quinta-feira, março 17, 2011

reduzindo as ilusões a pó

Já contei aqui sobre as pessoas que estouram de raiva do nada. Porque nunca é do nada. Não é que a pessoa entrou no bobs e ficou louca do cu porque o sanduíche veio errado. Não é por isso. Há que se considerar tudo o que a pessoa aturou até aquele dia. A gota d'água que tem a irrelevância de uma gota d'água, porém, o resultado ao cair no copo cheio é catastrófico. Então, hoje, nem é raiva que eu sinto. É angústia, desespero, choro compulsivo. É andar na rua e pensar "opa, falta uma quadra pra eu chegar em casa, tomara que eu consiga segurar as lágrimas até lá". Daí nego pergunta o que aconteceu dessa vez e a minha resposta é mimimi. "Mas nossa, só isso?", perguntaria um Zé Buceta. Sabe. Não é só isso. Não sou uma pessoa forte, eu finjo que sou. As pessoas acreditam. As pessoas acham que eu estou aqui de boa. "Patricia aguentou, eu não aguentaria". Eu não aguento. EU NÃO AGUENTO. Mas é o que temos para hoje. Lembro de quando eu tinha nove anos e vi a infância dando tchau, minha preocupação ao deitar a cabeça no travesseiro foi "que desculpa vou dar pros meu colegas na escola por usar calça e casaco nesse calor?". Dilacerada por dentro e por fora. Minha preocupação ao dormir era o calor no dia seguinte. Hoje, minha preocupação é tomara que eu consiga ir embora dessa pocilga logo. E vem nego dizer que quem aguentou tanto, aguenta mais. Como se eu realmente aguentasse. Uma gota d'água em uma copo cheio. São nesses dias como hoje que vem tudo de uma vez. A vontade de sentar na calçada e chorar. E é por tanta coisa. Eu choro coisas que aconteceram há 20 anos. Eu choro o que aconteceu hoje. Tudo junto. Cada lágrima representa um sofrimento. E são muitos. Estava sentada, fui levantar e escorreguei. Pensei que era água da chuva, eram a minhas lágrimas no chão. Todo mundo sofre, pensa o Zé Buceta. Eu penso, parabéns se você aguenta, eu ainda não aprendi. Quem sabe um dia. Só aprendi a tomar remédio para dormir. Dormindo a gente não sofre.

25 comentários :

Carlinha Salgueiro disse...

Um abraço Patrícia! :(

Ana P. disse...

Patricia,

Você consegue sentir quando eu digo que SINTO MUITO? Por tudo mesmo o que você passou, pq eu nem te conheço, mas sei que você não merece?

Sabe?

Não sou do tipo que acha que alguém mereça sofrer, mas acho que tem gente que num merece, e enfim.

Eu gostaria que você fosse um pouquinho forte. Pra aguentar só mais um tiquinho mesmo, e logo você estará em um lugar melhor. Ou ao menos um pouco melhor.

Se precisar de alguma coisa, tem meu email.

'Lara Mello disse...

Como sempre transmitindo o sentimento de milhões.. Adoro aqui, e acho mesmo que você, assim como eu, finge que é forte para sobreviver.. Temos que tentar viver! Forte abraço..

Maria disse...

Te entendo tão bem...se te entendo...procurando artifícios p levar e seguir...bjs com carinho.

Caco disse...

Identificação.

a. disse...

Eu me identifico demais com vc, e cheguei na minha gota d'agua a pouco tempo, uma merdinha de um comentário infeliz de um colega de trabalho e desabei. Ainda não consegui juntar os cacos e nem sei se vou conseguir. Cheguei ao ponto de ir andando do trabalho pra casa chorando pelo percurso enquanto imaginava os outros me chamando de louca. E o motivo ninguém entende, ninguém nunca vai entender... é só o mimimi da mimadinha que não aguenta crítica no ambiente de trabalho. E viva o remédio pra dormir que cada dia faz menos efeito.

Anônimo disse...

queria muito ser sua amiga,poder conviver com você, me identifico demais com sua personalidade, com alguns fantasmas seus...é muito louco isso.
Enfim, espero que este caminho seja apenas o mais curto possível...
Beijos
Luana

Jonathan a. Diaz disse...

Eu acho você uma pessoa forte. A força está na compostura, no saber quando, onde e pelo que se deixar afetar.

A sua idéia de força é patológica. Só psicopatas não choram, não sentem angustia, raiva e medo.

Anônimo disse...

Olá...encontrei seu blog alguns dias atrás, me chamou a atenção o nome e pensei: nossa que coragem, vou entar pra ver o que tem...e amei!!
sempre que dá um tempinho corro aqui...já a maioria dos seus posts.

