sábado, novembro 27, 2010

julgamentos II

Eu ia escrever um texto sobre julgamentos, mas daí lembrei que opa, já escrevi. E meio que está tudo lá. Essa facilidade em julgar sem querer saber os motivos.

Tenho visto muito isso nos últimos dias com relação aos bandidos no Rio de Janeiro, "tem que matar todo mundo mesmo" e "napalm neles!" etc, Bolsonaro sorri em casa. E longe de mim bancar o Gandhi, devemos-perdoar e tals, porque total entendo a revolta de quem um dia foi assaltado ou teve um parente assassinado, o que não entendo é que mesmo assim, não devemos julgar sem conhecer. Se nós tivéssemos o poder de ver um filme da vida de cada bandido, duvido que chegaríamos ao fim desejando a morte deles. Infringiu lei? Seja preso e julgado. Não morto assim do nada. Esse papinho "direitos humanos para humanos direitos" que muito me faz vomitar. Tem esse documentário, Ônibus 174 (do mesmo diretor de Tropa de Elite), quando nós descobrimos que aquele mesmo Sandro que sequestrou um ônibus, culminando na morte da Geisa, presenciou ainda criança o assassinato da própria mãe. Não teve pai. Era analfabeto. Foi sobrevivente da chacina da Candelária (e vem os discípulos do Bolsonaro dizer "tinha que ter matado todo mundo", tips que o problema da violência não é esse). Que chance uma pessoa dessas tem de conseguir alguma coisa? Quer dizer, chance há, aquela probabilidade minúscula e tal, nem todo analfabeto sem pai e sem mãe vai para a bandidagem. Mas no Rio de Janeiro? Para nós, que sempre tivemos uma caminha para deitar de noite, é bem confortável dizer "ele escolheu o caminho mais fácil". Como se em algum momento a vida tivesse dado ao Sandro o direito de escolha. Morando nas ruas, sem família, daí ele ia para um instituto whatever, lá ele ia estudar, crescer, prestar vestibular, passar, cursar uma faculdade e arrumar um emprego. O conto do Cinderelo que jamais aconteceu com algum menino de rua, mas que se pá, o Sandro tivesse força de vontade por que não, não é mesmo? Alguém acredita mesmo nisso? Jura? Medo, hein.

Eu sempre lembro de uma frase dos Racionais que é meio um mantra para mim: quem sou eu pra falar de quem cheira ou quem fuma, nunca te dei porra nenhuma. Saca? Que direito eu tenho de julgar alguém? Enfim. O post degringolou para outras situações, meio que eu já disse tudo mesmo no post de 2008. Só digo que eu acho um pouco engraçado quem diz que eu me faço de vítima e não sabe nem a metade do que eu passo. É muito fácil falar que eu reclamo à toa, que eu não faço nada para melhorar, que tudo é drama. Quero ver nego ter a minha vida e achar fácil. De longe até eu.

52 comentários :

Anônimo disse...

okay, bandido = sofreu muito na infância bláblá...mas,vai continuar matando gente inocente pra sempre como se fosse normal?

napalm neles

Raiza disse...

Eu não sou a favor de matança.Sou a favor de todo mundo ser preso.Embora eu ache que algumas pessoas realmente não tem recuperação.Eu só acho que não dá pra colocar todo bandido no mesmo patamar.Assim como tem gente que teve tudo e é fdp do mesmo jeito tem aqueles que nunca tiveram nada e nem por isso se vêem no direito de tirar dos outros.Por que convenhamos,quem o traficante tá ferrando mais? o playboy que vai na favela comprar a maconha e depois os pais mandam pra um clínica ou o morador,tão pobre quanto ele foi,que ele obriga a ir comprar pasta de coca pra ele?
Outra coisa é que eu não entendo por que a polícia tá esperando tanto pra invadir o morro.Sério mesmo que tão achando que mais de 200 traficantes vão se render?Não to querendo que o BOPE entre lá e chacine geral.To querendo que o BOPE entre logo e prenda todo mundo.Ficar esperando só prejudica a população,tanto a rica quanto a pobre,que fica com medo e não pode voltar pra casa.Acho que a situação vai além da questão do julgamento.

Anônimo disse...

Ler o que escreveu foi um alívio. Pelo menos uma pessoa pensa parecido comigo. Bjs! Danielle!

Andre V. disse...

Eu vi esse documentario. E a cena uau pra mim e aquela senhora que ele chamava de mãe falando da alegria dele ao ter um colchão e uma tv num quarto minusculo. Ele nunca tinha tido uma casa, que dirá um quarto.

Dai na campanha que o povo do twitter fez pra ajudar o lucas celebridade um sujeito falou que se a familia do lucas trabalhasse eles nao passariam tanta dificuldade " afinal a minha familia inteira trabalha ".
Ele mora em sp. a familia inteira vai de ferias pra argentina.
Total como comparar com uma familia de semi analfabetos que mora no interior do piaui.

