quinta-feira, fevereiro 05, 2009

exit music


Eu vou mesmo no dia 9. Obrigada a todas as pessoas que torceram, mas infelizmente não pude ficar mais. O chefe ligou e disse que se eu não for agora, um beijo e um abraço. Qual a melhor forma de se descrever a dor? É uma dor de perda, mas eu não perdi nada. É um choro compulsivo, silencioso, daqueles em que se engole o soluço à seco. O Allan ontem me disse, "a gente tem uma força que nem imagina", acho que é bem por aí. A merda acontece, você solta um palavrão, e no segundo seguinte já está se mexendo para as coisas melhorarem. Você leva uma porrada e levanta no automático, como se o sentido da vida fosse ser um eterno João Bobo. Hoje eu olho para trás e vejo tantos momentos complicados e penso "como eu consegui?", sempre me achei tão fraca, sabe, tão inútil, incapaz, e hoje eu vejo que eu passei por tudo aquilo. Da mesmo forma, espero daqui uns anos lembrar de hoje e ver que eu consegui, mesmo achando hoje que é impossível, mesmo não tendo a noção exata do que me aguarda. Ontem eu saí de óculos na rua, porque a lente quando você chora, ela umedece demais e acaba caindo. Saí de óculos por isso, da mesma forma como vou sair assim durante esses três dias aqui. É algo que não dá para controlar. Chorei passando pela Teodoro da Silva, chorei quando entrei no metrô da São Francisco Xavier, chorei na Maracanã, chorei na Presidente Vargas. E é um choro por tudo: pela minha mãe, que está aí cheia de problemas, com a minha vó doente, com o nome clonado, e ontem baixou no hospital, fizeram uns exames, pode não ter sido nada, como pode ter sido um princípio de derrame, aí vem a minha revolta com a vida, essa filha da puta que brinca comigo o tempo inteiro, e eu só digo uma coisa, eu não tenho estrutura para ficar sozinha no mundo; pelo Allan, no momento em que ele mais precisa de mim, eu não estou mais, estou indo embora, claro que ele entende, mas fica essa sensação em mim de virar as costas, de abandonar, coisa que ele nunca fez comigo, 18 anos não são 18 dias; pelo Rio de Janeiro, e meu amor incondicional por essa cidade; pelo Radiohead em março, e muita gente acha fútil chorar por causa de show, mas é A banda da minha vida, e eu não vou. Agonia. Angústia. Medo. É tanta coisa, é uma avalanche completa. Mas a gente segue. A gente sempre segue.

16 comentários :

Patricia disse...

Você vai seguir e vai dar tudo certo! Você não é fraca, senão não estaria disposta a dar essa volta de muitos graus na sua vida!! Estou torcendo por você e por quem fica aqui no Rio, essa cidade que eu tb amooo. beijo flor!

guilherme disse...

dia dez é meu aniversário.

não chorei, mas doeu não ter vc aqui.

Anne disse...

a gente TEM que seguir, né. é o curso natural da vida. mudanças e tudo mais. vai ser bom pra vc, menina, vc vai ver. E as coisas vão se resolver por aqui, mesmo com vc longe. Mas vai tranquila, na medida do possível. No inicio vai ser mais dificil, mas depois vai passar e vc vai enxergar tudo com mais clareza. Um beijo enorme em vc. E tudo de bom sempre.

Patrícia disse...

Não é fácil, não... Mas suas recompensas serão proporcionais ao seu sacrifício e o sábio Allan tem razão "a gente tem uma força que nem imagina". Chore tudo o que tiver prá chorar, depois respire fundo, olhe prá frente e vá! Que os ventos da bonança te acompanhem!

Barbarella disse...

...crescer dói...., foi a melhor coisa que ouvi quando sai de casa...dói mas agente cresce e aparece! Chore muito, põe tudo pra fora e vai com a cabeça ergida...você vai ver...depois disso, você vai se ver com outros olhos!!! Beijão e força, todos torcemos por você!!

Buh disse...

