quarta-feira, junho 15, 2011

sobre as catástrofes

Queria poder apertar o botãozinho de desligar. Queria ser leve e não absorver todas as coisas ruins. Mas absorvo, faz parte de quem eu sou. Vejo nego relevando mil coisas e eu não relevo nada, sabe. Eu estava tão animada em tentar letras, cheguei a dizer que ficaria de boa por anos no meu trabalho, porque, sei lá, eu achava legal. E daí tem esse escroto da sexta-feira, enfim, bateu aquele sentimento preciso-sair-desse-trabalho. Não é que o trabalho seja horrível. Eu só peguei um acontecimento isolado e dei uma importância enorme. A questão é: não sei não dar essa importância enorme. Absorvo e tal. Vejo colegas rindo e fazendo piada depois de atender gente escrota, e eu aqui, sem conseguir, pensando apenas que as pessoas devem respeitar as outras e blablablazzzzz.

Penso em tantas situações nas quais eu desisti depois de uma decepção isolada. Quando coloco todos os religiosos no mesmo saco, porque né, padre e tio crente já abusaram. E vai que rola uma injustiça, que de repente em algum lugar no mundo algum religioso possa sim ser uma pessoa legal? Nunca encontrei. Quero que morram todos.

Quando eu abandonei o IFCS porque lá só tinha pseudo, aquele clichê cafona, calça quadriculada, óculos de aro grosso, cheiro de baseado. Eu não queria me transformar naquilo, eu não queria viver num mundo onde nego que lia Leibniz ria de mim no corredor porque eu lia Harry Potter. Claro que não abandonei só por isso, mas olha, contribuiu muito, "só tem pau no cu aqui, meu deus, o quê que eu tô fazendo aqui? vou é vazar". E vazei.

E mais uma vez sou obrigada a citar Fernando, que sentiu tudo antes de mim: "As coisas mínimas me ferem como catástrofes".

Sei que na sexta, dentro do ônibus, lá ia eu chorar e brequei. Esse merda não merece uma lágrima derramada. E não chorei. Mas nem adiantou muito. Aqui estou reconsiderando os planos que tinha traçado justamente por causa desse merda. "Patricia, não vale a pena etc etc etc". Eu sei. Pior que eu sei.

34 comentários :

Laura disse...

Entendo TANTO.

luciene disse...

porra patricia,que PUTA texto!
me-vi-em-cada-linha.
Pq super sou assim,foda,foda demais.
socafona?vou agradecer por esse textao:obrigada.
boa sorte!
Bjos

Anônimo disse...

Nunca me identifiquei tanto com uma postagem sua quanto essa.
Dar grande importância a fatos pequenos e tal.
Além disso eu também abandonei meu curso por causa de idiotas prepotentes, fazia CS.
Adorava o curso, mas as pessoas me davam nojinho. Maconheiros pagando de revolucionário, eu-sou-melhor-que-você, "não tenho preconceitos", mas são piores que o Bolsonaro.
Enfim...

guilherme disse...

O que aconteceu sexta?

Me conta.

Beijo

AquilesMarchel disse...

esss etexto parece que fui que escrevi
descreve o que penso, um nervo exposto que sente tudo q acontece

Adriana a Faladeira disse...

Patricia, vc não é a única que fica remoendo as coisas e não suporta gente medíocre. Também sou assim, e o pior é que faz mal mas não dá pra evitar. Sei como é.

Pat Siciliano disse...

Patrícia, eu também já fui assim. Na verdade, ainda sou algumas vezes. O que me ajudou foi terapia, sabe. E nem é o terapeuta, acho que é a repetição ad infinitum dos mesmos temas sobre pessoas/ situações diferentes que te faz melhorar, mas não tenho certeza. Embora o mecanismo seja misterioso para mim, ajudou. E ainda ajuda. Só tem um problema: nunca acaba. Já estou lá há quase 4 anos...

Helo disse...

Ai Paty, te endendo Pacaraio... eu estou nessa fase. Estava desempregada, sem perspectiva de nada.. fodida no mundo. Arrumei emprego e agora eu quero me mudar para SP, fazer faculdade de cinema e quem sabe virar uma pessoa feliz e realizada.. sacas? Estou com 31 anos, quase 32 e com medo de me jogar, de arriscar.. Affe.. e o tempo passando! Te entendo MUITOOOO..