E o sujeito ainda arrematou " ninguem nunca nos deu nada ".

Pois é.

Anônimo disse...

Porque você não comenta nos blogs alheios? Você é mala, anti-social, preguiçosa ou o que?

Danielle Littera disse...

Oi, Patrícia,

Comentando o post, não querendo dar uma cara ofensiva ao meu comment, acho exagerado vc dizer que quem gosta do Bolsonaro é discípulo. Talves sejam os defensores da mesma ideia. Eu voto na família Bolsonaro e digo com orgulho que compartilhamos de ideias semelhantes.
Nesse caso da "homofobia" ele pode ter exagerado dando uma "receita", mas é que todo Cristão vai querer um filho hétero, é natural. Está em conformidade com o que a Bíblia defende.

Não sei tbm se eu acho lícito justificar erros como os do Sandro com a situação de pobreza em que ele se encontrava. Conheço muitas histórias como a dele, de fome, de miséria que acabam com um final feliz, com uma pessoa que faz a escolha certa.
Lógico que deve ser mais difícil do que conseguir algo na minha posição, tendo "uma caminha pra dormir", mas é possível ainda assim.

E, sinceramente, eu desconfio de quão lúcida e imparcial a nossa imprensa é. Duvido da "chacina da Candelária", não acho tão óbvio assim como a imprensa e as ONG's resumem.

Desculpa invadir seu espaço.
Um abraço,
Danielle.

Anônimo disse...

olha.
dificil mesmo te ler.te entender.
a mesma pessoa que chama todo mundo de pau no cu consegue avaliar uma pessoa e sentir compaixão.
falando do cara do busão,convence.
que vc é dramatica? fato. que reclama a toa,opa.
sua vida é dificil? pq? pq vc tem emprego,casa,familia?
pq jogou pra merda oportunidades que outros matariam pra ter? ah vá.
viver com essa sua cabeça é que não deve ser facil.

Ofanso Scliar. disse...

Caralho Patrícia, por isso te acho fantástica! Noutro post comentei que "achava uó de ter tanta gente medíocre (quem sou eu pra julgar a mediocridade alheia, mas...) se dando bem na vida e gente fodona feito você aí, no cu do mundo". Opinião mais que fundamentada agora!

Acho que a distância e a falta de contato visual faz com que a situação perca a sua força pra maioria das pessoas. Nêgo vai pra roça uma semana e só qué sabê de reclamá no twitter, mas vê sua situação aí e pensa "ai, que gorda escrota!". Enfim.

Luciana Matos disse...

Super admiro quem consegue pensar assim Patrícia, mas eu já passei por duas situações que só me permitem manter um ódio profundo, crescente e constante por esses vermes.

Se a pessoa tem fome e rouba, ou rouba porque sei lá, acha injusto que uns tenham tanto enquanto se vive em tanta miséria, compreendo, mas acho que história triste nenhuma justifica o desvio de caráter de alguém que age com tanta crueldade. Matam, sequestram, estupram, esquartejam e isso pra mim não tem explicação plausível.

Beijo linda!

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Ok, respeito as opiniões acima (quem sou eu blá blá blá.
Não creio que é compaixão de que a Patricia ta falando. É uma questão de empatia (capacidade de compreender o sentimento ou reação da outra pessoa imaginando-se nas mesmas circunstâncias).
Não acho matança de bandidagem um ato benefico pra sociedade. Até pq violencia gera violenciazzzzz

Tenho pena não do bandido, mas da criança que um dia ele foi.

Só.

Anônimo disse...

nossa, como tem nego babaca comentando aqui!

se acha difícil entender a Patty ~~intimidade~~ rala daqui! QUE COISA mais dementadora!!!

Yara disse...

É fácil dizer tudo isso (do seu drama relatado ad eternum no blog) porque é verdade. Simples assim. Afinal, você teve pai, tem mãe e uma caminha quentinha pra dormir. Coloque-se no lugar desses pobres bandidos que não tiveram as mesmas oportunidades na vida feito você e pare de reclamar. Quem sabe você pudesse, no seu tempo vago, fazer algum trabalho voluntário para recuperação e integração na sociedade dessas pessoas tão indefesas e injustiçadas? Traria mais felicidade pra sua vida, com certeza.

Pimenta disse...

