segunda-feira, novembro 01, 2010

falhei

Quando eu era criança, nós morávamos em um cômodo no centro da cidade, aquelas quitinetes e tal, privacidade 0. Sempre que eu queria me esconder do mundo, entrava no banheiro, ligava o chuveiro e ficava lá chorando ou conversando com as paredes. Era o mesmo prédio desde o meu primeiro ano de idade. Saímos de lá quando eu tinha 12 anos e lembro que no dia da mudança, entrei no banheiro, passei a mão nos azulejos e disse "Obrigada". E foi apenas uma palavra, mas era a minha forma de dizer "muito obrigada por terem me ouvido esses anos todos, por serem as testemunhas silenciosas de tudo que eu passei". Sei que tinha dias de simplesmente eu entrar no banheiro e chorar de soluçar. E lembrei disso hoje, porque justo hoje, após tanto tempo, eis me aqui acuada em um canto, chorando o mundo e soluçando. Aquele choro espaçado. Barulhento. Típico de quando se é criança e ainda não se aprendeu a controlar as emoções. Ou típico de quando se é adulto e o desespero bate. Aquele choro que te dá vergonha se alguém escutar. E você reza para que ninguém te escute. E se te perguntarem "mas por quê você está chorando?". Por tudo e por nada. Acaba sendo o combo todo da sua vida que nunca deu certo, quando em vários momentos algum filho da puta te diz sorrindo "calma que tudo vai dar certo". E lá se vão 27 anos esperando isso, acaba sendo um mito como o papai noel. Tudo dar certo = grande ilusão da vida. É tanta coisa, que no final das contas não se acha um motivo para as lágrimas, acaba sendo por nada. E então me falam "volta pro Rio". E claro que eu quero voltar para o Rio. Da mesma forma que eu quero ver um show do Radiohead e comer um bolinho de bacalhau no Lamas. Só que nada disso vai fazer desaparecer todos os "nãos" que a vida diz. Sempre pensei que as ações aconteciam por motivação. Você sai de um lado da rua e vai para outro porque há um motivo. Encontrou alguém, está fugindo do sol, é por ali o caminho etc. Penso que viver também é isso. Por quê você vive, Patricia? Silencio. No hay banda. O que te impede de querer morrer? Minha mãe. E só. E não é que eu vou tomar comprimidos e adeus, nem deveria me explicar, já que ninguém entende nada mesmo, mas total não é papo de suicida. A questão é motivos para viver. Não tenho nenhum.

58 comentários :

tulioma disse...

gente, não pense nisso. todo mundo é tão fudido. a vida muitas vezes não é fácil para ninguém! claro, pra voce se sentir assim a sua vida deve ser uma merda, mas né, a minha também é dentro das doenças mentais que tenho. respira! chora! melhora...

Guilherme disse...

_______0_______

Eu sigo em frente pensando que eu não tenho nada a perder. A impressão muitas vezes é que eu não ganhei nada até agora, que todas as vezes que tentei construir alguma coisa uma onda levou e me deu um caixote na frente do mundo.

Tudo vai ficar bem? Isso só funciona pra quem nasceu em comercial de margarina. Mas essas pessoas jamais saberão o que é seguir em frente sem ter alguma coisa que te segure na hora da queda.

Te entendo.

Beijo.

Luciana Matos disse...

E a pessoa que tava tristaça um dia, vagando pela net sem paradeiro e encontrou seu blog riu pra caramba, esqueceu a tristeza e desde então vem todos os dias pra te acompanhar, rir quando tem que rir, torcer por você e te achar lindona na fotinho do Twitter que acabou de ver?
Pode ser um motivozinho não pode?

Fica assim não amorei, tudo na vida passa até a uva passa! rs!

beijoooooooo

Morena disse...

Cara tem momentos que a gt realmente acha que tudo está perdido e não tem mais o que se fazer, e todo mundo passa por isso!
Não diga que falhou, apenas que não chegou ainda!
Fiquei bem
Beijos saltitantes
Boa semana

Tula Verusca disse...

