, entrei no meu quarto e chorei. Chorei pela tristeza do que aconteceu e por constatar a insatisfação permanente. As duas opções eram opostas, e a mim, não bastavam. Nunca basta. A sensação de satisfação nunca existiu. Falta algo e sempre faltou, claro que digo isso e corre o risco de mais uma vez a cafonada dizer que é deus. Deus tá ocupadíssimo lixando a unha enquanto crianças são abusadas por funcionários da ONU em troca de um prato de comida, deus não tem tempo pra mim não. Corre também o risco de outra parte CAFONA dizer para eu procurar ajuda correndo. Preciso é que paguem a fatura do meu cartão de crédito. Só isso.

A história se repete. Seja qual for o caminho traçado, o final sempre será esse. Eu abraçada num pote de sorvete chorando todas as frustrações da vida. Tipo Efeito Borboleta, sempre que o cara volta para consertar, alguma merda acontece, ele nunca é feliz.

Mas como diz meu amado Luis Fonsi: respira.

26 comentários :

bruno disse...

Receita básica: pega leite moça, creme de leite, biscoito recheado bono (só BONO e de CHOCOLATE), bate os 3 no liquidificador, põe numa travessa no congelador e quando endurecer toma tudo (moderação que dura até 4 dias). é melhor que pote de sorvete. POR FAVOR, responda se fez e fico bom. beijão dum soteropolitano.

Pinetree disse...

Força, Patricia. Se tu sabes que sempre será assim, tenta fazer uma vez diferente. Diz um belo "Ah!!" e vai às compras. Juro que ajuda (ao menos até a fatura chegar de novo).

Marcos Fernandes disse...

Ai, já pode ser sincero? Eu pararia de ler se você ficasse mais "leve". E não é porque curto ver sofrimento, mas porque foi essa Patrícia que me fez querer acompanhar o blog pra começo de conversa. É o pesado dos seus escritos que mantém eles de pé, ao menos pra mim. Porque é honesto e tudo. Porque você não tem medo de encarar as coisas quando tá com as palavras na mão. Mas só pra não parecer seco (e aparentar cinismo e auto-ajuda), se isso é tudo que você acha que consegue, sempre dá pra adaptar esse 'tudo' a um tiquinho de prazer. Mas acho que você já sabe disso. Total te imagino fazendo isto muito bem.

Guilherme disse...

________o________

As vezes eu me sinto de forma parecida.

Como eu escrevo em entrelinhas (e ninguém lê), fico pensando "mas gente, já contei sobre isso".

E olha, me cansa um pouco repetir as mesmas coisas, sempre. Porque nada muda, nada vai mudar em algumas situações.

E tudo que eu posso fazer é sorrir pra foto.

'Lara Mello disse...

As vezes agente só quer falar sem ouvir nada, hoje é seu dia, calei..

AquilesMarchel disse...

sem conselhos
sem remedio sem desculpa
calei tbm

Anônimo disse...

Patricia,

Quando sai o resultado do vestibular? Vc precisa de novidades. Frequentar faculdade será ótimo pra vc.

Anônimo disse...

Não sei nem como te ajudar e nem o que dizer pra fazer tu se sentir melhor.

Imagino que pra ti deva ser difícil, é claro, acompanho o blog há bastante tempo já. Vejo esses posts como um pedido de ajuda, se não para a gente, pra ti mesmo, como necessidade de, pelo menos, desabafar já que as paredes podem ter cansado. Daí um monte de gente vem e diz que sente algo parecido, e blá blá e imagino que tu leia e pense "estão errados".

A verdade é que poucas pessoas notam o esforço que fazemos no jogo social. Isso quando algumas ainda notam. Talvez seja porque nenhuma delas sabe o que carregamos nas nossas costas em forma de passado. Daí acaba que tudo se ajeita de uma forma que tu se ferre e o final com o sorvete é apenas o final do ciclo, logo mais começa denovo com a culpa de ter se entupido de açucar e ter chorado o mundo.

Pra quem te acompanha, é claro: tu não perdoa. Tu nunca esquece. Tá sempre repetindo isso. Não sei como mudar isso, nem se é possível, mas acho isso um ponto bastante crucial em ti. Não to dizendo que tu tem que, por exemplo, perdoar aquela gente asquerosa de Minas, não esquecer é o suficiente, mas não precisa focar as tuas memórias nisso. A moral é que 99,9% das pessoas que pedem o teu perdão não estão ligando muito se tu vai dar ou não, já enfiaram no teu cu mesmo. Só que quem fica com o sentimento ruim acaba sendo tu.
Mas não importa tanto os outros. O foco é tu! Posso estar cometendo aquele pecado básico dos leitores do teu blog de achar que te conhece só porque lê algumas coisas do teu dia-a-dia, mas as vezes penso que tu é que devia se perdoar. E isso vale fazer porque tu vale a pena. Se tu pensa sobre isso, se preocupa, se arrepende, fica triste, é porque tu merece se perdoar pelo o que tu já fez. A culpa é, e sempre será, um sentimento que corrói qualquer possibilidade de felicidade. Tenta te perdoar, fechar certas coisas no passado e começar denovo. Talvez tu tenha que falar com algumas pessoas sobre isso, talvez não, não sei...

