quinta-feira, setembro 11, 2008

11 de setembro de 2001

É o dia que vai acompanhar a nossa geração para o resto da vida. Todo mundo sabe onde estava e o que fazia nessa data.

Eu estava com férias forçadas, devido à greve no meu colégio. Escutava walkman, pulando as estações atrás de uma música boa e pegava segundos de umas notícias estranhas sobre atentado nos Eua. Caguei total, foda-se Eua, bombinha à toa, pensei, no mááááximo, no máximo o novo Oklahoma, continuei minha peregrinação atrás de boa música, eis que meu telefone toca e minha mãe "patricia, liga a tv", eu ligo e vem o choque. Eu com o telefone na mão, em pé na sala, sem acreditar no que via. A maior potência no mundo no chão, estatelada no seu próprio solo, frágil como qualquer país de terceira linha. Nem todo o meu anti-usa da época (já fui comunista, beijos) conseguiu esboçar alguma reação positiva sobre aquilo, nenhum ser humano poderia ficar feliz com aquilo.

Lembro que se seguiram os primeiros dias e havia toda uma atmosfera de terceira guerra mundial, o mundo ia mudar para sempre etc. E mudou. Vi um país ser destroçado em pleno século XXI e não falo sobre os Estados Unidos, falo sobre o Afeganistão. Vi usarem a barbárie de 2001 para atacar outro país em 2003, e a ocupação continua mesmo sem as provas de armas químicas.

No 11 de setembro cerca de 3.300 pessoas morreram. No Iraque estima-se que já tenha passado dos 90 mil civis, com alguns institutos falando em números maiores, tipo 1 milhão de mortos, afinal Iraque não é os Estados Unidos que para cada morto há uma plaquinha.

E assim o mundo segue.

P.s: Quem não viu Fahrenheit 9/11, veja. Tire os momentos tendenciosos, filtre, e absorva o que há de melhor nesse documentário. Falo sobre filtrar porque o Michael Moore é muito tendencioso as vezes, tem uma cena que é a do Bush recebendo a notícia do ataque e o filme critica a reação dele, de ficar parado olhando o nada, o que o Moore queria? Que o bush saísse gritando com as mãos na cabeça "oh my góóóóód!"? Eu no lugar faria o mesmo, atitude serena é tudo que se espera de um líder. Tirando esse ou outro deslize, o filme tem umas partes ótimas, tipo o Moore indo atrás dos congressistas americanos e dizendo "Oi, você apóia a guerra, que tal mandar seu filho para lá servir o país?". Mostra uma mãe que muda a sua visão sobre a política de guerra depois que o filho morre, para mim é a parte mais emocionante, ela conversando com as pessoas, tentando fazer elas mudarem de idéia e ela mesmo tem a consciência de que era assim no passado. Iria me alongar muito falando sobre o filme, então vejam.

8 comentários :

Gui disse...

Pô...parece que foi ontem! =/

Ah! mas os pedreiros daqui são medonhos mesmo, tem 2 dentess na boca, um pra abrir cerveja e o outro pra doer.

Beijos!

Karine disse...

Estava fazendo uma busca no google para encontrar o nome da música que terminou o programa Idolos na Rede Record dessa última terça-feira, e encontrei seu blog.
Achei muuito interessante.
Matérias bem legais..
Abraços!

Fernanda disse...

Cara, tava indo para inglês hoje e estava escutando rádio (como sempre) no meu celular. Daí a locutora falou o dia de hoje "11 de setembro" e eu: "Putz, torres gêmeas". No automático rs. Falei com o cara que eu pego tbm sobre isso e ele: "Hoje é dia de beber" "Pq?" "Pq eu não gosto dos Estados Unidos" "Mas tu dá aula de inglês (americano)" "E daí?" hahahahaha
Eu me lembro que tinha 16 anos, estava no colégio (aula de redação), quando a professora de primeira mão (rs) disse sobre o ocorrido. E a redação, óbvio, acabou sendo sobre isso.


Valeu por comentar em todos os meus post antigos rs

Beijos Patrícia.

paulinhaonline disse...

eu estava na escola, e na hora ouvi um ou outro comentário e nem liguei.
de tarde, no almoço, liguei a tv e fiquei pasma.
foi um choque, né.

adorei fahrenheit,achei muito bom (muito digno!) e tudo o mais. a frase q vc citou "oi, põe seu filho na guerra" é a que mais me remete ao filme.

beijo, adoro teu blog!

Dão disse...

To vendo que a galera aqui é bem novinha. Eu tava no trampo. Vi a noticia da primeira torre pela internet e corri pra tv e vi a segunda torre sendo atingida ao vivo. Só de escrever isso sinto arrepios, foi realmente um dia de estado de choque total.
Tenho um amigo que tava em Nova York no dia, na rua das torres e tirou algumas fotos quanelas tinham acabado de cair. Parada bizarra, sinistro demais.
Penso só nos bombeiros que subiram pra "resgatar" pessoas sabendo que iam morrer.

Mateus disse...

eu tava com uma infecção do meu dedão do pé(eeeeeewwww) e tava voltando do podologo qd cheguei em casa e vi o predio pegando fogo. até mudei de canal pensando q tava sl, no telecine, mas não, era verdade.
confesso q chorei. foi um dia bizarro.
minha irma falou q qd ela recebeu a noticia, na sala de aula, um menino levantou e gritou AEWWWWWW MORRAM QUEIMADOS, AMERICANOS DE CUUUUU AEWWWWWWWWWWWWWWW. lindo isso né? tão..... eu.

Letícia disse...

nossa, eu lembro, eu cheguei da escola e minha mãe estava assistindo globo news, só nas reprises das torres sendo 'atacadas'. eu devo ter feito a mesma cara que o Bush, haha.

mas o 11 de setembro de 2008 também não vou esquecer, quase fui assaltada pela primeira vez. nhé :(

guilherme disse...

Estava ouvindo Rádio Cidade (também em greve) ouvi a notícia e assisti na CNN loucamente. Avisei minha mãe, ela nem sabia.

Me lembro que fiquei hiper chocado ao ver as torres desmoronando. Aquelas torres eram muito importantes na "geografia de Nova Iorque na cabeça do Guilherme". E as cenas e entrevistas com os executivos que escaparam nas ruas e nos prédios ao lado impactantes.

o pior foi ouvir uma das pessoas mais centradas que eu conheço dizer pra minha mãe que nesse dia ela tinha se arrependido de ter filhos, porque estamos "sentados num estopim" que pode estourar a qualquer momento.