É Patricia, que coisa.Acho na minha ignificância, que as pessoas querem discutir os direitos humnos sem exercer ou sequer conhecer seus direitos civis,de cidadão.
Então quando o direitos humanos começam a trabalhar, elas percebem que eles só trabalham pelo bandido.Mas a verdade é, na minha opinião, que quem deveria com a nossa ajuda cuidar dos nossos direitos como humanos é o governo, que não exerce a sua função corretamente, ou de forma insufuciente para garantir a liberdade e um mínimo de dignidade para todos,então, resumindo, os direitos humanos trabalham, e exercem a função a que se destinam com eficiência.Não são eles os errados, mas a ausência de garantias sociais para todos os cidadões brasileiros.
Pelo menos as pessoas fora da sociedade civil convendciona(os bandidos)TEM um apoio e uma garantia de que seus direitos não serão ignorados.Nós não.
Falta a gente criar vergonha e exigir um governo que seja competente, e me dê o que eu mereço,(para mim e para a bandidagem, que antes de ser outra coisa, é cidadão do Rio de Janeiro,Brazil)
E queiram ou não as favelas do Brasil SÃO objeto de interesse do mundo.
bjo

O TIO SUKITA disse...

moro no RJ e falo: vagabundo não é gente. foda-se quem viu morrer, quem comeu o rabo deles quando eram crianças e toda essa merda que nego inventa pra defender aqueles animais. os caras vendem drogas pra crianças, estupram as filhas dos outros, assassinam pessoas de bem em troca de nada. NAPALM NELES.

SrtaRozz disse...

Ah, queria te dar um beijo agora. Obrigada por esse post!

'Lara Mello disse...

Amei o texto do "Julgamento" Gostei de te conhecer!

E concordei totalmente com vc! Tenho uma filha, não terminei meus estudo e nego acha que eu fico de prega o dia todo, uma coitada..Ninguém sabe nada de minha vida! Fico revoltada! Obrigada por vc me entender! Bju

hunnybunny disse...

o que eu mais "amo" no mundo é como as pessoas tem receita e solução pra vida alheia. caixinha de comments é é a nova bola de cristal. só VOCE, patricia, não vê, tsá!??. será que vc passa por sp em algum momento ainda este ano? queria muito te ver.

Mariana R. disse...

concordo com o que o rapaz acima disse.

Ter filho não é direito, e sim privilégio. Castra essa mulherada da favela que não tem condições de criar filho, e parte disso acabará.

Aline disse...

Patricia, primeiro post seu que eu não concordo! olha, realmente a gente tem que pensar no que aquela pessoa passou.. mas n temos celas suficientes para toda essa bandidagem! já conheci um bandido ao vivo e a cores (é..ele queria ser meu paquerinha) e eu perguntei pq ele matava, roubava..se ele n se sentia mal por isso..se era por causa das drogas.. e ele me respondeu "não é só por isso, eu nasci pra isso.. nunca quis estudar e meus pais sempre me deram tudo com mto custo.. mas eu queero usar drogas e se pra isso for preciso roubar e matar..irei fazer"

triste realidade.. chorei pacas nessa época pq como vc disse, eu tenho uma camminha confortável e papai e mamae pra aconselhar. mas sinceramente?? não tenho dó ou compaixão por pessoas que apontam armas pra outros, que matam por um simples vicio.. indepedente do que aconteceuu..

e sim.. a vida n é fácil nem pra quem tem caminha confortável, imagine pra quem dorme em papelão.

mas, sabe.. acho até bonito da sua parte. mas, por mim, e para mim.. bandido bom é bandido morto.. e se fosse alguem da minha familia o lema seria o msm

VH disse...

Se vc estivesse morando no rio, ou fosse moradora do alemão, ou ainda, tivesse que criar um filho naquele ambiente, não defenderia esses bandidos. Eles tem mais é que morrer e sumir do mapa.

Agora estão mostrando na TV a casa de um dos traficantes do alemão. Realmente, pela casa dele, ele vivia numa pobreza...

Falar de longe é muito fácil.

Anônimo disse...

Genial, como sempre. Assista esse vídeo aqui, é ótimo e vai de encontro com o que vc disse. Tem legenda em português, na parte de baixo. Bjs

http://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story.html

Anônimo disse...

Não estou aqui para defender bandido nem tirar o direito de vocês estarem indignados. Mas assim como nós, todos os traficantes, assassinos, estupradores etc. têm direito de serem julgados e passarem por um processo de socialização.
Mas caímos no erro de ver somente o que a mídia quer mostrar. Queremos que a polícia entre na favela e mate todo mundo, mas não paramos para ver quem realmente financia o tráfico, quem proporciona a lavagem de dinheiro e quem através da corrupção ajuda o tráfico.
Para nós muito fácil seguirmos o a lei, até por que ela é fruto dos nossos interesses.
Mas aquelas pessoas que sempre tiveram seus direitos negados, suas vidas banalizadas através da violência e das condições sub-humanas de sobrevivência. Que direito elas tiveram essa vida toda? E agora queremos que elas se tornem pessoas integras que seguem a lei a risca.
Não sou hipócrita de afirmar isso.
No lugar deles eu faria a mesma coisa, quão fácil é entrar na via do tráfico e poder oferecer para minha familia tudo que historicamente lhes foi negado.
Pensemos nisso!

Rosana Tibúrcio disse...