Cara, se você conseguir chegar aos 30 essa pergunta não vai doer tanto.

Eu tb não tenho motivos para viver... mas hoje aos 35 esse questionamento: Qual é o motivo para viver, não doi tanto mais

Emanuella disse...

Tu tem o poder da escrita. Por motivos provavelmente diferentes, hoje de madrugada me encontrei nessa situação de choro de adulto desesperado. Uma junção de fracassos que de repente por nada, nos fazem cair no chão. Espero de todo coração que nossas situações melhorem. Espero mesmo.

Docinho de abacaxi disse...

:(

Anônimo disse...

A pizza do sábado!

Ingrid F S disse...

Patis, acompanho há alguns meses seu blog, abro todos os dias, e hoje resolvi comentar. Não vim te criticar, e nem te por pra baixo, isso é o que você e eu menos precisamos. Mas não acho que sua vida fica lhe dizendo nãos... eu acho é que tu não procura os 'sim'. A vida não é facil pra ninguém, crescemos, estudamos, aprendemos a trabalhar, e vivemos assim, trabalhando em um dia pra comer no outro, e ainda assim se vive, se adequa, se ri, se viaja e curte até ficar velho.. Tendo alguem do seu lado, ou não. Porque não viver feliz sozinho?! É possível também.
Sugiro que, conheça novas pessoas, saia pra lugares diferentes, procure coisas novas, se distraia, comece a viver! seriados e dramin não são vida... e sua mãe nem sempre vai estar por você.
Sorria, seja mais idiota conforme o conhecido texto do Arnaldo Jabor, ria das coisas simples.. e leve a vida menos a sério.
Te acho muito inteligente e linda. Sei que você é muito mais do que uma pessoa pra baixo e chorona, você pode muito mais! sua vida aos 27 apenas está começando... pense nisso!

Um abraço.. gosto muito de ti!

s.ome.o.ne disse...

Eu já estive na sua situação. Não é vontade de se matar, é querer deixar de viver. Não sei nem se "querer" é a palavra certa. É quando viver é pesado demais e, paradoxalmente, vazio demais.

O que me salvou foi a psicoterapia (não confunda com psicanálise, isso não é ciência e não funciona). Eu já havia feito terapia quando era criança, não funcionou e eu meio que me desiludi. Mas aí já adulta - aliás adulta demais pra tão pouca coisa alcançada - eu pensei: "ou eu me jogo da ponte (o que e não faria pra não fazer meus pais sofrerem), ou eu encontro Jesus (HAHAHA!), ou eu procuro um psiquiatra pra me encher de remedinho... ou eu pelo menos dou uma chance pra uma terapia psicológica". E foi a melhor e mais dolorosa coisa que eu fiz na vida. Doloroso porque é foda ver o avesso de vc mesma (tem umas coisas que eu não sabia que existiam e outras coisas tão horripilantes que eu preferia fingir que não existiam).
Você fez praticamente uma via crucis para encontrar um médico para tratar um cisto. Se você passa por isso para tratar uma enfermidade física, por que você menospreza o que está se passando na sua cabeça? Não estou insinuando que você tenha uma doença (se bem que talvez vc esteja se deprimindo...) mas você certamente está vivendo como se tivesse uma doença: comendo mal, entocada em casa, sem sexo, sem amigos (fora os virtuais)... é ou não é motivo pra procurar ajuda profissional?

Rose-MS disse...

*abraço*

J. disse...

bora fazer uma mudança? de cidade, de emprego, de corte de cabelo? se dedicar a alguma coisa q dê prazer (assistir seriado não vale)?
bora pagar um terapeuta fodão, e descobrir prá q lado ir? Pq,
se com tudo isto não melhorar, ao menos *pior não fica*, né?

Marcia disse...