'Lara Mello disse...

Também acho que coisas pequenas, viram coisas enormes.. Mas tente se firma, se jogar nos seus objetivos, muitas pessoas acreditam em você.. Se cuida! :)

Anônimo disse...

Há alguns posts atrás, ainda no MT, vc disse que ia procurar terapia assim que voltasse pro Rio.
Já foi atrás?
Procure Patricia, pare de sofrer por quem/pelo quê não merece.

E quanto às suas decisões, faça o que tem vontade. Se quer letras, faça letras. Se a vida não melhorar, pelo menos vc não estará em tristeza completa. Paus no cu vão existir em QUALQUER lugar/emprego que vc for.
Beijos.

@paulilinha disse...

Sou do tipo de pessoa que acha que vale a pena tentar e ver o que dá, mas que, uma vez que há certeza de que não pertencemos em tal lugar, vale cair fora.

não dá pa prolongar coisas chatas, engolir sapo dos outros, sentir vergonha alheia e passar a questionar, constantemente, as situações ao seu redor. assim não dá pra viver.

bora pensar em novas opções?
beijos

Esyath disse...

Patrícia,

de boa... acho que no fundo todos temos nossos momentos de choque... onde precisamos reavaliar nossos posicionamentos... A velha máxima... "engulo um elefante mas não engulo uma mosca..." Infelizmente algumas vezes somos impulsivos e mudamos todo um plano de vida porque não conseguimos lidar com essa mosca... Mas cheguei com o passar dos anos a uma conclusão... "Ninguém nasce aprendendo a parir... A dor nos ensina..." Então acabamos aprendendo a nos adaptar... Se resolver sair de lá é porque realmente concluiu que não vale mais a pena... Essa "coisinha pequena" foi apenas a cereja do sorvete... Que já estava esborrando... Mas vá por mim... Estou certa de que se no fundo realmente não vislumbrasse nenhuma outra chance... se adaptaria de qualquer modo...

Espero que dê tudo certo!

Beijos (Des)conexos!
www.historiasdesconexas.blogspot.com

masqueporra disse...

Hoje, meu aniversário, dia que você espera que tenha o mínimo de senso em ser só um dia, um senhor me pede ajuda pra fazer uma coisa pra ele na parte de fora do meu trabalho, ajudo de muita boa vontade, embora tenha me cansado de ajudar gente que não é iletrada, muito pelo contrário, mas se faz ao ver um caixa eletrônico. Entao. dai que ele me agradece pans, e vai pra outro canto. dps de anos, ele aparece la fora e me pergunta "pra eu falar de novo com tal pessoa tenho que pegar senha?", respondo "a pessoa que te atendeu pediu para pegar senha?". "estou perguntando se para voltar lá preciso de senha", eu "por isso, senhor, a pessoa que está lá pediu que o senhor pegasse ou não?". eu poderia ter dado a senha e ele se picado pra fazer a merda, mas nao, queria explicar que ele podia voltar e resolver tudo sem senha. eis que ele grita, aos berros "EU ESTOU TE PERGUNTANDO SE PARA VOLTAR LÁ PRECISO DE SENHA OU NÃO", isso vindo de um senhor que mal andava, quase sem voz. enfim... so pra desabafar. seres humanos, que racinha.

Thais disse...

patricia, não sei se adianta muito dizer, mas voce não é a única.
digo por mim que sempre tentei levar a vida mais leve (juro que tentei) mas nunca consegui. é tudo mais difícil, é tudo mais sofrido.
pode não parecer mas muita gente aqui gosta e torce muito por voce. e eu sou uma delas.
beijo

Sartreana disse...

também sou dessas. o inferno são os outros.
Não dá pra mudar de setor?

Alena disse...

Todo dia um motivo mínimo me faz desistir da humanidade. To-do-di-a

nana disse...

