sábado, agosto 15, 2009

é preciso chuva para florir

Hoje eu liguei para o meu avô. Pai do meu pai. Há quantos anos eu não falava com ele? Três? Quatro anos? Nem sei.

Essa semana eu estive conversando com o Allan, sobre como as coisas mudam, e a gente escuta isso o tempo inteiro "blablabla o mundo dá voltas", e quando realmente existe uma volta, você fica meio em choque, tentando achar o chão novamente. O Allan me falou sobre os ciclos a serem fechados. E isso é tão verdadeiro que dói. Nós vamos vivendo a vida, o tempo vai passando e de repente, pá, você quer voltar e terminar uma coisa que na época nem deu tanta importância.

Lembro que eu dizia "procurar eles pra quê? nunca me procuraram!", inclusive deletei o telefone do celular, tipo, foda-se, nunca vou ligar mesmo.

E hoje eu pedi o telefone para a minha mãe e liguei.

Ela que sempre quis tanto que eu me interessasse, porque família é família, minha filha, não importa o que aconteça.

Eu, mais nova, nem ouvia. Que família é essa que nunca procurou saber como eu estava?

Família é família, não importa o que aconteça.

Não sei se é a idade que faz a gente rever conceitos, não sei se é de tanto quebrar a cara, mas enfim, a gente muda, e os pensamentos, os conceitos vão mudando também.

Meu avô está com 90 anos, está doente e sinceramente, não vejo muito tempo. Queria pegar minhas férias em abril e dar um pulo lá, não sei como serei recebida, porque eu sei que eles pensam muita coisa errada e nem os culpo por isso. Eu fiz o que eu pude e tento viver sem me culpar, porque se eu começar a me culpar, eu não vivo, vou morrendo e não quero isso.

Quero que ele me espere, quero poder conhecer onde tudo começou.

O amor, a preocupação, não podem ser exigidos. Você recebe ou não. Você dá ou não. Da mesma forma que não posso exigir deles, esse anos todos eu não me importei e nada podia ser feito. Não dá para tomar um remédio, e opa, descobri que te amo. É o tempo. Só o tempo. Por isso, hoje eu penso que a questão de não ser recíproco não importa, quero ir mesmo assim.

Tenho uma irmã lá. Nunca vi. Quero conhecer também, mas respeitarei se não for a vontade dela.

Cada um tem seu tempo.

O meu já chegou.

13 comentários :

rafaelnanet disse...

Nossa, seu post falou comigo.
Não converso com meu pai desde os meus 12. Tenho 24. Sei onde ele mora, sei que tem família e eu tenho outros irmãos. Mas, como você disse, ele nunca me procurou, então porque me preocupar? Nesses últimos dias venho pensando "caraca, ele pode morrer e eu nunca poderei ouvir da boca dele um 'porque'".
Você disse certo, tá na hora de fechar esse ciclo.
Muito obrigado =)

guilherme disse...

você é a única pessoa que me faz ter vontade de escrever nessa caixa de comentários coisas que só a terapia eu permito ouvir.

te adoro.

vai sim, mas vc precisa de força pra aguentar a barra antes, durante e depois.

beijo.

Patrícia disse...

Sim, "é preciso chuva para florir"...
...
É preciso uma catarse para que o seu melhor venha à tona.
Estou me referindo às suas dores (as mais antigas e as recentes), o "me dê motivo" ouvido no restaurante, o post com o vídeo anexado (eu vi e me emocionei muito, ainda não conhecia o clipe da música), ter ido prá Jibóia City tbm foi super catártico, né? Tudo isso fervilhando dentro desse grande caldeirão psíquico...
Hey, menina valente, sei que vc vai conseguir fechar esse ciclo redondinho, bem do jeito que vc merece, depois de tantas lutas! Um parto, na verdade, mas depois de parido... Livre! E bem! BEM: é assim que eu desejo que você fique! Abraço maternal de Patrícia véia p/ Patrícia nova!

Anônimo disse...

Vai em frente!
Ainda que tenhas tantos... vai valer.
O pior é não fazer valer.

.duas doses de desdém disse...

Ai que lindo isso!Super maduro da sua parte, minha rainha!

Tb preciso visitar meus avós. =/

disse...

Ah o tempo. Só ele mesmo para fazer destas coisas.

Nat disse...

Te desejo boa sorte, Patricia.
E fico feliz de verdade em saber q vc está caminhando para tentar sarar algumas feridas abertas...

Fiquei pensando bastante no teu post com a música da Kelly Clarkson, em coisas da minha vida tb, em fatos q tb precisam ser de alguma forma expurgados.

Muita força aí pra vc!
E agosto já tá chegando já já no fim! ;)

Um grande beijo!

Barbarella disse...

Patrícia, as vezes leio seus post e vejo minha vida, meus traumas e medos nos seus... Aprendi com minha mãe resolver tudo, não quero nada do passado me assombrando...fecho as portas...
Mas o melhor sempre é o passar do tempo..a gente cresce sim... vê a vida com outros olhos.
Vai lá, visita seu avó...
Parabéns! Mais uma vez você mostrou que além de ótimo humor tu é forte garota! Muito mais do que imagina! Te adoro! Bjs

raquel disse...

o seu blog é um dos poucos que me faz prestar atenção tanto aos posts quanto aos comentários! vai com tudo, flamenguista! =*

Ana disse...

Pois é, Patrícia... Quando o tempo chega, bate até um certo desespero, dá medo de não dar tempo....Mas td vai ficar bem!
Beijos

Rê :) disse...

Bah... q post reflexivo. Muito bom.
As vezes me sinto assim... quem nunca se sentiu, né.

Espero que tudo fique bem.

Bjos e boa semana ;)

TATIANA SÁ disse...

Parabéns e vá em frente... talvez esteja com certo pessimismo nisso tudo... quem sabe eles tbm não estou esperando apenas você abrir uma brecha?

Gostei do blog, to colocando em minha listinha.

Bellatrix disse...



Good Luck
eu não tenho mais a quem visitar.