Não diga que ninguém a entende, pois minha vida é exatamente assim como a tua. Não tenho motivos para viver e o único que me impede de morrer e que me força a seguir em frente é a minha mãe. Sinto que meus ombros suportam o mundo e que viver passou a ser uma ordem, a qual não posso nem me dar ao luxo de desrespeitar.

Rachel disse...

Ok Patricia se joga no monte de braços e abraços que te seguem e perseguem esse seu pensamento doidivano feito notívagos e noctâmbulos como diz o Grande Pechman em relação a essas pessoas que não passam despercebidas e nos tocam com suas inquietações. Incômodas muitas vezes e de uma sinceridade que podia doer o fígado de algum falso puritano imbecil. Se joga Patricia...

Tatiana disse...

Então pare de se lamentar e arranje um.
E eu estou te dizendo isso sem julgamento e sem a menor intenção de ser grosseira, juro. Essa internet bizarra faz a gente achar que tem intimidade com desconhecidos e meu conselho é de amiga (?). Serião.

Ana P. disse...

Amiga, eu queria que você sentisse o meu abraço efusivo agora.

Acho que não passei por toda a carga que você já passou nessa vida, mas eu juro, te entendo tão bem nessas duas últimas frases.

Por isso que eu gostaria muito que você sentisse esse abraço efusivo. O abraço de alguém que sabe como é difícil viver sem motivos.

Leandro disse...

Adoro seu blog e sempre venho aqui dar grandes risadas. Aprendi a acompanhar a sua vida de longe e passei a admirar sua trajetória aqui de tão longe, Salvador, mas vc é tão autêntica e uma pessoa bem-humorada que às vezes me sinto pertinho, pertinho.

Há tempos venho tentando dizer isso, mas sempre penso que fica pra depois. Sou estudante de Psicologia e por isso sei o quanto a mesma pode nos ajudar nesses momentos de completa falta de sentido. Faço análise tem 4 anos e te digo, meus problemas estão longe de serem resolvidos, e ainda continuo com muitas das minhas questões. Mas, com certeza, a análise me ajudou e me ajuda muito a enfrentar esses momentos de completa escuridão. É um investimento que vc faz em si mesma, na tentativa de encontar os seus "motivos", rever sua história e perceber algum tipo de luz. Sempre existe. Pensa nisso, pensa nesta possibilidade! Não por acaso, esses dias tem sido dias escuros, pra mim, mas não é a intenção de falar sobre isso...

Procura ver isso ai na Floresta. Pode te ajudar muito. E pra terminar. Só posso te desejar força e dizer que torço muito por vc, mesmo aqui de tão longe.

Forte abraço!!

O TIO SUKITA disse...

cara, o que posso falar? só você vai abrir um caminho a facão nesse canavial que é a sua vida. eu não posso te ajudar porque não consigo nem me ajudar. mas você deveria focar em algo difícil, quase inatingível mas que de algum modo possa ser alcançado através de muito esforço. assim você teria um motivo, nem que fosse só um mas já seria o suficiente para continuar com o facão na mão mesmo se cortando com as folhas da cana, avançando, seguindo reto. você só não pode desistir. beijo.

Princess Tangerine disse...

Chorar liberta.
Mesmo que a dor não passe, mas ajuda a extravasar.
Eu entendo exatamente o que vocÊ quer dizer.
Me sinto da mesma forma.
Apesar de estar "bem" agora, de namorar, de ter dois filhos muito lindos.
Não vejo razão, sentido no meu viver.
E não há nada que falem que vá me fazer sentir diferente. Já tomei comprimidos, não deu certo. E, embora a vontade nunca passe, meus filhos são pequenos e precisam de mim. Eles, assim como sua mãe a você, me impedem de concluir o que um dia comecei. E eu ainda nem sei se isso é bom ou ruim.

eusoqueriadizer disse...

Poxa, fico até meio assim de ler isso e não poder ajudar...

