segunda-feira, março 14, 2011

que tenho sofrido enxovalhos e calado

Mamãe me ligou hoje e disse que eu deveria ser mais flexível, abrandar mais. Que ela pensou que esse tempo fora de casa iria me mudar, mas nem. E daí entra a velha discussão, sei que preciso mudar, porém, você não pode ser essa madre tereza o tempo todo etc. Cansa a mesma discussão. Cansa a velha rotina de estar sempre ali atrás cuidando dela porque, meu deus, ela é capaz de tirar a própria roupa e dar para as pessoas. Nível máximo de bondade que carateriza um otário. E eu ali, quanto estou perto, sempre evitando, sempre alertando e batendo o pé "aqui não!", "isso não", todos os nãos. E vem a fama de má. Que sou eu que cago para prima com síndrome do pânico, eu que cago para nega que é despejada, eu que viro a esquina para não cruzar com madrinha escrota, eu que fico controlando a vida financeira dela porque né, ela paga curso para sobrinha comprar bolsa D&G original. O Allan não concorda com essa minha postura, diz: "Se ela é assim, deixa ser. Quando você confronta é pior porque ela se sente invadida, a vida é dela". Mas eu não consigo deixar passar. Enfim. Acho mesmo que preciso mudar em muitas coisas, acho até que mudei bastante em pouco tempo. De 2006 para cá, principalmente. Coisas que eu dava uma importância monstro, hoje nem ligo, principalmente nas amizades. Quando eu achava que amizade você regava todo dia, e por deus, que cafonice. Hoje sei que posso ficar anos sem ver a pessoa, para mim, continuará tudo igual. Nem cobro nada de niguém, porque sei que sou a primeira a não ligar, a não estar presente, a não responder email e nem retornar ligações. Só na relação com ela que não houve mudanças estruturais. As coisas são invertidas desde sempre. Vivi menos, mas tenho a malícia de dizer "isso não é bom", "é melhor ir por ali". Os conselhos que recebo dela são mais em relação a paciência, essa brandura que ela acha necessária. O resto, em todas as outras situações, sou eu quem decido. Isso desde 14, 15 anos. Como se ela fosse a inocente; e eu, a mãe que deve orientar. Então, rola essa coisa de proteger. Poucas pessoas entendem, "você deve contar". Não, não devo.

17 comentários :

Anônimo disse...

então não conta,problema seu.

Garota Enxaqueca disse...

Não sei se vc deve contar ou não. Porque minha mãe, por exemplo, tem memória seletiva... Então, nem rola, porque ela vai dizer que eu estou delirando e inventando tudo...

O caso é que, mesmo que eu seja parecida com você em alguns pensamentos, tenho que concordar com o seu amigo que disse que quanto mais você tenta se meter nas atitudes dela, pior é.

Complicado, mas fazer o quê, né?

Sorte aí...

Rosana Tibúrcio disse...

Patricia, é tão difícil dar conselhos, eu penso.

Às vezes, mesmo com vontade, nem tento muito, porque demorei séculos pra entender que conselhos que recebo sempre foram baseados no que a pessoa é, vendo meus problemas; conselhos que dou, também só dou com respaldo no que sinto, vivo e sou, e querendo o bem do outro.

Enfim, por mais que a gente se esforce, quase sempre os conselhos não podem ser totalmente aproveitados, mas é bom esbarrar neles - dando ou recebendo - porque uma hora vinga, sabia?

Leio por aqui muita gente com boas intenções te aconselhando. Você é uma querida e muitos, assim como eu, desejariam saber exatamente como acertar. Se não acertam nos conselhos, pelo menos te mandam pensamentos bons.

Beijos!!!

Anônimo disse...

já reparou que vc está deixando algo muito importante SEU na mão de outra pessoa, e não o contrário??

Anônimo disse...

Então pense como se você fosse mãe da sua mãe: Os pais não têm que deixar os filhos quebrar a cara de vez em quando? Só assim se aprende. É o que os pais dizem. É a coisa mais difícil, mas vai ser importante pra ela.