Quando dizem pra tu procurar ajuda, como indo num psiquiatra ou psicólogo, é porque essas pessoas são aptas a te ajudarem nesse processo, que é lento, é doloroso e tudo mais. Os psiquiatras ainda podem dar uma ajuda farmacológica, pois existe o fator físico-químico do negócio sim.

Tem vezes que a gente quer só falar\escrever, sem ter que ouvir\ler nada em troca, mas passei a noite pensando nisso que te escrevi, mesmo sabendo que tu provavelmente não vai ler. Acho que não é o que tu quer e\ou precisa, mas os teus leitores estão contigo.
Um beijo

Anônimo disse...

fluoxetina com cerveja.

Anônimo disse...

Tá fazendo terapia no lugar errado.

"A história se repete."
-
a história se repete pq assim vc quer e é assim q faz um criar ciclo vicioso infinito na sua vida. Cê tem duas opções:
A ou B:
A - continuar se lamentando. e culpar eternamente o universo, carma, sina e seus derivados. continuando assim vivendo essa merda de vida como vc mesma diz.
ou
B - Assumir que tem um problema emocional que tem tratamento e criar uma forma de se sentir mais feliz...
-
vc tem uma visão muito pessimista de tudo. Pelo o que vc diz...sinto que se não estão com vc necessáriamente estarão contra. Não te acho arrogante, sinto como se vc não se aceitasse ou sei lá. se perdoasse por algo. não sei.

ps: gosto de ler vc ;)

Al

Taynná disse...

Leio você e penso assim: Bridget Jones achava que tinha problema, mas hello Bridget, ela ao menos morava em Londres e tinha o Hugh Grant pra pegar vez ou outra.
É amiga, precisando jogar fora as plantas velhas e comprar coqueirinhos pra sacadinha (tem sacada? Se não tiver, providencia). Sai dessa. É fácil falar, eu sei. Mas agir para você é impossible dear, então vou ter que cair no clichê. Procure ajuda sim, mas aí dentro. Procure a força de quem sabe o que quer. Ou ao menos a força de quem sabe o que não quer.
Eu sei que você tem.

Anônimo disse...

Olha, Patrícia, te acompanho há um certo tempo, e eu sei que isso nãovai te fazer sentir melhor, mas eu venho aqui porque me identifico total. Então essa é minha tentativa de te fazer sentir melhor: existe gente fodida, triste e desesperada como você. E o que a gente faz? A gente continua vivendo, empurrando a vida com a barriga. Não te desejo força pra "sair dessa", mas te desejo força pra empurrar as coisas.

E não quero cair no clichêzão, mas eu também sempre fui SUPER contra terapia, mas pode ajudar. Não que o terapeuta se importe, porque na real, eu acho que ninguém se importa com nada, mas ajuda. Só pra verbalizar. Não é como se fosse a solução de algum problema, mas é bom botar as coisas pra fora.

Um beijo e força.
Mariana.

Larissa Barros disse...

sou apaixonada por seu blog, seus textos são sempre muito bons! mas na minha situação atual, esse tocou profundamente! ;) Parabéns pelo blog.

Ca disse...

Sabe Patrícia, é tão louco isso, pq às vezes a gente passa a vida escrevendo e dizendo para as pessoas: olha, td de bom, felicidades, que td dê certo sempre, vc merece td de bom na vida, mas no fundo, ou a gente quer q a pessoa se foda empalada ou o que é pior, nem se importa com a pessoa. Qtos cartões coletivos de firma eu tive que assinar e escrever: td de bom, sempre! - é sempre a mesma frase, e a maior parte das pessoas nem lembro o nome, foi só por obrigação social mesmo... Mas desejo pra vc tanta coisa boa, pq vc é garota que eu queria ter conhecido, até de repente pra gente acabar se odiando por causa de gênios difíceis, ou não, mas acho q vc ia acrescentar mta coisa na minha vida, por td o q vc passou, pelos poucos fragmentos de vida que vc nos conta nesse espaço...
Eu li acima dois textos, um fantástico de uma pessoa que usa TU... e outro que é o q eu escuto td dia da única pessoa que sobrou dos meus amigos, q acha q td é mimimi... Só vc sabe das suas dores, e pra ser sincera, eu mesma já disse pra vc ir procurar um médico e tal, mas será q é mesmo preciso? será que vc não tem q peitar o espelho da alma e ter essa batalha sozinha? ninguém pode fazer isso, se for esse o caso mesmo, mas pode ter certeza, vai ter gente pra porra dando suporte deste lado de fora. De coração, fique bem e um grande beijo

Ca disse...