Se te ajuda, a minha vida tb não é nada feliz, mas eu bebo bastante, e no dia seguinte fico tão mal q até esqueço dos problemas! rs

Bjusss

Fernanda disse...

Eu nunca comentei aqui, apesar de ler seu blog há algum tempo. Decidi fazer isso agora porque o seu post verbalizou tão bem o que você está sentindo que chegou a me bater uma tristeza de não poder te dizer "que tudo vai dar certo".

Eu sei que o que eu vou dizer não muda nada, mas, Patrícia, eu realmente espero que as coisas melhorem para você.

nan costa. disse...

você disse tudo que eu sinto. você tem um coração muito doce, patrícia. e é difíl ver que ele está amargando.
sei que também é difícil sentir.

Hélen disse...

Se te consola, tem dias (muitos dias) que eu também me vejo sem motivos (pra viver).
Mas aí me odeio um pouco mais porque em grande parte desses dias percebo que pertenço ao mundo dos descontentes, pois nada nunca está bom pra mim. Já na outra parte desses dias tudo dá errado.

'Lara Mello disse...

Olha, profundo viu! E nem vou começar a dizer que me identifico pq já ta clichê! O meu único motivo para viver é uma filha, morar de favor, não ter um emprego, se senti um lixo do mundo..É um dia vc vai entender pq eu me identifico tanto com vc..Bju!

Thaís Lyra disse...

Olha, Patricia, eu sei que é foda ficar lendo conselho em comentário. Entro no teu blog todos os dias e nunca postei nada, mas eu tb já me senti assim. Lembro que fui numa astróloga (não estou falando que vc tem que ir em astróloga e acho que vc vai sacar o que digo) e ela me disse: Thaís, até os 35 anos a vida pra vc vai ser como ter ido a uma festa sem ter sido convidada. E olha que eu já tinha uma filha, uma profissão, um trabalho... mas eu olhava tudo e pensava: que merda é essa da qual faço parte? Coincidência ou não, seis meses antes dos 35 anos (vou fazer 37 em fevereiro) mudei de área na minha profissão e foi como mágica. Coloquei meu tubinho preto e fui curtir a festa, no meio da pista. Tá dentro e um dia a gente acha essa porra de motivo. Mesmo que fique de canto, tomando uma taça de vinho, a gente começa a fazer parte da festa.
Beijos

Jorge disse...

É um axioma EXTREMAMENTE PAUNOCU mas olha, é real: a vida tem o sentido que você dá pra ela.

Na real mesmo, ela não tem O MENOR sentido. Não é constituir família, casar, ter filhos e um cachorro. Não é ficar rico. Não é ser cool e viajar pelo mundo. Isso são apenas estereótipos que as pessoas se impõem pra serem reconhecidas, você sabe disso.

Eu, sinceramente, só não me suicido porque
a) só depois de ficar famoso, senão não rola comoção e eu quero BARULHO
b) sou semiateu (hahaha, que trash), mããããs VAI QUE ROLA PUNIÇÃO?

saca A Viagem? então, não me sinto confortável. Vale dos Suicidas, ken kurt.

Daí tem quem diga ''O sentido da vida é evoluir como pessoa...'' Meu, caguei?
Total caguei.

Deveria ser melhor do que isso.
Mas não é. E a gente se acostuma com isso.

Nem por esperança de que melhore, mas sim por aceitar isso, sei lá.

O que vier é lucro, saca?
É meio assim que eu me sinto.

Pronto, desabafei =P

Espero que você fique bem, porque, de certa forma, você é a ressonância de todos nós.

Um versinho cafona pra fechar:
YOUR TRUE COLORS ARE BEAUTIFUL LIKE A RAINBOW.

E o resto que se foda.
Stay beautiful.

