terça-feira, outubro 13, 2009

estamos indo sempre para casa

Desde minha fuga, era calando minha revolta (tinha contundência o meu silêncio! tinha textura a minha raiva!) que eu, a cada passo, me distanciava lá da fazenda, e se acaso distraído eu perguntasse "para onde estamos indo?" - não importava que eu, erguendo os olhos, alcançasse paisagens muito novas, quem sabe menos ásperas, não importava que eu, caminhando, me conduzisse para regiões cada vez mais afastadas, pois haveria de ouvir claramente de meus anseios um juízo rígido, era um cascalho, um osso rigoroso, desprovido de qualquer dúvida: "estamos indo sempre para casa".
(Raduan Nassar - Lavoura Arcaica)


E é por isso que dói tanto.

10 comentários :

hellen disse...

Lindo.

Bom dia pra vc e fica bem...

fragmentosrecortados disse...

Mas sempre tentando suavizar um pouco mais a aspereza. É como escreveu Caio Fernando Abreu, no século passado (estou velha mesmo!):

"Quando penso desse jeito, enumero proposições como: a ser uma pessoa menos banal, a ser mais forte, mais seguro, mais sereno, mais feliz, a navegar com um mínimo de dor. Essas coisas todas que decidimos fazer ou nos tornar quando algo que supúnhamos grande acaba, e não há nada a ser feito a não ser continuar vivendo.

Então, que seja doce. Repito todas as manhãs, ao abrir as janelas para deixar entrar o sol ou o cinza dos dias, bem assim: que seja doce. Quando há sol, e esse sol bate na minha cara amassada do sono ou da insônia, contemplando as partículas de poeira soltas no ar, feito um pequeno universo, repito sete vezes para dar sorte: que seja doce que seja doce que seja doce e assim por diante.
Mas, se alguém me perguntasse o que deverá ser doce, talvez não saiba responder. Tudo é tão vago como se não fosse nada."


Boa segunda metade de semana para você.

A. Almeida disse...

Lindo!!

Ana disse...

Ao ler SÓ o título da postagem, impossível - pelo menos pra mim - não pensar em Por Enquanto, da Legião.

Embora eu prefira a versão com a Cássia Eller, CLARO.

guilherme disse...

minha vida é menos elegante, pode ser resumida numa frase do desenho do charlie brown:

"todo mundo ganhou alguma coisa, e eu... uma pedra".

e é por isso que eu sou do jeito que sou...

Ana P. disse...

Eu vejo o "estamos indo sempre pra casa" com esperança.

É lá que quero chegar logo.

Bah, é tudo uma grande bobagem, gata... uma gigantesca e insuportável bobagem.

Fica bem quando puder ficar bem.

Samantha disse...

Nossa!

vanessa disse...

daqui 10 anos nós estaremos sentadas na mesa de um bistrô (pq bar é coisa de pobre), com muitas folhas impressas e encadernadas.

leremos nossos emails, nossos posts e até as abobras que escrevemos no twitter e riremos descontroladamente.

dos idiotas das nossas vidas, das nossas idiotices, dos nossos medos e do desespero e da urgência.

tudo vai ter dado certo e a gente vai sentir uma peninha leve por não poder voltar ao passado e dizer pras nozes de agora "vai dar tudo certo".

(pq vai.)

Fernanda M. disse...

Ei, fica bem. =)

A. Almeida disse...

Cadê você???
... estou com saudades de você.
Vamos escrever!!?!?!?!?!?!
Beijos e bom sábado.