Do que você escreveu agora tenho opiniões a respeito que nem sei se prestam pra alguém, mas que são minhas e válidas, portanto:

1. É realmente muito fácil julgar o outro com a "nossa" história. Eu não faria o que eles fazem, porque eu tenho outra índole e minha história teve outra base. Mas tenho atitudes não tão acertadas, na vida, porque minha base foi diferente da do João e Maria. Ponto.

2. Desses bandidos filhos da mãe muitos não prestariam mesmo se tivessem outro nível social, outra condição econômica. São maus de índole mesmo. Seriam maus em qualquer lugar. Mas... muitos amigos e parentes desses bandidos pobres, são pobres iguais, prestam e são bons mesmo morando onde moram, passando a dificuldade que passam, porque têm a índole boa e uma força capaz de não acabar com todas as adversidades da vida. Fato.

3. Eu fico puta, mas puta da vida mesmo com esses senhores de terno e gravata, bermuda e carro caros que cheiram, fumam e estão horrorizados com os crimes que financiam. Se eles não tivessem a grana que têm seriam os "do morro", os desprezados de agora. Mas eu sei que dessa turma aí há aqueles que fumam, cheiram e blablabláss pela história de vida que tiveram, são vítimas de pais que nunca estão por perto e mais uma série de fatos que não vem ao caso.

Rosana Tibúrcio disse...

continua...


Quanto aos comentários que leio aqui eu penso:

1. Bato palmas pra você que mesmo com a opção de moderar comentários coloca alguns que, dá licença... eu jamais aceitaria no meu blog. Não tenho essa sua força.

2. Não concordar com suas ideias, tudo bem, mas eu gostaria muito de entender quem se acha suficientemente maior que você pra vir no seu blog e falar tanta besteira. Cobrar comentários seus noutros blogs foi até engraçado, apesar de ridículo, mas ficar te julgando em vez de “julgar” seus textos, se é que me entende, dá um medo danado.

Enfim, Patriciaaa, beijos e muita sorte pra você. Você está no melhor dos meus pensamentos.

Desculpe-me, de novo, pelo comentário/post

Rosana Tibúrcio disse...

Parece que fiz uma lambança com meus comentários, desculpaêêê, Patricia...rs

Anônimo disse...

estuprador ou pedófilo, pra mim não é gente, tem q morrer

mas assaltante, traficante, e talz com certeza mereciam uma nova chance

ps. o leão lobo diz q o gerson é coprofilo (o tal video q ele tanto assiste deve ser 2girls1cup)

Marina disse...

Oi Patrícia, eu é que sou a pessoa má e blablá que te julgou sem te conhecer e mimimi.

Primeiro: não te julgo como pessoa, até pq nem te conheço mesmo.Eu julgo são as atitudes que tenho a oportunidade de ler, então faço isso com a cabeça leve, leve. Me divirto com um monte de coisas que vc escreve, mas leio coisas que discordo e, OI , tive vontade de escrever. Vou me segurar pra quê? Só pra fazer média. Não, obrigada, não sou disso. E acho que ninguém na vida só ouve elogios e consolos por causa de toda merda que fez na vida.

Enfim, em relação a esses bandidos, sou a favor que prendam TODOS, mas esse negócio de desejar a morte dos outros , pra mim, é coisa de bicho. Tá, talvez em relação a estupradores e torturadores eu até ache que a morte vem bem, mas de resto, quero só que sejam presos e parem de acabar com a vida de quem vive lá perto. Desses inocentes é que eu tenho pena. Tipo o menino de 8 anos baleado por um traficante no sábado pq não quis pôr fogo num ônibus. Esses é que me dão mais pena.

Thatay Rodriiguês disse...

Não venho comentar do seu post, porque opinião é igual a cú e cada um pensa o que quer.

Mas se vale alguma coisa, com certeza vocÊ ganhou o meu respeito. Ganhou porque eu sei o que você passa, eu sei o que você sente, e eu sei que a sua vida vai ser a minha daqui a 10 anos. Nego lê o que a gente escreve acha que é mimimi. Nego senta na poorra do computador, abre a poorra do blog porque queer, faz o porraa do comentario porque se acha no direito de ler meia duzia de palavras e acha que é dono e senhor das nossas vidas! MERMÃO, TEM NINGUEM PEDINDO AQUI PRA TU ENTENDER NÃO!
Se ta achando que é draminha, vai sofrer no lugar dela, ou no meu palhaço!
Ninguem sofre porque quer nao, niguem se fodee porque acha bonito não.

As pessoas que entram em nossos blogs reclamando que julgamos as pessoas se mconhecer:
O que você faz nos nossos comentarios então?!

(sim, isso foi mais uma sessão desabafo que um comentario, mas whatever ¬¬)

Renata disse...

Eu vim aqui agradecer pelo post mais uma vez, depois de ter agradecido no twitter.

Mas quando li os comentários, quero mesmo é dizer que sinto muito que você tenha que ler esse tipo de coisa.

que dureza.