Raquel C., primeira disse...

desde o post sobre sua mãe tenho ensaiado mandar um email. travei horrores. não sou muito boa com essa coisa de demonstrar sentimentos. aliás, tô pra descobrir ainda no que sou boa.

mas porra, vontade monstra de te dar um abraço. eu sou esquiva e bizarra, i'm a creep i'm a weirdo. e acho que nunca verbalizei isso de uma forma digna. mas sabe, como eu te entendo. como eu sei exatamente do que você está falando.

queria ter a solução, queria ter respostas. pra nós duas. infelizmente não tá rolando. então pelo menos espero que você saiba que eu estou aqui, mesmo longe pra caralho. por email, msn, dm, comentário de blog. o que for, quando precisar, tamos aí.

um beijo.

THIAGO disse...

patricia, sempre visito seu blog e as vezes comento...
hj resolvi comentar pq te peguei nessa vibe meio torta.
quer um motivo pra viver?
a vida eh so uma...se fossem duas a gente dava um RESTART e comcava tudo lindo outra vez...
nao te deixa levar por esses momentos de profunda tristeza...
no maximo se embrega, toma um dramin e um dorflex...dorme, acorda sem dor de cabeca e encara o dia novamente.

nao te conheco, tu nao me conhece, mas te amo...qualquer coisa vem aqui pra casa que te dou mais motivos pra viver.

=D

bjo

Anônimo disse...

Caralho, posso assinar?

Passei o feriado pensando isto e o pior, com a sensação de que o fim de ano se aproxima e o fracasso de mais um ano de vida que não deu em nada.

Daí eu penso e pergunto, porque Deus quis criar a vida? Qual o sentido disto tudo, acordar, sobreviver, mais um dia? Cadê o botão de resetar?

Sim, também não me mato por causa da minha mãe. Meu irmão fez isto primeiro e imaginar o sofrimento dela, sem mais ninguém na vida, é mais foda do que sobreviver mais um dia.

Também porque tenho medo, sei lá...
Ah, já tenho 30!

Ah, tem o acréscimo de fingir que tá tudo numa boa, por ela, pelo fracasso amoroso, porque ainda resta um mínimo de orgulho de não deixar a corja do infeliz ter a certeza de que eu sou louca (eles me fizeram louca e ainda acreditam que estão com a razão).

Terapia? Pra gastar dinheiro e chorar do mesmo jeito? Remédios? Já tomei. Só me deixa numa felicidade inexistente e com o efeito coleteral de me fazer gastar mais, porque né, a gente acredita que está bem e fode o resto...

Desculpa desabafar aqui, em vez de palavras de consolo, como os outros fizeram acima, tentando achar solução. Enfim, você não está sozinha...

Beijos!

Luisa Maria disse...

Sem palavras, te entendo muito. Motivos pra viver não faltam, mas nenhum me convence.
Mas, né? Vamos sobrevivendo. Boto na cabeça que, sem emprego, a merda seria maior ainda (seria homérica, na verdade), suspiro e sigo em frente. Pra onde, não sei.
Bjs, fique bem logo.

Anônimo disse...

eu te entendo, gata. sem ngm, sem nada q eu goste pra fazer, pensei em fazer alguma merda e não fiz por covardia minha e pena dos meus pais... a partir daí resolvi arrumar motivos, fazer coisas, estudar, sei lá... se a vida nao me deu motivos, eu corri atrás deles por simples sanidade

Kel disse...

Se estivesse aí te daria um grande abraço. Fica bem. Vc nem que conhece, mas como disse uma pessoa ai nos comentários, a internet faz com que a gente se sinta íntimo das pessoas sem mesmo conhecê-las. Acompanho sempre seu blog, me divirto muito pois acho que vc tem o dom da escrita, e quando quer contar seus casos engraçados, olha, É MUITO BOM!!! Para além disso, quando vc desabafa sobre sua vida no blog, também sinto muito e muitas vezes me identifico (isso não quer dizer que sei o que sente, afinal, o dono da dor que sabe o quanto dói)...Mas, de qq forma... Fica bem, tá? Um abraço fraterno!