E outra, sei que é horrível, e que tô prolixa pra caraleo, mas em relação a mulheres gordas - odeio ser chamada de fortinha, tenho vontade de enfiar o braço no cú de quem fala até o cotovelo - que não são, como direi, comidas com amor e carinho :D, tamo junto nessa ai...Sei que não é o espaço e nem o lugar, mas tinha q contar que vou em um lugar chamado comedores compulsivos - cca, vizinho de sala dos narcóticos e dos alcoólatras anônimos, e quer saber? acho sensacional! Saio leve de ouvir que nego já fez programa pelo valor de uma janta no japonês, e outro que pegou resto de hamburger do lixo pq achou pecado jogar fora uma coisa divina dessas... Desculpa o espaço... bjos

Patricia C. disse...

Queria dar um abraço do tamanho do mundo no segundo anônimo, pq li isso hoje no trabalho e tive que conter as lágrimas.

e ca, adorei saber que tem comedores compulsivos? juro q não sabia da existência. dei um google e vi que a maioria das reuniões acontecem em igrejas. achei cafona hein? rola pregação no meio? ou é só o local que é alugado pra reunião?

Anônimo disse...

Oi! É o segundo Anônimo aqui! Um abraço do tamanho do mundo pra ti tb! Tô te acompanhando!

bjos

Ca disse...

Nem, é a igreja que aluga o espaço, pq né? o pessoal quer salvar a humanidade, mas nem é tanta babação de ovo não... é o mesmo esquema de alcoólatras anônimos e narcóticos anônimos, tem os doze passos, tem o só por hj não comi a torta tda, eles falam pra acreditar em uma força maior, que pode ser vc mesma ou pode até ser a própria sala de reuniões... olha, de verdade? levando em consideração que somos humanos, e logo, não somos boas biscas, vale a experiência de ver gente engravatada, senhoras de família, garotas que parecem atrizes da globo contando barbaridades que fazem a gente virar santa... e isso dá uma animada, a gente para de ser ver como fraca mediante essa situação, e vê que é humano sucumbir... sei lá, sempre tive uma relação mto ruim com comida, mas depois dessas reuniões, tô mais tranquila...

matheus nunes disse...

faz a receita do carinha ali de cima da bolacha bono e avalia pra gente? fiquei curioso! haha. te adoro demais. e eu te entendo completamente.

Andrea Koppe disse...

Faz tempo que te visito, mas nunca comentei. Mas hoje achei um bom dia para falar o que penso de você: Te acho uma pessoa inteligente, inspirada e que chama atenção pelo que fala. E muitas pessoas acham isso também, vejo pelos comentários... Não basta para aplacar o que você sente, eu sei. Mas deve servir para te empoderar para viver, pois o que você é faz muitas pessoas virem aqui te visitar. Eu sou empresária e presidente de uma ong, casada, com filhos, trabalhando mais de 15 horas por dia. E mesmo nessa vida louca, eu arranjo tempo para ouvir VOCÊ! Porque mesmo sem te conhecer EU GOSTO DE VOCÊ!Estou em Curitiba e talvez nunca te conheça, mas gostaria que você soubesse que você faz parte da minha vida em alguns instantes porque eu escolhi te admirar.
Força e não esqueça que estamos aqui. Qualquer coisa, é só chamar.
Beijo
Andrea Koppe

Anônimo disse...

Um abraço dos teus leitores cearenses.

;*

'Lara Mello disse...

Oii Patricia, vim aqui rapidinho, porque vi tu colocar no twitter sobre o fim de True Blood, também não gostei e ainda por cima previsível, porque já que Bill e Eric tomaram o sangue de Sookie, como ela tá gritando eles vão sentir, ai eles vão dá o sangue deles para Tara, e ela vai viver.. Não acho que ela vai morrer, ele não vão perder um personagem como a Tara :)

Juliana disse...

E vc não adora quando sua vida tá assim e nego fala nossa, vai se benzer, ou ai pára com isso não pode pensar assim. Ser tão pessimista... Ahã, é fácil falar essas merdas quando não é com vc não é mesmo?

Engraçadinha disse...

Vc reconhecer q não é isenta de culpa já é ótimo. É bom agir também, ao invés de só agarrar o pote. Acho q sempre se pode fazer alguma coisa, mesmo q qualquer coisa.
mas nem te conheço, então...

Keith Melo disse...

Sempre vai haver pessoas pra dizer: eu sinto o mesmo. E olha, eu sinto o mesmo.
Você nunca tá sozinha, nega, força aí!

Ps.: E eu vou ter que fazer aquela receita ali que deve ficar um pecado de boa..

Valerie disse...

Exatamente tudo o que eu sinto no momento em um só post.