Bonita, é foda, pq cada um cada um. Todo mundo busca um pouco de segurança e colo, mas quando se cresce a gente tem de se ligar que isso não se consegue sempre, precisa é conquistar resiliência. Essa é a palavra, nem é resistência, pq resistência é capacidade de levar porrada sem quebrar, e resiliência é a capacidade de levar porrada, não quebrar, olhar pro que te feriu e seguir em frente de boa. Magoado, e tudo, mas superar.

Eu tenho 21 anos e me sinto velha, broder. 21 fucking anos, um artigo publicado aos 19, quando fiz parte de um projeto joia de repercussão nacional, faço duas faculdades públicas e estou pra formar em uma. E sinto como se a vida tivesse chegado ao fim, porque o mundo é rápido e as pessoas são uma merda, sabe. E tenho a mesma noção de quando tinha 5 anos e ia entrar na 1ª série e chorei feito uma desesperada pq não queria cerscer. Eu sabia já naquela época que eu ia mudar, ia deixar quem era pra trás, como uma segunda pele, e talvez não gostasse do que me tornaria. Mas você perde inocência, e ganha resiliência.

Domingo mesmo eu vi como a vida era uma bosta e como o mal existe nas pessoas, que meus amigos tão sofrendo por gente má, e chorei, chorei, porque as coisas não deveriam ser assim. Fui até à missa (existem religiosos legais -q) pra me acalmar. E aí lembro que Jesus foi morto por uns putos só pq ele disse pra galera ser legal uns com os outros pra variar. Dá pra viver nesse mundo, véi?

Te digo: 27 anos não é velha, e estar insegura com seu caminho é normal. É normal encontrar pau no cu no caminho, o que tem de aprender é ouvir os pau no cu rirem de você e rir deles pq estão rindo de você. Poser, mano, é o que mais tem nesse mundo. Gente má e mesquinha tb. E o que vc vai fazer, desanimar porque um idiota disse algo que te pôs em dúvida? Como os idiotas que contribuíram pra vc largar sau outra faculdade? Mano, se fosse assim já tinha pulado fora das minhas aos 17 anos...

Resiliência. Busque resiliência, em algum lugar, dentro de você, no twitter, nos amigos, wha te ver. Sem querer ser zé buceta, mas todo mundo sofre IGUAL, por incrível que pareça. Não passa por exatamente as mesmas situações, mas o que você tá sentindo, um milhão de pessoas sente IDÊNTICO, inclusive eu. Não é minizar o que vc sente. Pq dói igual pra todo mundo. E poucas superam. Não tem fórmula mágica.

Anda pra frente, mana, faz sua faculdade se você passar, ou o concurso, joga a merda pra outro lado e faz o mundo de merda valer. Mesmo que não saiba fazer isso. Mas anda pra frente, que quem anda pros lados é caranguejo.


bj

Anônimo disse...

Sei lá o que eu vou dizer, tipo, nem vai fazer diferença. Pessoas que se conhecem e ficam em grupo tem o hábito de ficarem mais babacas. Pessoas isoladas desse grupo tem o hábito de ficar paranóicas.

Então, imponha-se. Não fica no canto pensando 'caralho que merda tudo isso, toda essa gente, essa bosta desses livros'… Imponha-se. Cê lê Harry Potter? Alguém vai achar idiota, mas se você falar disso com paixão, ó, DUVIDO que alguém vai ousar te questionar de novo. Tô falando.

Letícia Mariano disse...

Concordo com a nana, que disse que a gente tem que buscar a resiliência dentro de si. As pessoas que te incomodam estão cagando se você é feliz ou não (justamente por isso insistem em machucar os outros, são quase sociopatas). A sua maior reação é justamente mostrar que está cagando no mesmo nível que elas e que não são capazes de te atingir. É difícil, mas resistir é necessário para garantir um espaço no mundo.
Força.

Danielle Littera disse...

Há! E eu que sempre esperava o post pós BBB, agora espero o post da semana.

Tbm perco tempo com coisas inúteis como pessoas, religiosos e respeito. Tudo um grande bullshit para todos, não para mim...