Isa disse...

Eu amo tudo aquilo que vc escreve, porque algumas coisas são tão engraçadas e outras me tocam profundamente.
Enquanto algumas pessoas se iludem com tudo você é como eu, procura motivos reais, palpáveis algo que realmente faça valer a pena fazer parte de tudo isso aqui.
É por isso que continuo lendo.

Sunflower disse...

Poderia vir aqui e palestrar sobre a beleza que há escondida por de trás das pequenas coisas da vida. Mas, não sou otimista, sou realista.

Poderia falar sobre Deus. Mas, não vou evangeizar e nem sou hipócrita de falar nele, pois dentre muitas vezes das quais falei com ele, foi perguntando - cade você.

Agora, motivos pra se viver (eu e você) nessa vida de raras pelezas, e muito mais raras ainda divindades, existem: a utilidade e a facilidade.

Não NA nossa vida, mas, da nossa vida para as outras pessoas. É exatamente que seu motivo para viver é a sua mãe, pois você é útil e deixa a vida dela mais fácil.

E de vez em quando, quando a lua é nova, e a gente fecha os olhos para olhar para dentro de si, esses motivos : de sermos uteis e facilitadores para aqueles que amamos, nos deixam felizes.

Morisso disse...

de boa: toma uns remédios. tem remédio pra td hj. meu sonho ir no psiquiatra da angelina jolie. brinks, tá?

no mais, arrisque-se, continue viva. se eu tivesse morrido qd tive vontade, não teria ido sofrer em paris 4x até, finalmente, ir pra lá com o homem dos meus sonhos na 5a vez. bjinho na borda do sena, vendo show de luz da torre eifel e td. isso td de 2008 pra cá! já falei, se sobreviver até os 30, não me mato mais. faltam 6 meses pro meu aniversário de 30 anos. acho q eu chego lá! e vc?

VaneZa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jôse disse...

eu to num dia de merd,a de choros compulsivos e me achando a boneca injustiçada e gorda da estrela.
eu nao seria boa pra te falar qualquer coisa.
entao, CHORE.

Anônimo disse...

pode achar q não...mas sei exatamente o q passa e oq sente.
oq me impede de morrer?...a corvardia...não quero sentir dor e tenho medo de fazer algo e dar errado, passando o resto da vida vegetando e dando trabalho pra outras pessoas...

Thiago disse...

Paty, é foda isso. Mas, você já buscou algo para fazer disso um motivo de viver? Talvez falte isso. Ficar em casa assistindo seriado e twitando é que não vale a pena né, hehe.

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

---------------o-----------------

abraço grande

Anônimo disse...

por aqui (cidade,casa,faculdade) niguém me entendi tb. me acho sempre uma excluida.

Daniel disse...

Eu estou passando pela mesma coisa. Essa falta de motivação, motivação pra viver.

Parece que tudo deixou de ter significado e creio que é justamente isso que precisamos fazer: Ressignificar tudo.

Eu era tão feliz, tão pra frente. Hoje eu to no fundo do poço, com 20 anos (um loser).

Mas como não dá pra deixar de viver (isso pra mim não é opcional, é o único caminho), a gente tem que ir pra frente, e tentar passar por isso.

Força!!
Pra nós dois...

Super beijo.

Anônimo disse...