Não te conheço, nem sei como cheguei no seu blog, mas adicionei seu feed a uma semana mais ou menos...
To com os olhos cheios de lagrima. Serio. É dificil partir com essa sensaçao de estar virando as costas para aqueles que nos querem tão bem. Mas vai dá tudo certo, a vida é assim msm, cheia de idas e vindas, talvez seja melhor pra vc, mas se não for pelo menos vc tentou =), vc não é fraca por chorar, nem por ter medo. Isso mostra o quanto vc é especial.
Bjus

Quéroul disse...

"Mas a gente segue. A gente sempre segue." sóé!

boa sorte, boa viagem, bom começo.
tudo de bom.

e num some do blog :)
=*

Amanda Gonçalves disse...

Pois é, queridona.
Como é difícil!
Eu já estive na sua pele.
Mas, te digo, é uma oportunidade, senão de ficar rica, de ficar mais madura.

Boa sorte.

.duas doses de desdém disse...

É...a gente sempre segue...e o Allan tá certo! somos fortes e muitas vezes não sabemos o qto...eu tô numa fase escrota da minha vida viu!! :( e ao contrário de vc, tô voltando pra casa dos meus pais no mês que vem...apesar de ser longe do trabalho e sei que vai mudar MUITA coisa, mas pelo menos lá vou ter mais estrutura emocional...e talvez não volte a fazer tanta cagada qdo fiz morando sozinha.

Beijo, querida! E sorte pra nós duas.Sinto muito pelo show.Logo eles voltam ;)

Fernanda disse...

E o que eu posso te falar? Força mulher!

November disse...

Força aí...
Por mais que morra de medo as vezes - por pensar em tudo oq fica para trás - amo mudanças... acho que no fundo são elas que empurram a gente pra continuar.... as coisas e pessoas importantes sempre continuam presentes na nossa vida, por mais distante que estejam.. sei lá.. às vezes chego a pensar que minhas mudanças de algum jeito influem positivamente nos q eu gosto...
Boa sorte aí nessa nova etapa!!!

remi malcoeur disse...

tô contigo. mesmo no pantanal, em são paulo. sempre que precisar.

Caroline disse...

Não te conheço, só o que leio no blog. Mas te dou os parabéns pelo que você conta nesse post. É muita mudança. Acompanhei a sua dúvida entre assumir o concurso do Rio e o do MT, e mesmo sem te conhecer, admiro muito sua força de tomar a decisão de ir pro MT. Parabéns de verdade. E o fato de pra isso você precisar perder o show do Radiohead é um sacrifício à parte, entendo porque é a banda da minha vida também. Admiração parte 2. Boa sorte, é tendo essa coragem que você vai ter uma boa vida.

Red Forman disse...

boa sorte nessa fase nova da sua vida. se cuida. pense que você em breve irá num show do radiohead em Paris. isso ajuda. :D

Melissa Mell disse...

Acompanho seu blog e torço por vc. Não acho fútil chorar por nada, acho que tem que viver essa tristeza mesmo p ver se ela passa, o tal do luto. Mas não esqueça que vc está indo para uma oportunidade e não para a morte. As coisas vão esperar por vc, e acho que vc infeliz e se sentindo loser no Rio não vai fazer bem nem p vc e nem p quem te ama. Inclusive acho que seus amigos devem te ajudar a ir e parar de ficar falando o qto vai doer a sua ausência, pq isso não ajuda em nada.
Força, CONFIE e pára de ver a vida como uma filha da puta. Ela pode até ter sido, mas não quer dizer que sempre será.

Melissa Mell disse...

Quanto ao show, é dia 20, não é? é uma SEXTA!
Meu, SÉRIO, se é a banda da sua vida, FAÇA UMA LOUCURA: compre passagem p dia ir p o Rio dia 20 e voltar p MT dia 22/23.
Divida 10 vezes no cartão, até lá vc vai ter mais dinheiro do que tem hj.
Dia 20 é uma sexta: falte no trabalho nesse dia, doe sangue, arrume um atestado, desculpa, alguma coisa.
YOU CAN DOOO IT!
E ainda passa uns dias aí no Rio!
Beijos, espero ter ajudado