quarta-feira, agosto 06, 2008

e a literatura fica em segundo plano

Como eu contei aqui, arrumei o meu armário semana passada, foram trocentos livros, gibis, fitas, brinquedos, e milhares de outras tranqueiras que eu resolvi me desfazer. Na verdade foram bem mais de 2 caixas enormes de livros, foram umas 6, 7, só a enciclopédia ocupou uma inteira.

Bom, a Márcia que trabalha aqui em casa tem 8 filhos, 3 deles ainda crianças na faixa dos 8 a 10 anos. Claro que dei as bonecas e os brinquedos para os filhos dela, mas também separei uma caixa com alguns livros e gibis que achei pertinente para a idade das crianças. Gibis todos da Turma da Mônica, eu amava; alguns livros da Disney que foram meu primeiro contato com a literatura; livros infanto-juvenis lidos nos meus 11, 12 anos, tal como "A droga da obediência", do Pedro Bandeira, livro fodástico, eu e a turma inteira adoramos. Tudo isso numa caixa não muito pesada, bastava ela levar um pouco a cada dia.

A Márcia foi quem separou toda a tranqueira, algumas coisas eu dizia "olha, isso é bom pra você levar", por exemplo, um atlas bem completo e por aí vai. O que não era para ela levar, foi separado e um sebo viria aqui pegar. Qual não é minha surpresa hoje, dia de entregar as coisas para o sebo, ao ver que a caixa que eu separei com os livros e gibis também estava entre as outras a serem doadas. Ou seja, ela cagou para os livros, só levou os brinquedos.

Daí eu fico pensando que o hábito da leitura tem que começar pelos pais, ela não levou porque não viu utilidade naquilo, mas os brinquedos ela sabia que os filhos iriam gostar, porém, por que os filhos não gostariam dos livros? Talvez porque a mãe também não gosta... Mas isso só não me convence. Falta toda uma conscientização de que é através da leitura, e somente dela, que o cidadão se forma, questiona, aprende etc. A minha mãe não costumava ler ou não lia quase nada, mas sempre me incentivou, tanto que os livros da Disney era ela quem buscava. Quando eu não sabia ler, ela lia para mim todas as noites e quando eu comecei a aprender a ler, era eu quem lia para ela. Mesmo a minha mãe não tendo hábito nenhum de ler os grandes mestres da literatura, ela só gostava de Agatha Christie, me incentivou e isso é o mais importante: o incentivo.

A Márcia quis levar qualquer coisa, desde que não fosse livro. Tinha um video cassete, ela quis levar, mesmo tendo dvd, inúmeros porta-retratos cafonérrimos, ela também quis, papel de carta, pastas fofuxas da minha adolescência, TUDO, ela levou tudo que era inutilidade. Livro, ela cagou.

Eu não a culpo por completo, é um pensamento passado de geração pra geração, é difícil mudar. Mas dá uma agonia de ver que as coisas não vão melhorar, que a cada dia que passa é a ignorância que vai prevalecer, ninguém vai saber do seus direitos, serão todos marionetes nas mãos da igreja e dos políticos, que um dia com certeza vão se fundir num só, já estão se fundindo, vide Crivella, primeiro colocado nas pesquisas para prefeito no Rio. Um dia as bibliotecas todas serão fechadas e as igrejas vão abrir no lugar delas.

Um comentário :

Anônimo disse...

minha mae tb me incentivou a ler até certo ponto. nunca vi ela lendo um livro durante a minha vida toda, pq antes de nascer ela fez uma cirurgia nos olhos q deu errado e ficou com a vista toda cagada. enfim, sempre a vi vendo tv e filmes pq "cansavam menos", segundo ela. a verdade é q ela n era de humanas, foi criada num ambiente alienado e tal. fico pasma como tenho varios amigos assim, criados alienadaços sem a menor curiosidade sobre nada. eu nunca fui assim, mas me faltava orientação, acho. só fui ter internet em casa ha uns 7 anos, entao, sei la, parece q é tudo novo pra mim. já saí do colégio há anos e só agora percebo como sou ignorante... não conheço um bocado de autores q estudantes de ifcs são meio q obrigados a ler (e muitos ja entram la ja tendo lido)

fico meio mal por isso, mas e a preguiça? de bater perna atras de livro, de pagar caro, de ler no computador... eu gasto hoooooooras na internet (hj virei a noite lendo seu blog) e faz bem uns 5 anos q não pego firme num livro. ja vi mais de 2 filmes nesse tempo, mas livro q é bom, necas.

daí eu penso q eu, numa situação mto mais privilegiada q a sua empregada, n tenho esse habito, como levar isso pra essas pessoas? pq n basta dar livro infantil, acho q tem q ser um habito cultivado a vida toda. eu li mta bobagem de criança e adolescente, agatha christie, etc. mas n fiz a transição pra livros adultos. tirando um ou outro q caíram na minha mão, por acaso, num sebo.