Esse de hoje me deu até vontade de dar um ctrl+c e ctrl+v, pois é o que eu penso e sinto...

No momento a minha vontade é de falar para as pessoas: Para de me madar te paciência e enfia a sua no teu rabo e vai cuidar da sua vida...pronto falei!!!

Ah...e adoro suas observações sobre o BBB, que bom que alguém pensa como eu sobre os participantes...kkkk

Um bjão

Nataly disse...

Pior coisa do mundo é quando vc ta chorando assim, e vem alguem e pergunta o que foi. E vc sabe q nao vai conseguir falar tudo, então fala "nada". A pessoa insiste, vc fala a última coisa q aconteceu, e a pessoa "q? ta chorando por causa disso??" "nao, to chorando pq minha vida é uma bosta, dá pra me abraçar e me deixar chorar em paz??"

anazf disse...

te admiro por ter escrito isso.

e você pode dizer que foi pelo sentimento que você quiser, mas precisa coragem pra escrever assim.

corina disse...

Um beijo.

Thais disse...

Patricia, to chorando com você. Sinta-se abraçada.

Beijos, Thais

Aline disse...

Patrícia, sempre leio, nunca comento, mas hoje não aguentei... Te entendo tanto...

Elisson disse...

Me emociono e me identifico. Bjão!

JL disse...

exatamente. tudo muito triste. as pessoas adoram opinar na vida dos outros e não cuidam das suas.
muito triste.
o bom disso tudo é que você [d]escreve tudo muito bem...

Letícia disse...

Muitas vezes me pego na mesma situação. Dormir é a melhor solução para acalmar a alma, isso quando as imagens não te perturbam até em sonho.
Me identifiquei principalmente com o "devia estar mandando as pessoas enfiarem o dedo no cu e rasgar". Me vejo dizendo essa frase várias vezes. E quando não digo, eu PENSO.
Virei sua leitora! Vc me ganhou nessa frase haha
Bjs

juliana disse...

Chega a assustar como o que vc escreveu é exatamente o que eu também estou sentindo. E tb o que eu faço, dormindo a gente não sofre.....bjos

Anônimo disse...

gosto de ler os comentário sobre o big brother, mas pelo amor de Deus, conserta esse título: Todos riem.

Patricia C. disse...

CORRÃO

Renata disse...

a coqueiro aqui pergunta: porque vc precisou usar calça e casaco no calor? Só tinha essas roupas? =/

Paula Chaves disse...

Patrícia, sempre leio e nunca escrevo.. mas hj fiz diferente, larguei os 80 e-mail com coisas pra resolver de lado pra mandar via espaço muita energia pra vc não desistir de nada.. nem das pessoas, nem dos acontecimentos...

Faça difente hj tb! Deixa pra lá!!! Vida que segue.. algo vc vai aprender com isso e não se esqueça que o mundo dá voltas!!

Sinta-se abraçada!!
Bjos

Anônimo disse...

Hahahahaha. Não é da sua história, mas da pergunta do coqueiro. Pelo menos ela já sabe que não pensa.

Anônimo disse...

ô, Renata, pra fazer uma pergunta idiota dessa seria melhor calar a boca, né?

Naira disse...

Oi Patricia. É a primeira vez que comento no blog, apesar de visitar ele há algum tempo.
Há algumas semanas, a Marina do "Corra, Mary" postou esse seu texto no facebook. Foi como conheci o blog.
Me apaixonei de cara pelo teu jeito de escrever, teu sarcasmo, teu bom humor lidando com tanta coisa ruim. Acho que você é mais forte do que pensa.
Passei dias lendo todos os posts e continuo voltando aqui todo dia, pra ver se tem texto novo. Quando não tem me sinto até meio órfã, haha.
Hoje voltei procurando por esse texto, o meu preferido. Ando passando por uma má fase e ele se encaixa tão bem nela.
Claro que nada se compara ao que você passou quando criança e eu sinto muito por tudo. Queria que tudo tivesse sido diferente pra você.
Também sou do tipo que guarda coisas lá da infância, de mil anos atrás, as coisas ruins (com isso quase não me lembro das boas). É uma espécie de auto defesa, como se lembrar de tudo fosse me impedir de passar por esse tipo de coisa de novo. Acho inútil dizer que não funciona, né? As decepções continuam, só mudam as pessoas.
Fique bem. Que venham dias melhores pra nós. E obrigada pelas palavras, por tantas risadas e lágrimas também. Obrigada por tudo.