Conselho eu sei que a gente enfia no cu, mas como já colocaram muito no meu essa semana, vou te dar... Não faz Letras, não, faz alguma coisa útil. Sei lá, pensa em algo menos inútil. Eu fiz Letras e tô saindo da carreira, já me conformei que fiz mesmo por curiosidade acadêmica e que a verdadeira verdade é o funcionalismo público, assim como vc.

Sei lá, eu tbm não sei o que fazer, estou na mesma fase, com 30 anos e querendo mudar de rumos, fazer um novo curso universitário, mas qual? Estou entre cosmetologia, engenharia de produção e um curso técnico de cabelereiro...

Perdida, eu? Não concordo!

Beijos.

alice disse...

não posso aconselhar nada pq sou igual. faço drama, aumento os problemas, sinto a dor maior do mundo. engraçado q qd a gente se acerta, nem entende como pôde sofrer tanto por "só isso". mas até lá é uma angústia fodida mesmo.

eu decidi não pensar em futuro. "depois q me formar, vou fazer curso, passar no concurso, blablabla". então eu foco em "me formar". aí eu penso noq falta: materias X, Y, Z e monografia. então primeiro x, y, z e depoooois eu penso na mono.

dói menos. to empacada na faculdade há quase 2 anos, mas continuo seguindo, pelo menos. aturando o pouco de dor q eu aguento e talz.

outra coia: desisti de tentar mudar, brigar, discutir e até mesmo ENTENDER as pessoas. seja com quem for. me desagradou = me afasto. amigo q me magoa? anoto até onde posso confiar e sigo em frente. chega de remoer.

agora o problema mesmo são os escrotos lá fora... sobre esses eu não tenho o menor controle e isso me mata. daí evito contato social pra n me machucar. só convivo o mínimo possível e tal.

tipo colegas de trabalho, dentro do ambiente de trabalho. minha sorte é q lá os setores são pequenos, só preciso olhar pra cara de 3 pessoas na minha sala. com isso eu consigo lidar.

é uma merda, é doentio, e provavelmente eu deveria ir a um terapeuta tb (pagar uma fortuna pra ele me repetir todas essas coisas). mas taí mais uma meta q eu botei lá pra frente. depois de x, y, z, monografia, cursinho, concurso. qd eu consegui ter dinheiro o suficiente pra resolver meus problemas mais BÁSICOS, eu penso em lidar com as pessoas.

em fazer academia, em ir à terapeuta. em me adequar à sociedade. até lá eu só peço q n mexam comigo. pq sou frágil e n aguento.

daí eu leio blogs de pessoas q eu consigo entender. sigo quem eu acho q conflitua com oq eu penso e sou. crio essa espécie de bolha a minha volta.

Anônimo disse...

Nem sai do emprego, tua atitude não vai mudar, logo no emprego novo vc descobre que vai sentir a mesma coisa. eu acho

Laura H disse...

cara eu acredito assim, fugir do problema nao fara com quem ele suma. Ele até pode sumir por um tempo mas até quando!! largar o emprego é uma maneira de fugir, porém todas essas emoçoes e sentimentos vcc vai carrega com vc, eles nao vao embora. No próximo vc vai acaba encontrando o mesmo problema, e dai fica a pergunta o problema ta no emprego ou em mim ??

Princess Tangerine disse...

Nem é tão estranho assim. Primeiro queria comenbtar que tenho 27 e tbm não sei o que fazer da minha vida. Acho que sempre chega essa fase hora ou outra. Sobre as pessoas que relevam facilmente... não sei, me da impressão de serem meio bestas. Eu não sou de relevar, eu sou de chegar e falar e as vezes ate me estressar discutindo, mas ao menos não deixei passar batido algo que me incomodou. Não mais ser idiota e relevar uma frase de alguém panaca que se acha. Não mais. Só não acho que vc deva sair do trabalho (se vc gostar dele) por causa disso. Se não gostar, procura outra coisa, mas espera encontrar pra poder sair. Beijo.

nana disse...

Com todo respeito à Danielle lá em cima, não vá nessa de "faz algo mais útil" não, que é burrada. Vc tem um emprego público, se quizer faz outro concurso e entra noutro pra ganhar mais, e manda todo mundo tomar no cu pq se vc pelo menos tem estabilidade, pode fazer o que bem entender e não dar satisfação à ninguém.