Patricia C. disse...

me incomoda o endeusamento dos policiais, mesma coisa que acontece nos eua com os militares (depois o povo fica chocado com os abusos no iraque etc.)

me assusta quem prega a castração das mulheres na favela como uma das soluções para o fim da violência. quem pensa assim está tão longe de conhecer a estrutura do problema que é a violência, nem imagina.

tem gente que tem medo de bandido. meu maior medo é quem vota no bolsonaro, que prega "bandido bom é bandido morto", porque o bandido muitas vezes não teve escolha (alguns eu sei que tem), mas quem vota no bolsonaro tem escolha sempre, e mesmo assim, entre votar em alguém que prioriza educação e cidadania como um todo, prefere votar em quem desrespeita os direitos humanos e que inclusive, apoia o período da ditadtura militar.

modero os comentários unicamente para evitar que soltem informações confidenciais (endereço, local etc). mas aprovo todos, naquela vibe que cada um tem o direito de dizer o que quiser. por isso que deixo os comentários de dementadores de boa. na internet todo mundo é machão e opina sobre tudo. mais uma vez digo: vem ter a minha vida e achar fácil.

mas quem sou eu, não é mesmo?

p.s: adorei o vídeo linkado aqui http://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story.html sobre o perigo se de contar uma única história. cai como uma luva aí em tudo que eu disse.

Anônimo disse...

Não sou a favor de matança de bandido. Mas não me venha pintar um traficante de mimimicoitadinho. Tenho pena de quem rouba/mata por necessidade. E convenhamos que QUASE todos os traficantes entraram e continuam no tráfico POR AMBIÇÃO, por STATUS e não porque passam por necessidade HOJE. E digo mais:"nas regiões mais pobres do Brasil (semi-árido nordestino, Vale do Jequitinhonha) há relativamente menos violência do que nas áreas metropolitanas, na fronteira agrícola do norte e do centro-oeste e na fronteira com o Paraguai e a Bolívia." (http://polimidia.wordpress.com/2007/02/28/pobreza-nao-e-a-determinacao-da-criminalidade-indica-estudo/)

Mas é mais fácil dizer que matou e estuprou porque não teve oportunidade na vida. Assim, até eu.

Laila

Anônimo disse...

uhauhauahuaha
adorei:"quem sou eu pra falar de quem cheira ou quem fuma, nunca te dei porra nenhuma."
Julgar é fácil...se ponha no lugar e viva a vida dos caras...

Anônimo disse...

Há dois anos namoro um cara. Esse cara perdeu a mãe aos 11 anos, o pai nunca apareceu, muito menos cumpriu sua mínima função. Depois da morte da mãe, ele foi morar com a avó, e pra não perder as desventuras em série, aos 17 ele perdeu a avó. E ficou completamente sozinho, se não fossem uns tios aqui e acolá... Foi morar com um dos tios, que era solteiro e também foi criado pela avó. Nos conhecemos e fomos morar juntos. Durante todo esse tempo de namoro aprendi muito sobre esse assunto de histórias de vida diferentes. Aprendi muito sobre o como é comodo se ter uma familia, um teto, uma cama quentinha e sair por ai julgando os outros. E aprendi muito bem que pessoas sofridas, as vezes, usam da sua história pra conseguir certas coisas. Mas o mais importante que aprendi, é que por mais que você diga: a vontade é de cada um e se ele realmente quiser pode ser alguem na vida, é MENTIRA. Porque pessoas com histórias de vida pesada conhecem pouco o "lado bom da vida"(?), não tem motivo para lutar a cada vez que a vida desperta mais uma desventura, afinal, ja foram tantas e por que insistir? Uns nascem com muito, mas outros com tão pouco. E alguns ainda o pouco que lhe restam, a vida tira.
Que nasce com muito não tem que, e nem consegue, entender a vida de quem nasce com pouco.

ps: sempre comento aqui, mas prefiro ficar anonima nesse post.

Barbarella disse...

prefiro não dar opinião sobre isso...mesmo por que não tenho opinião formada sobre ...
Quanto a nego dar pitaco na vida alheia...
Querida pimenta no cu alheio é refresco...então...abstrai e bola pra frente....só a gente sabe o que passa na vida....só nós sabemos das dores de nossas feridas...

Bjão...

eusoqueriadizer disse...

Tipo, meu comentário seria o resumo de outros comentários postados ak... Assunto super polêmico em qq época do ano e acontecimento, em qq cidade ou país...

A única coisa q eu quero frizar é q nada justifica violência. Nem vida ruim, pais ausentes, pobreza, NADA. Se fosse pra roubar comida, roupa de frio, tava perdoado de coração... Mas não é oq acontece...