Patrícia, amo vc. Vc não me conhece, nunca me viu, etc. Mas vc é alguém por quem eu rezo, em quem eu me pego lembrando do q escreve e fico rindo sozinha.. É alguém q eu vejo algo na TV e lembro na hora.. Como se vc fizesse parte da minha vida mesmo. Isso parece papo de carente excluído da sociedade, etc. Mas nem. Não vou forçar de 'a não compreendida', pq eu tenho uma vida boa. Casa, marido, filhas cachorras (pq criança pra mim só com batata), rs, e MESMO ASSIM eu já me peguei diversas vezes chorando este choro, este q dá vergolha alheia nas pessoas. Quantas e quantas vezes quis morrer. Ainda não me realizei profissionalmente, mas até tenho otimismo pra achar q este dia vai chegar.
O q quero dizer é: Ainda assim eu tb tenho estas crises. Ou seja: Não existe perfeição, nunca estamos satisfeitos, e na verdade, ninguém sabe quem é o Darth Vader deste planeta, nem o q ele quer de nós. A gente criou umas histórias por aí pra não enlouquecer, mas todos nós temos este vazio. Fato.
.
____________O____________
.
Janah.

alan raspante. disse...

sabe, porque adoro ler teu blog ? pelo fato de achar alguém no mundo com as mesmas percepções que eu, vc deve ler muito isso, mas não tenho como não citar isso.

meu maior motivo pra viver era meu pai, portanto ele faleceu no ano passado. como estou vivendo ? sinceramente não sei, não consigo, me sinto como um celular que sempre acaba a bateria e apenas precisa recarregar. tenho atualmente dezessete anos, sou o tipo de garoto que ninguém leva a sério por ser magrelo, esquisito e com cara de viado. certamente não tenho amigos e claro, nem sei o que é "namorar", mas isso tudo se tornou tão insignificante que...apenas recarrego.

comecei a trabalhar por indicação da minha mãe [que por sua vez, só pensa em dinheiro] que repete falando que trabalhando eu vou melhorar. BEM, não sei se trabalhar doze horas por dia e aguentar um chefe casca grossa na minha cabeça é "melhorar". Mas, okay eu respiro, ponho um sorriso falso no rosto e repito :"é, só mais um dia", até eu me tocar que sim, é apenas mais um dia, mesmo que nunca termine.

no momento queria muito mesmo morrer, porque não ? nada me prende, nada! mas gostaria que pelo menos algum dia...alguma vez, alguma coisa realmente valesse a pena, queria que realmente pelo menos alguém chegasse em mim e falasse: "olha, vai dar tudo certo", por mais falso que seje, queria saber que alguém além do meu pai se importasse comigo.

queria parar de me encontrar em filmes. eu apenas queria algo que fosse maio que eu.


desculpe por isso [se é que vc leu tudo.] mas eu precisava contar algo para alguém, queria saber se alguém ainda consegue me escutar.

Daniela disse...

Você é de verdade. Isso já é um bom motivo pra tentar continuar vivendo.
Bjo

Carolina disse...

*abraça muito a Patricia*

Força aí.

(não tenho tuítos, então vou fazer o comentário aqui: tá lindona!)

A disse...

Olha Patrícia, eu venho aqui, leio tudo, me divirto, me abato, sinto uma energia estranha e tudo. Sou simpático ao seu momento. Clarice Lispector tem uma frase: "Fiquei com vontade de chorar mas felizmente não chorei, porque quando choro fico tão consolada". Problema dela, mas uma solução rápida, mas igualmente de rápido efeito, às vezes cai bem. Beijos!

Priscila Karen disse...

Patricia...

Nem tem muito o que falar. Eu sei como você se sente e nada do que outra pessoa vier falar pra você, vai fazer você magicamente melhorar.
Só quero dizer que chorar não é nenhuma vergonha, na verdade é até bom porque você libera muito do que está sentindo... Ficar guardando sentimentos e angústias nunca é bom.

Eu adoro seu blog e me identifico muito com você. Acredito que você tem muitas pessoas na sua vida que se importam com você e te querem bem, talvez não perceba... Mas se apoiar nessas pessoas e aceitar tudo de bom que elas tem para te passar seria ótimo pra você. Sei que você está sozinha aí, mas não significa que SEJA sozinha.

É ridículo eu sei, mas tente acreditar que tudo vai melhorar.
Estou sempre torcendo para que dê tudo certo para você.