Fosse assim, Danielle, eu n tava fazendo artes plásticas, que é tipo a inutilidade-mor da História. Meu caso é diferente pq eu nasci pra isso, saca, nem Deus ia me fazer mudar de ideia. Inútil ou não, é o que eu sei fazer direito, e posso até morrer de fome, mas morro feliz da vida. Pq letras vc tem até a chance de tirar um dando aula pra gente relativamente inteligente, mas vc por acaso respeitava prof de artes? Nem eu respeitava!

Por isso, Patricia, a escolha é assim ó: ou vc faz algo ÚTIL, tipo Medicina, Fisioterapia, Psicologia, Jornalismo ou Direito, e trabalha até o fim da vida feito um robô ou com crises de tédio pq não era o que vc queria, ou vc faz o que te der na telha, pq quem é o mundo pra te julgar. Se carreira pra vc é funcionalismo público, até arquivologia tá valendo. É só for the lulz.

Banana pro mundo.

isabela disse...

Olha, eu nunca fiz filosofia mas já fiz letras inglês durante tres anos na UFF, em Niteroi, e, SÉRIO, É um celeiro de gente chata, mimada, babaca, preconceituosa, metida, etc etc pseudo-cult e tudo mais. Eu posso te falar porque eu já cursei, e abandonei. Estou na minha segunda faculdade, cursando numa boa. Seres humanos continuam sendo seres humanos, eu é que me "vacinei" deles.

Anônimo disse...

Você é viciada no sofrimento. Tá condicionada a isso.

any crue disse...

vc vai se inscrever pro bbb?? vc é uma forte concorrente ;)

Sartreana disse...

Mané viciada. Condicionada na casa do caralho.
Patricia quer SER FELIZ, só não sabe ainda como fazer isso. O que é normal para a grande maioria de nós.

Danielle Littera disse...

Ihhh, Nana, com respeito, me procura pra gente discutir isso(www.lechateaurouge.blogspot.com ou lechateaurouge@gmail.com) pq o espaço de comments do blog da Patrícia não é o lugar certo, mas assim, eu falei algo útil pq esse conceito do útil é bem específico na minha fala. Aqui estou me referindo ao inútil não no sentido do senso comum, como acredito ter sido a sua interpretação, mas no sentido da utilidade do inútil (ok, ou na inutilidade do útil).

Eu não considero a literatura e a cadeira de Letras (ok, tirando os linguístas e os gramáticos) algo útil pq esse é o verdadeiro sentido delas, ser inútil. No dia em que a literatura for útil eu rasgo o meu diploma, não tenho nada mais útil pra fazer com ele nesse dia que não seja limpar o meu ânus. :)

E eu não a aconselhei a largar o concurso, nem a carreira, pelo contrário, concordo com ela que esse é "o caminho, a verdade e a vida" (Rs), mas acho que fazer Letras é perder tempo (foi a minha experiência), não se arruma nada com isso, nem as aulinhas pra gente "relativamente inteligente", a não ser que se queira pagar para trabalhar AND se aborrecer. :/

Sobre fazer artes plásticas é a sua postura, que bom que alguém faz, mas eu já passei do peso e da idade, agora eu sonho com um cargo bem pago no funcionalismo público, com dinheiro no bolso, menos blusas do Che, menos discursos inflamados, menos pseudo tudo, quero calma, verdade, quero Starbucks sem contar moedas, pagar "as minhas crises de tédio" no analista sem pesar no orçamento e essas coisas... Mas eu bem respeitava todos os meus professores pq eu sou A otária. "Essa é minha vida, esse é o meu clube". :D

Jessy disse...

oi, você mora em Cuiabá?

Milena disse...

PATRICIA FAÇA LETRAS ):
VAMOVAMO

Anônimo disse...

http://lelahlima.blogspot.com/2011/06/sobre-as-catastrofes.html meda

Anônimo disse...

Em vez de te consolar, venho te mostrar como tem mesmo gente idiota pra tudo. Uma cretina plagiando seu post http://lelahlima.blogspot.com/2011/06/sobre-as-catastrofes.html