sábado, janeiro 03, 2004

Meu Réveillon

Preciso de forças para conseguir descrever o que foi o meu Ano Novo em Copacabana. Hoje, passados 3 dias, posso dizer que foi bom, mas não foi dos melhores. Quer dizer, talvez daqui a um mês eu consiga rir das situações escabrosas pelas quais passei. O fato-mor da noite foi eu ter sido amassada não como uma sardinha em lata, mas como uma batata para se fazer um purê. Nem quando eu fui ao maracanã com 100 mil pessoas entrando pelo mesmo lugar, eu fui tão amassada daquele jeito. Mas é melhor eu contar os acontecimentos por partes cronológicas. Para isso irei me utilizar de tópicos que são objetivos para se contar alguma coisa. Aliás, eu não sei como a filosofia não me induziu a extinguir essa mania de tópicos. Enfim.

1. Nunca o metrô esteve tão cheio. As pessoas estão deixando de serem burras e não estão mais indo de ônibus. Aquilo estava tão cheio que fizemos barreira humana para ninguém ousar querer entrar lá. Daqui alguns anos inteligência terá quem for de ônibus, e não de metrô.
2. Nem eu nem meus amigos ficamos satisfeitos no lugar onde ficamos. Cada um queria ir para um lugar diferente e para conseguirmos um consenso não ficamos nem lá nem cá.
3. Os fogos foram maravilhosos como sempre, acho apenas que eles deveriam ser condensados, porque no final você não agüenta mais ver aquilo, enche o saco e se vira para o Méridien esperando a cascata.
4. Sendo que a cascata foi prejudicada pelo vento, ao invés de ficar na vertical, virou horizontal.
5. Não choveu forte como todos esperavam. Apenas chuviscou depois da meia-noite. Esse foi o ponto forte da noite, pois todos estavam com cagaço de chover e inundar a cidade.
6. Eu fiquei mais encharcada com o champanhe de malucos que acham que jogar isso nos outros é engraçado do que propriamente com a chuva.
7. O show do Lulu começou quando a cascata do Méridien ainda não tinha terminado. Prefeitura e Hotel deveriam organizar melhor o tempo no próximo ano.
8. Lulu cantou o de sempre, mas conseguiu levantar a platéia. Deu uma de funkeiro e falou pra todo mundo mexer o popozão, que ele queria ver as preparadas e tal. E ao som de muito palavrão fez o seu show.
9. Depois do espetáculo ter terminado, isso devia ser mais ou menos 1h, resolvemos ir para o calçadão (estávamos na areia), lá encontramos uns amigos que estavam indo para o show dos Los Hermanos e eu que estava querendo ficar lá desde que cheguei não resisti e quis ir junto.
10. Esse foi o nosso erro. Foi justamente daí que veio nossa derrocada. Para irmos ao show da melhor banda da atualidade, fomos pela calçada que estava mais lotada do que as ruas de Pequim. Num dado momento houve uma confusão que até agora eu não consegui entender. O cerne da questão foi que quinhentas pessoas estavam indo e quinhentas pessoas estavam voltando, e isso pelo mesmo caminho. Assim como se fosse uma competição de cabo de força sem cabo. Eram pessoas que estavam sendo jogadas e empurradas. Para se ter noção da gravidade da coisa, nós queríamos sair de lá e simplesmente não conseguíamos. Eu empurrava dez pessoas porque tinham 20 me atropelando. Três pessoas desmaiaram na minha frente e os gringos coitados, sem entender nada.
11. Quando finalmente conseguimos sair de lá contornamos o show do Lulu para irmos para o do Los Hermanos, tamanha era a lotação daquilo. Demos a volta para não sermos pisoteados por pessoas sem educação.
12. Mas ainda faltava o nosso ponto final. Eu andei pra cacete e quando cheguei lá, adivinha? O show tinha acabado e a Mangueira já estava tocando.
13. Cansados e exaustos, sentamos na areia e de lá só saí 6:30 da manhã.
14. Entre as 2 da manhã e as 6 horas, vi coisas que até Deus duvida. Pessoas se masturbando, pessoas vomitando, gringos-branquelos-de-cueca-se-achando entrando no mar. Isso foram apenas as coisas descritíveis.
15. O que são aqueles banheiros públicos? Cara, pra eu um dia ter que fazer xixi naquilo eu tenho que ser drogada até não mais possuir dignidade. Aquilo é um decadência sem tamanho.
16. Vi o o sol nascer, vi a vida renascer e isso recompensou todas as agruras da noite. Pode parecer estranho, mas eu adorei a noite. É sempre bom ficar do lado das pessoas que você gosta, pessoas de uma vida inteira e principalmente, conversar durante cinco horas e nem ver o tempo passar.

Relato do Allan:
hahahah mas foi legal e isso que importa tudo bem a gente não fez pegações como no ano passado mas tudo bem valeu assim mesmo , ha se vc tiver coragem de passar la ano que vem .. faremos melhor e claro com as pessoas. digo bom deixa pra la so sei que eu não faço o que fiz esse ano ahahahahahahah desperdiçar brilho jamás .... e eu estava lindo .... como vc diz brilhando hahahahahhaha todos nos ne ???? bjs