Sobre sua vida, poxa, ninguém tem a vida fácil... Eu não tenho, vc não tem, minha mãe não tem, minha amiga não tem... Cada um tem fardos a serem carregados... Isso não nos torna nem melhor nem pior q ninguém. É por isso q não concordo as vezes com alguns comentários seus... Mas não é por mal, eu tb reclamo de tudo pra caralho, mas até aí achar q é mártir é um pouco demais. De qq jeito, estranhamente gosto de vc e do seu blog, e acho q discordar tb é aceitável...

Bjusss

bartender disse...

partilho da mesma opinião, patrícia. do meu ponto de vista, acho que, o que acontece, não é nem "julgar" o traficante: esses discursos inflamados, de "napalm neles", "solta o aço" etc é uma forma bastante "rudimentar" de se lidar com a raiva que as ações dos bandidos provocam. é esperado do ser humano ser passional frente situações que inspiram tanto horror! acho que assumir esse discurso "nazista"... no entanto, ainda fico escandalizada com tamanha indisponibilidade pra olhar pra todos os níveis dessa situação! não deveria, afinal, é bem mais fácil sucumbir à raiva e ao discurso de ódio do que desenvolver um olhar crítico... a ironia disso é que as pessoas que tomam parte dessa histeria coletiva geralmente acreditam que, no lugar dos que cresceram totalmente marginalizados com histórias de vida escabrosas, "é bandido porque quis. não tem força de vontade, querem o caminho mais fácil..." etc etc. honestamente, não tenho a menor paciência de discutir sobre esse assunto: raiva cega, vide os "napalm neles" e os "trafica". e eles se acham tão diferentes!

bartender disse...

agora, sobre a galera "cheia da razão": eles leram esse post e sequer abriram o outro post linkado! rss por favor, desconsidere! falta de compaixão, humildade aliada a muita prepotência causa esse frisson de "sôdeus"! as pessoas se vêem totalmente acima do mal, já reparou? parece que passa todo mundo incólume pela vida, meio imune a qualquer tipo de desgraça, grandes vitoriosos... e tudo pq eles já nasceram assim, essa grandiosidade de espírito é de fábrica! HAHAHAHA ok, senta lá, cláudia! rss

Anônimo disse...

Comecei a ler os comentários e parei, porque né, tá cheio de facistóide por ai falando que tem que matar quem nunca teve chance nenhuma. MAS MOLEQUE BRANQUELO DA BARRA QUE BATE EM EMPREGADA USANDO A JUSTIFICATIVA DE QUE ACHAVA QUE ERA UMA PROSTITUTA NINGUÉM QUER MATAR. Sério, racistas otários nos deixem em paz. PRA FILHO DE JUIZ QUE QUEIMA ÍNDIO NINGUÉM DEFENDE PENA DE MORTE. Pra político filha da puta que defende que se deve bater em crianças pra que elas não se tornem homosexuais NINGUÉM DEFENDE PRISÃO.

Sério.

Sério.

As pessoas são maniqueístas o suficiente pra achar que elas NASCEM com esse tipo de valor que elas tão defendendo? Elas acham que você NASCE respeitando os outros, achando roubar e matar errado? Porque SÓ ASSIM pra justificar esse tipo de lógica.

NINGUÉM NASCE COM VALORES, ELES SÃO APRENDIDOS DURANTE A VIDA - OU NÃO.

E é o ou não que o estado tem ofertado pra milhares de pessoas pretas, pobres e faveladas.

Anônimo disse...

Até porque, ou os bandidos fabricam as próprias armas israelenses ou tem gente do exército/polícia nisso ai. Ou eles plantam maconha e plantam e refinam a cocaína ou então tem alguém abrindo a fronteira pra essas drogas entrarem. Esses ai ninguém quer nem procurar, imagina matar.

Fora o fato de que, NÉ, matar essas pessoas resolve o problema da violência. Só não sei em que planeta.

O estado e mídia enxergam essas pessoas como números, tanto foda-se se vai entrar um monte de moleque no lugar desses caras. Daqui há dois anos a polícia mata mais gente e pronto. É gente marginalizada, preta, pobre, descendente de nordestinos e feia mesmo. Quem se importa? Ninguém vai nem saber, a mídia não precisa divulgar. Tudo nosso.

Elis (ou não!) disse...

Patrícia,

Leio seus textos já há um tempo, coisa de um ano e pouco.

Não te conheço e tal, mas pelo tom dos seus textos tenho notado que ultimamente você está enfrentando uma barra muito pesada, você não parece estar legal.

Tente ficar bem. SAbemos que não é fácil, mas por tudo o que já li sei que você é uma pessoa muito forte. Nem vou vir com coisas motivacionais e tal, né, mas há sempre uma possibilidade de que as coisas melhorem.

Quanto ao tema de hoje, olja, não sei se concordo, discordo, ainda nem tenho opinião formada, ando saturada das notícias e com mil pés atrás, estou achando que tudo nesses ataques nessas invasões, absolutamente tudo cheira a farsa. Não sei onde querem chegar, mas enfim, isso é um assunto que ainda tenho que ponderar para expressar.