Adorei sua foto do Twitter =)

Beijos

Anônimo disse...

Ninguém tem.

stella disse...

Eu ia começar a escrever um comentário dizendo que sei como é mas já tem tantos que nem sei se precisa. Porque é como disse alguém aí em cima: não é vontade de morrer (ainda mais quando a gente sabe o sofrimento que isso causaria principalmente nos pais), mas falta de vontade existir. A gente só quer ficar chorando e torcendo pra vida acabar logo, que seguir vivendo compensa não . E daí tem sempre alguém pra dizer que a vida é linda e que a gente que ainda não percebeu e que a gente tem que pensar positivo e fazer algum sentido da vida e eu pelo menos fico ué. Às vezes eu tenho a impressão de que sou eu mesma que escrevo seus textos, tamanha a identificação. É nóis no fundo do poço, Patricia. Sem previsão de tempos melhores.

Beta disse...

A questão não é querer se matar, é apenas querer q a nossa vida acabe. É diferente.
Eu vivo me segurando em coisas e pessoas para me manter viva e tem q ser assim mesmo.
Beijos e q sua vida melhore.

Anônimo disse...

Tem uma frase de um filme que resume a vida. É do Garden State:
- Fuck, this hurts so much.
- I know it hurts. That's life. If nothing else, It's life. It's real, and sometimes it fuckin' hurts, but it's sort of all we have.

É só isso que a gente tem, mesmo que doa, que pareça tão sem sentido (e no fundo é mesmo). Foi me agarrando nisso que eu saí do fundo do poço. Talvez te ajude também :)

@paulilinha disse...

Nessas horas eu tento achar motivos pequenos e felizes como: ouvir a música que eu mais gosto, comer uma comida gostosa, ver seriados, filmes, ler uma revista bacana, mandar um e-mail pra um amigo, enfim, essas coisinhas que podem animar o dia a dia.

Entendo perfeitamente vc e realmente acredito que vivemos buscando o "tudo certo" que nunca chega, por x motivos.

Por isso digo: procure alegria nas pequenas coisas e, quem sabe, as grandes coisas aparecem.
E se não aparecerem, vc segue com uma pequena felicidade no dia a dia.

Eu faço isso: tive um dia de merda? vou malhar.
to cagada? vou pintar a unha.
me fodi no trabalho? vou fazer alguma coisa divertida.

Só pro dia não passar em branco. Tenta fazer essas coisas e talvez vc perceba que as pequenas alegrias são bons motivos pra viver.

Um beijo!

Coala Fumegante disse...

Hahahahaa...dias de nuvenzinhas cinzentas que rondam nossas cabeças e soltam rainhos, como os de HQ.

http://tribunadacoala.blogspot.com/2010/11/chopin-arruinou-minha-vida.html

Por favor, não publique este comentário. Só compartilhando vozes que ecoam na internet.

Rodrigo disse...

Logo que comecei a ler este post, papai apertou o play la embaixo... agora compartilho deste seu sentimento ao som de bob dylan
http://www.dailymotion.com/video/x3dpwz_bob-dylan-blowin-in-the-wind-1963

Anônimo disse...

Olha, só de ler os comentários desse post eu já me sinto melhor com a vida cagada que tenho. Não que fique feliz com a desgraça alheia, mas vendo gente que tem filhos, um emprego, um casamento e não tá feliz (coisas que eu queria ter e não tenho e que acho que quando tiver vou ser realmente feliz), fico pensando que a felicidade não é isso. A conclusão (positiva) que tiro é que a satisfação vem de dentro da gente e que nunca estaremos satisfeitos com nada mesmo. Então vamos ficar felizes com o que temos e tentar fazer pequenas coisas que nos façam felizes todos os dias.

Anônimo disse...

Gostaria de te pegar no colo agora.

Anônimo disse...

Vi a menção ao post no twitter e quando vim aqui para reler achei meu comentário lá em cima... Marcia