sábado, agosto 06, 2011

desassossego

Tem a famosa sensação "opa, não era isso" que permeou todas as minhas escolhas. Desde papai saindo de casa, e mesmo com o alívio, ainda assim não fui feliz. Já estava tudo estragado. Tinha a turma, as lideranças tortas, sabia me impor, mas ainda assim não fui feliz. Teve a faculdade trocada na esperança de funcionar, mas "opa, não era isso". Teve o trabalho e, mais uma vez, nada. Está muito claro o que falta. Acho que criei laços importantes, mas não capazes de suprir. Os anos se passam e as pessoas continuam cometendo os mesmos erros, mesmo eu dizendo, porque antigamente eu não dizia, então era normal, ninguém era obrigado a adivinhar. Hoje eu digo. E dá no mesmo. Talvez as pessoas cometam os mesmos erros porque o erro principal nasce comigo. Antigamente eu tinha raiva, ficava puta, ignorava, coisa de 6° série total. Não sei se foi o amadurecimento, mas o que fica agora é só uma tristeza enorme. Porque ninguém é capaz de, porque talvez eu não seja capaz de. A culpa não é dos outros. É só minha. Quando as coisas mínimas me ferem como catástrofes (um beijo, Fernando), a culpa só pode ser minha. E vem o ciclo vicioso que o Fernando já descreveu muito bem no Desassossego. Quando você se afasta para não sofrer e acaba sofrendo muito mais, na sensibilidade exacerbada por estar só. E a consequência natural, quando as pessoas enxergam o isolado como um leproso, como alguém que escolheu não participar. Veja bem, não há escolha aqui. O leproso não se afasta, ele é forçado a ir embora. Não sinto saudades de nenhuma época que vivi. Sinto saudades do sentimento que eu tinha, aquele de olhar em frente e sentir que era possível ser. Aquilo que eu quis ser e nunca fui.

19 comentários :

drymymartini disse...

Ih, meus sais, é a terceira vez que eu faço essa pergunta hoje e o dia tecnicamente nem começou: Então não dá pra ser livre e feliz e tudo e tal?

Lélia Maria disse...

durante muuuuuuuuito tempo imaginei que vivi uma vida paralelala à minha, à vida que eu quis pra mim. tive que desencanar.

AquilesMarchel disse...

nós e nossas vidas paralelas
belo desabafo
sincero
forte

'Lara Mello disse...

Escrevi um texto parecido com esse hoje, minha ma~e jogou umas coisas desse tipo na minha cara, foi foda, mas é verdade, triste isso :(

Tá foda :'( disse...

"aquele de olhar em frente e sentir que era possível ser. Aquilo que eu quis ser e nunca fui." = MINHA VIDA.

fal disse...

puta que pariu, que texto lindo.

Anônimo disse...

Perfeição não existe, esquece isso. Aceite-se e aceite o mundo (e as pessoas) tal como é.

Maria disse...

Um beijo bem verdadeiro,carinhoso e alegrinho...

katy disse...

faça da sua vida paralela aquela que vc realmente quer ter. acredite que o que vc tem hoje são os seus sonhos de ontem. todos temos frustrações, vidas paralelas, mas passar o resto da vida lamentando o que vc não conseguiu é muito chato. eu costumo dizer que não tenho mais 15 anos pra correr atrás de alguns sonhos, então eu faço o possível pra ser feliz com os sonhos que ainda posso conquistar. e agradeço pelo resto, por poder ter esse "resto", que muitos não tem. boa semana.

Nat-san disse...

"como alguém que escolheu não participar. Veja bem, não há escolha aqui. O leproso não se afasta, ele é forçado a ir embora. Não sinto saudades de nenhuma época que vivi. Sinto saudades do sentimento que eu tinha, aquele de olhar em frente e sentir que era possível ser. Aquilo que eu quis ser e nunca fui."
O grupo que afasta sabe disso, mas é muito mais comodo colocar a culpa na vitima né, que fragil por si só quer ter algum controle e e acaba assumindo uma culpa que não é sua na esperança de de ter algum poder sobre algo. Vide caso de estupros e violencia domestica, " a culpa é minha eu que deixei, eu que fiz algo errado, então eu que posso concertar, eu resolvo o problema eu sei U_U..."

Anônimo disse...

terapia+antidepressivo. é sério.

Anônimo disse...

Incrível como me vi em algumas situações que vc descreveu, como alguém que foi forçado a ir embora, se afastar de algo pois não teve escolha. Minha vida tem sido uma sucessão de erros, mas todos foram na intenção de mudar alguma coisa que estava errada. Mas tenho que seguir em frente, embora seja difícil estar sozinha, tenho que seguir.
Espero que essa dor um dia passe.

Anônimo disse...

post doído.

Renata disse...

terapia define. Mas pela altura do campeonato, mais pra um controle de danos mesmo.

glaucio disse...

compartilho deste sentimento em alguns aspectos. mas a gente consegue, ou a gente vai tentando conseguir. :')
um beijo.

S.M disse...

Identifico-me com a parte que vc diz: "você se afasta para não sofrer e acaba sofrendo muito mais, na sensibilidade exacerbada por estar só". Até parece que foi eu que escrevi isso.

Allan disse...

Saudades da esperança ser alguma coisa melhor do sou..E de poder sonhar com isso, com a inocência da juventude.
Leio cartas e mensagens não respondidas e penso o que seria se desse a resposta? Fiz o que deu na hora que deu, errado talvez... Muito errado talvez...
Crise dos vinte muros? srsrrs
Não sei. Só sei que tenho uma garrafa de champanhe que vamos matar juntos,ok?

Beijos!
Allan.

Ivy G. disse...

Cara, eu sei exatamente o que é isso. Estou numa fase igual. Dando um passo fora da zona de conforto, que veja só você, era muito desconfortável.

Didy's disse...

Isso aqui é seu também??? -> http://minhavidaseverina.wordpress.com/2011/08/20/disritmia/