De qualquer forma, gostei do seu texto, e mesmo sem te conhecer de verdade, gosto muito de você.

Te desejo o melhor.

Bru disse...

Pois é... ví meu pai matar minha mãe quando eu tinha 7 anos... passando uma faca na garganta dela... e indo embora, e eu tentando fechar o corte com as mãos, para ela parar de engasgar, enfiando bolos de papel higiênico no pescoço dela... e vi ela morrer na minha frente... Se hoje eu precisasse matar alguem, mataria numa boa... me condenem por isso!!!

Andrea disse...

cara, patrícia, eu te amo! Sempre que eu penso "nao, ela não deve ter o mesmo tipo de pensamento que eu." Porque infelizmente ou se é esquerda-retardado ou direita-imbecil, haha, e não se percebe as nuances das coisas e tu sempre as percebe e não é cliché nunca, enfim, te amo, bom saber que tu existe. haha =)


beijo!

Ana D disse...

O relevante é que o texto é bem escrito...Cada qual tem direito de expor seu sentimento e opinião...Se concordo ou não, me abstenho rsrs...Guardo para mim ! Parabéns !

Jôse disse...

Eu também não concordo com você.
Na verdade Patrícia, gosto muito do seu blog, da sua alegria, mesmo que vc insista no que há de ruim.
Acho que ja disse que nao me compararia com vc pelo otimismo, mas acredite, vc tem suas dores, mas todos nós as temos. e TODOS NOS achamos nossas dores piores que as de todo mundo do mundo, afinal, a grama de qualquer vizinho é bem mais verde.
Eu ja percebi que você ama gente excluida. Se for gordo, pobre, negro e traficante, vc levanta a bandeira dos direitos humanos.
Me parece que te incomoda pessoas que não sofrem maiores preconceitos, como se elas tb tivessem culpa disso.
Sou gorda, adotada, cabelo nhém, tenho um filho autista, nao tenho emprego e tenho muitos dias ruins, mas tento por pior que pareça ver o que existe de bom. E se nao existir, eu busco, crio.
Não sou a favor de matar todos os bandidos, mas nao sou a favor de justificar a infancia, os traumas ou seja la o que for pra matar familias, tacar fogo em quem quer que seja. E os MEUS direitos HUMANOS?
Vida de bandido do complexo ta muito melhor que a minha, e nem com meu filho sem tratamento POR FALTA DE $$$ nessa cidade cu aqui, eu to roubando, me drogando e matando pra ser heroina de minha historia.
Brasil nao tem politica de humanização nem de sociabilidade com esses presos. estamos à mercê deles e fica por isso mesmo?
As vezes acho que vc precisa rever seus criterios antes da defesa de mae de todos os excluidos. Sejam eles gordos, homo, ou traficantes.
Poucas pessoas conheço têm a vida ÓTIMA. Sou nordestina, moro no estado mais fudido do Brasil, ou seja, o que o povo aqui chama de rico, no Rio nao é nem classe média.
Enfim, é so um desabafo tb.
Gosto de você, mas incomoda bastante essa vibe de MINHA VIDA É A PIOR DE TODAS EVER!
Bem ou mal você tem emprego, comida, mãe.
Reclamar é do ser humano. E sei que onde quer que vc esteja, em que situação esteja, é so uma questão de tempo pra vc voltar a reclamar.
Tiro pela obesidade e feiura que vc prega, e qdo vi a foto no twitter, é uma menina bonita, gordinha (talvez eu seja bem mais gorda que vc) e até vaidosa. conheço muita gente LIXO e vc nao ta nem perto disso.
enfim.
fique bem. e se quiser, reclame de mim também.

Patricia C. disse...

cara, eu não vou mais falar não, porque chega um momento que cansa. cansa que as pessoas não tenham entendido nada. tips que eu não justifiquei infância sofrida e blablabla eu só relatei um ponto que ninguém vê, mas não que justifique, a vida da minha mãe foi super sofrida e nem por isso ela ta aí na atividade sendo presa no complexo do alemão. tips que eu conheço várias pessoas mais fodidas do que eu, mas por deus, pela última vez, EU TENHO O DIREITO DE RECLAMAR DO QUE EU QUISER E FODA-SE QUEM ACHA QUE NÃO PORQUE A VIDA É MINHA.

só isso. nada contra ninguém. nao fico puta com quem me deseja melhoras, mas achar que eu reclamo demais porque Ó MEU DEUS, TEM PESSOAS PASSANDO FOME ou whatever, ACHAR qualquer coisa sobre alguém que você nem conhece é muito fácil. de longe até eu.

Jôse disse...