E fora que contando você finalmente estaria confiando na sua mãe como sua mãe, como uma pessoa capaz. Dando efetivamente espaço pra ela. Ou você gosta de o tempo todo ser apontada como a figura do capeta por ela nesses casos? Pai da Tieta perde. Você tem motivos, e ao menos que você conte, ela não vai te entender e vai continuar te acusando das mesmas coisas. Todo mundo, na verdade.

Você pensa em todo mundo que se magoaria/sairia prejudicado com isso, mas mortalmente, você só fere a você mesma guardando isso. Tira o peso do mundo das costas, Patrícia.

Daia.BSilva disse...

Minha mãe não se vira sozinha. Morro de vontade de me mudar, ter minha casa, só minha... minha vida, minhas coisas... mas se eu deixar ela aqui sozinha, ferrou tudo. Ela não sabe nem ligar o microondas sozinha, se bate horrores na hora de colocar o tempo... mal sabe ligar o chuveiro! Coloca no quente achando que tá no frio e vice-versa... imagina ela lidando com um aspirador de pó?!

Enfim... fico apreensiva.

Clara disse...

Ai, nada a ver com o post... só queria dizer que essa cor da fonte é um pouco incômoda, eu tenho sempre que diminuir a luz do monitor pra ler confortavelmente.

Anônimo disse...

é foda... minha mae é assim como a tua... e pago de fria e cruel também... e como vc diria, ''nao é fácil'' ou ''paciencia? desconheço...''!
contudo é assim mesmo, menina Patricia, parece que a gente quem se torna a mae... gostaria que o fardo nao fosse mais pesado do que a gente pudesse carregar... mas acaba sendo... pagamos um preço alto por ser assim...

Caminhante disse...

Com a minha mãe tbm era assim, de eu colocar os limites e ficar com a fama de má. E se a semelhança for tão profunda, acho que você não deve contar mes-mo.

Nego vê propaganda de margarina e acha que dá pra aplicar na vida de todo mundo.

Luisa Maria disse...

Allan é um sábio. Vc devia escutá-lo mais. Bjs!

'Lara Mello disse...

Entendo você.. Eu também falo isso para minha mãe que é uma idiota, e sempre saiu feia na foto.. Bju!

Dri disse...

Eu também ~~cuido~~ de uma mãe com pouco, digamos, traquejo social. E se eu fosse te dizer alguma coisa ia ser NÃO CONTA.

Beijos e se cuida aí.

Geisa Kuhn disse...

Sabe Patricia, eu sempre leio seu blog e sempre vejo comentários sobre como você deve mudar.Sabe o que eu acho mesmo? Se fosse eu no seu lugar, faria exatamente a mesma coisa. Enfim, só pra dizer que nao, você nao está errada. Super te apoio. Beijos

Maeve Rêgo disse...

eu não aconselho
eu não dou recados
apenas leio.

Camila disse...

Oi, Patricia! Eu me identifiquei MUITO com trechos deste post, principalmente no que diz respeito aos amigos. Entendo bem o que vc diz e contar... pra que, né? Sei bem o que é isso. Vc só fala sobre sua vida (com a sua mãe ou com quer que seja) SE VOCÊ QUISER. Se for para te aliviar e te fazer feliz. Caso contrário, NOT. :|

Um beijo!!!

Anônimo disse...

É que nem um post em que vc falou uma vez, sua mãe te deu uma bronca por ter molhado o banheiro, baseado no que a empregada tinha dito. Porque a sua mãe tem que saber sem vc contar, certo?

Anônimo disse...

Vai ver que a sua mãe é feliz assim. Ser generosa faz bem a ela. Faz bem a ela pagar o curso da sobrinha mesmo a sobrinha gastando dinheiro com bolsa de marca (aliás, ela sabe disso??). Ela se sente bem assim. Enquanto pra nós é ser otária, pra ela faz bem.
Só não deixa passar quando isso te prejudicar. Quanto a ela, ela já está bem grandinha...