Respeito as dores de todo mundo, Patricia, nem chego a te comparar (dei meu exemplo pra mera ilustração), mas nao é UMA pessoa te dizendo isso.
acho que vc poderia pelo menos refletir antes de se sentir atacada. Mais vale que alguem que te "deseja melhoras" que na verdade estão CAGANDO pra ti e puxam um saco do caralho.
Odeio essa de "fulano passa fome, nao fique assim".Vc tem TODO direito de sofrer, se achar insjutiçada, mas chega uma hora que o disco arranha e se nao mudamos nossas atitudes, nada mais muda. E quem fica parado nao tem lá esses direitos todos de reclamar.
mas tudo bem, gosto de você mesmo sem lhe conhecer e lhe entendo em VÁRIOS aspectos.
Sei que nao te magoei e que vc quer mais que eu me foda. e como foder é bom, lá vou eu :)
beijos

Juliano Correa disse...

Todo mundo acha que é psicólogo e sabe explicar comportamento humano, isso é um problema. Enquanto isso nós, Psicólogos, Cientistas do Comportamento, nos omitimos; quando somos solicitados, ou falamos alguma merda só para agradar a classe média, ou quando opinamos, sempre tem alguém que vai ser contra (porque afinal, TODO MUNDO acha que entende cientificamente de comportamento humano) e dizer todo o blablabla da força de vontade, como se isso realmente existisse. Patrícia, você tem uma visão muito coerente sobre comportamento humano. Parabéns pelo post.

Anônimo disse...

olha, tem um filme que se chama "o contador de histórias". fala da vida de um ex menino de rua que conseguiu se formar e ter uma vida digna. vale a pena assistir.

Anônimo disse...

olha, tem um filme que se chama "o contador de histórias". fala da vida de um ex menino de rua que conseguiu se formar e ter uma vida digna. vale a pena assistir.

Pedro Paiva. disse...

Descobri isso quando achava ridículo um amigo ser ateu e ter uma postura ante dogma cristão, quando ainda ligava para a opção religiosa das pessoas. Uma vez ele disse " eu ia na igreja, cheguei até ser batizado, de mergulhar na água e tudo mais, mas eu não acreditava, e eu sofria por isso, eu chorava..."
Todo mundo tem uma história, todo mundo tem seus motivos... E cada um saber de seus motivos é o suficiente. Gostei sim do teu blog.

Anônimo disse...

J'ai appris des choses interessantes grace a vous, et vous m'avez aide a resoudre un probleme, merci.

- Daniel

Carol disse...

Patricia, concordo totalmente com você e, depois de ler os comentários, gostaria de acrescentar mais umas coisas.

Só há uma explicação para o fato de alguém querer que a polícia execute bandido. Não é revolta, não é desumanidade, é algo bem simples: burrice. Porque tem que ser muito burro pra não fazer associação imediata com ditadura. Tem que ser muito burro para não imaginar que poderia ocorrer consigo mesmo. Sim, porque o que essas pessoas propõem é a execução sumária, pela polícia, de indivíduos por ela capturados. Sem o devido processo legal, sem a possibilidade de se defender. Basicamente, a polícia pode matar qualquer um.

Olha, que as pessoas queiram a morte de "bandidos", eu acho até compreensível. Pois então que pleiteiem a pena morte. Agora, pleitear que a própria polícia descumpra a lei e seja responsável pelo julgamento e pela execução das pessoas corresponde ao corrompimento de todo o ordenamento jurídico! Ou seja, independentemente do meu posicionamento em relação à pena de morte, pleitear sua instituição no Brasil é algo legítimo, diferentemente de pleitear o descumprimento da lei e a exclusão do devido processo legal.

A ausência de permissão para a polícia executar "bandidos" não se pauta em proteção aos bandidos, e sim na proteção de todos os cidadãos. Uma coisa é desejar que certos criminosos morram. Outra coisa é desejar viver em um Estado cuja polícia de fato faça isso, sem o cumprimento de nenhum requisito. Eu teria medo de viver em um lugar que permitisse isso (vide China). E tenho medo também de viver em um lugar violento como o Brasil, mas não acho que trocar 6 por meia dúzia vá me trazer mais segurança. Ainda prefiro ter medo de "bandido" do que do próprio Estado.

Outra ideia totalmente distorcida é a de Direitos Humanos. Tem gente que tem horror ao termo. Será que nunca procuraram, no google que seja, o que significa? Muitos enchem a boca pra dizer que Direitos Humanos são direitos para bandido. Me dá vergonha. Sabe, todo mundo é ignorante em algum assunto. O problema é quando a ignorância é atrevida. Quando eu não entendo de algum assunto, procuro mais ouvir (ou ler) do que opinar. Ou, se decido opinar, dou uma pesquisada antes, pra não falar besteira. Mas existem determinados clichês que já se propagaram de tal forma que os ignorantes nem pensam duas vezes antes de repeti-los. Aí, eu fico pensando: caramba, eu não gosto de opinião clichê nem quando é embasada, porque em geral não acrescenta nada, imagina então quando é equivocada... Parece um bando de papagaio, repetindo incessantemente o que ouve na fila do supermercado, sem parar 2 minutos pra refletir e pesquisar.